Por que alguns lugares usam eletricidade de 110v e outros de 220v?

Thinkstock Direito de imagem Thinkstock
Image caption Os padrões são diferentes entre os países e até dentro de alguns deles, como o Brasil

Existe uma linha que divide o mundo em duas partes: os que usam tensão de 110v a 120v e os que usam 220v a 240v.

Boa parte do continente americano usa a tensão 110v, enquanto boa parte da Europa, Ásia e África usa a 220v.

No Brasil a situação é ainda mais complicada, pois a tensão pode variar de um Estado para outro, de uma cidade para outra e até dentro de uma mesma cidade.

E no Brasil o 110v está deixando de ser utilizado e o 127v está ganhando espaço.

A seguir, explicamos a razão dessa divisão - e, talvez o mais importante, se isso faz alguma diferença.

A tensão

Primeiro algo básico: o "v" significa voltagem.

"O fluxo de eletricidade em um circuito é descrito por duas grandezas, a tensão e a corrente", disse à BBC Mundo, serviço em espanhol da BBC, Morris Lockwood, gerente-técnico da Edif Era, uma consultoria de engenharia com sede no Reino Unido.

Direito de imagem SOMNUSDE, WIKIPEDIA
Image caption Mapa mostra quais voltagens são usadas pelos países

"A tensão se mede em volts e a corrente, em amperes. Os dois são muito diferentes", acrescentou.

"Para entender melhor, imagine a água que flui em um cano ou uma mangueira. A tensão equivale à pressão e a corrente, ao fluxo de água (vazão). Os dois são necessários para transmitir energia."

A multiplicação da tensão (medida em volts e equivalente à pressão) pela corrente (medida em amperes e equivalente ao fluxo) é o que dá a potência, que se mede em watts.

O tamanho da conta

Geralmente encontramos lâmpadas de 100 watts, 75 watts e outros. Muitos acham que esses números são equivalentes à luminosidade, mas o que eles refletem mesmo é o consumo de energia.

Logo, em um local com tensão 110v, uma lâmpada de 600 watts vai precisar de 5,4 amperes de corrente.

Em outra cidade que usa voltagem 220v, a mesma lâmpada vai precisar de 2,7 amperes de corrente.

Em termos de quantidade de energia, um e outro não faz diferença. O que a pessoa paga é a potência - os watts.hora consumidos, indicados na unidade kilowatts.hora.

Desta forma, o tamanho da sua conta de energia elétrica depende de qual lâmpada você escolheu.

Comparando a energia elétrica ao fluxo em uma mangueira: a tensão 220v pode funcionar como uma "mangueira" mais fina - ao aumentar a pressão a taxa de fluxo de "água" é menor.

Quanto aos materiais usados para uma ou outra tensão, Marco Antonio Saidel, professor do Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas da Escola Politécnica (Poli) da USP, afirma que não há diferença.

"Material usado é cobre e existe uma bitola mínima determinada pelas normas (de segurança). Pode variar a pureza do cobre, mas o material é um só", explicou o professor à BBC Brasil.

Quanto aos riscos das duas tensões, a 110v e a 220v, Saidel faz um alerta.

"Toda tensão é perigosa, o que pode trazer dano para o ser humano (ao circular pelo corpo) é a corrente. O dobro da tensão gera o dobro de corrente nas mesmas condições."

O professor da Poli afirma ainda que o risco também depende do tipo de proteção que a pessoa está usando ao lidar com eletricidade (botas de borracha, por exemplo) e de qual parte do corpo é atingida pela corrente (se a corrente atravessar o coração, por exemplo).

Direito de imagem Thinkstock
Image caption Torres de transmissão se transformaram em algo comum na paisagem de vários países

Disputa histórica

A segurança está no centro da razão histórica pela qual os Estados Unidos e os países em sua área de influência usam a tensão 110v.

Tudo começou com a épica polêmica envolvendo Thomas Edison e Nikola Tesla, batizada de "a guerra das correntes", ocorrida no fim do século 19, época da introdução dos primeiros sistemas de transmissão de energia.

Edison promovia o uso da Corrente Contínua (DC, na sigla em inglês), que trabalhava com 100v e era impossível de converter em outras tensões naquela época.

Tesla, da Westinghouse Corporation, afirmava que a Corrente Alternada (AC) era melhor: sua tensão podia ser modificada com facilidade, reduzindo os custos, e poderia transportar energia por grandes distâncias.

Edison, por sua vez, sustentava que a AC era perigosa. E, para demonstrar isto, ele organizou demonstrações nas quais eletrocutou animais com a corrente "rival".

Mas, apesar da guerra de publicidade, Tesla e a Westinghouse saíram ganhando. Na Feira Mundial de Chicago, o cientista fez passar pelo próprio corpo uma corrente alternada de milhões de volts e saiu ileso.

Direito de imagem Thinkstock
Image caption Tudo indica que Tesla foi ajudado em sua experiência ao usar uma alta frequência e sapatos com sola de borracha

Tudo indica que Tesla foi ajudado em sua experiência ao usar uma alta frequência e sapatos com sola de borracha. (É sempre bom lembrar que não é aconselhável tentar repetir isso em casa.)

A demonstração de Tesla, somada aos custos menores da corrente alternada e à capacidade de transmissão, marcaram a vitória da Westinghouse e a adoção deste sistema.

Mas as lâmpadas de Edison eram muito populares nos Estados Unidos. E como funcionavam com voltagem de 100v, que rapidamente foi modificada para a de 110, elas foram adaptadas à corrente alternada de Tesla.

O sistema AC hoje é usado em linhas de transmissão de energia em grandes distâncias, muito populares em vários países.

Tópicos relacionados

Notícias relacionadas