Carcereiros, cortadores de cana e carregadores de mala dão a Fiji sua 1ª medalha olímpica na história

Jogadores de Fiji desfilam com a primeira medalha do país em 60 anos de participação olímpica Direito de imagem Getty Images
Image caption Jogadores de Fiji desfilam com a primeira medalha do país em 60 anos de participação olímpica

O simples fato de ter pisado no gramado do Estádio de Deodoro já foi um feito e tanto para o time de rúgbi de Fiji.

A ilha do pacífico foi atingida por um violento ciclone em fevereiro, cujo estrago foi catastrófico - mais de 40 mil casas destruídas e 44 mortos. Entre os desabrigados, estavam jogadores.

Mas uma vez na Rio 2016, o que não faltou foi vontade para aproveitar uma chance histórica.

O país, que tem pouco mais de 900 mil habitantes, conquistou sua primeira medalha olímpica nesta quinta-feira ao atropelar o Reino Unido por 43 a 7 na final. O ouro representa o primeiro pódio da ilha desde que iniciou sua participação olímpica, em 1956.

Não foi propriamente uma zebra, já que o esporte é popular entre as pequenas ilhas do Pacífico. Fiji já havia sido duas vezes campeão mundial na modalidade sevens - em que os times têm sete jogadores de cada lado, em vez de 15 -, justamente a modalidade estreou no programa olímpico neste ano.

A surpresa é que Fiji brilhou apesar dos problemáticos obstáculos que enfrenta.

Enquanto seus principais rivais contam com uma infraestrutura que por vezes permite aos atletas dedicação exclusiva aos treinos - a Nova Zelândia, por exemplo, levou um mito do esporte, Sonny Bill Williams, para a luta por medalhas - Fiji trouxe ao Rio jogadores que dividem a bola oval com empregos como o de carceireiro, cortador de cana e carregador de mala em hotéis de luxo da ilha.

Image caption Osea Kolinisa comandou Fiji na vitória arrasadora sobre os britânicos em Deodoro
Direito de imagem Getty Images
Image caption Treinador britânico Ben Ryan assumiu o time de Fiji em 2013 quase que por curiosidade

Ben Ryan, treinador britânico que assumiu o time de Fiji em 2013 quase que por curiosidade, contou à imprensa internacional que ficou os primeiros cinco meses sem receber os salários e que a federação esportiva do país sequer tinha dinheiro para colocar gasolina no ônibus para levar os jogadores aos treinos. E ainda teve o ciclone Winston.

Ryan, porém, tinha em mãos atletas com talento de sobra. Ao longo do tempo, os fijianos aprenderam a driblar a pobreza para jogar rúgbi. Nas peladas da criançada, a bola oval é improvisada com garrafas e chinelos - algo como o tradicional futebol com bola de meia no Brasil.

“Aprendemos a jogar com paixão e minha geração foi recompensada com essa chance de fazer história na Olimpíada”, afirmou o capitão da seleção, Osea Kolinisau.

A paixão pelo rúgbi em Fiji é tamanha que até o premiê Frank Bainimarama estava na arquibancada em Deodoro.

O político, porém, já perde em popularidade para o britânico Ryan - o treinador não pode andar nas ruas da ilha sem ter que posar para selfies incontáveis. E aparentemente tem visto seu nome se tornar popular entre os bebês que nascem por lá.

Tópicos relacionados

Notícias relacionadas