EUA vão suspender regra que proibia a importação de troféus de caça de elefantes

Presas de elefante apreendidas Direito de imagem EPA
Image caption Presas de elefantes são troféus de caça

A administração do presidente americano Donald Trump permitirá que caçadores dos Estados Unidos importem troféus de caça de elefantes para o país - suspendendo uma proibição da era do ex-presidente Barack Obama de 2014.

Uma agência ambiental do governo afirmou que as importações seriam retomadas nesta sexta-feira para os elefantes que são legalmente caçados na Zâmbia e no Zimbábue.

O órgão, a US Fish and Wildlife Service (USFWS), defendeu que as taxas advindas da caça podem ajudar na conservação de espécies ameaçadas de extinção.

Especialistas alertam que as populações de elefantes africanos estão caindo - segundo o Grande Censo dos Elefantes de 2016, houve queda de 30% de 2007 a 2014.

Somente no Zimbábue, o relatório da organização aponta queda de 6% no número de espécimes.

Apesar dos elefantes estarem listados na Lei de Espécies Ameaçadas de Extinção, existe uma brecha na legislação do país que permite a importação de partes de animais caso haja provas suficientes de que as taxas geradas na transação irão efetivamente beneficiar a conservação de espécies.

A USFWS afirmou ter tido informações de apoio de funcionários da Zâmbia e do Zimbábue à nova medida.

Atualmente, ocorre um aparente golpe militar no Zimbábue.

Reações negativas

A agência federal argumentou que, em vez de ameaçar a população de elefantes, matar os animais "aumentará a sobrevivência das espécies na natureza".

Um comunicado da agência diz: "A caça esportiva legalizada e regulada como parte de uma administração consistente pode beneficiar a conservação de certas espécies ao prover incentivos às comunidades locais (...)".

Funcionários anteciparam a mudança durante um fórum promovido pela Fundação Internacional Safari Club, favorável à caça - e que, em conjunto com a Associação Nacional de Armas de Fogo, fez lobby pela nova política.

A cada ano, desde 2010, as populações de elefantes na África diminuíram 7% em média - com mais de 30 mil mortes por ano.

Direito de imagem PA
Image caption Entidades que lutam pela conservação da biodiversidade alertam para a constante dimunição da população de elefantes

Grupos de defesa dos elefantes reagiram negativamente às notícias.

"Comportamento repreensível da administração Trump", tuitou o projeto Elephant, uma organização sem fins lucrativos dedicada à conservação destes animais.

"Cem elefantes por dia já são mortos", disse o grupo. "Isto levará a um aumento na caça".

Tradição familiar

Muitos usuários das redes sociais, incluindo alguns apoiadores notáveis de Trump, como Laura Ingraham, da emissora Fox News, também criticaram a decisão.

Os filhos do presidente Trump são conhecidos por ir à África para viagens de caça esportiva.

Em uma foto, Donald Trump Jr. é retratao enquanto segura a cauda amputada de um elefante morto.

Notícias relacionadas