'Ganho mais que meu pai': o jovem que é pago para jogar videogames
A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

'Ganho mais que meu pai': o jovem que é pago para jogar videogames

O russo Igor Solodkov passa de 10 a 12 horas por dia treinando.

Ele é um jogador de videogames profissional.

"Temos uma companhia registrada; recebemos um salário mensal", diz.

"Também ganhamos uma fatia dos prêmios, fazemos publicidade e transmitimos os jogos online", acrescenta.

Solodkov largou a universidade quando tinha 20 anos para se dedicar exclusivamente a uma carreira no videogame.

Pelos seus cálculos, ele treinou 8 mil horas durante dois anos.

"Meu salário? Agora ganho um pouco mais do que meu pai", conta.

Igor e seu time, o GoodJob, participaram recentemente de um torneio virtual. Jogavam Counter Strike e concorriam a um prêmio de R$ 324 mil na criptomoeda Level Up Coin (LUC).

Toda a família de Igor vai assisti-lo durante as competições.

"A comunicação entre nós não pode ser apenas precisa; tem que ser perfeita", diz ele sobre sua equipe.

O time tem cinco jogadores e um treinador.

O torneio inclui times de oito países e é transmitido em 10 línguas diferentes.

"Claro que é importante se divertir, mas minha prioridade número 1 é ganhar e garantir que vou ser melhor no que eu faço a cada dia que passa", conta.

O time de Igor acabou perdendo para seus rivais poloneses.

Mas eles conseguiram ganhar mais fãs e, possivelmente, uma nova carreira - a de comentarista de jogos.

A indústria de games é uma das mais lucrativas de todo o mundo. No ano passado, estima-se, o faturamento global do setor foi superior a US$ 100 bilhões (R$ 325 bilhões).