Mulheres do Complexo da Maré contam suas histórias sobre violência em Londres
A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

Mulheres da favela da Maré contam suas histórias sobre violência em instalação artística

"Ele pegou pelos cabelos e bateu com a minha cabeça no guarda-roupa. Aí me derrubou, montou em cima de mim, tapou a minha boca com a mão para eu não gritar, e aí foi a hora que ele enfiou a faca no meu peito...Foi quando mordi a mão dele. Ele tirou a mão da minha boca e foi a hora que eu gritei socorro e ele enfiou a faca dentro da minha boca, na minha garganta", lembra Maria Alice Vieira, 52, moradora da favela da Maré, no Rio, sobre o dia em que seu então companheiro, usuário de drogas, tentou matá-la.

Ela não o denunciou.

No último fim de semana, seu depoimento e o de outras 19 mulheres puderam ser escutados e vistos em Londres na instalação batizada de Cicatriz (Scar, em inglês), da diretora Bia Lessa.

A obra, que foi exibida durante o festival Mulheres do Mundo (Women of the World), no Southbank Centre, com a presença das duas moradoras da Maré, traz relatos de outras 18 mulheres da comunidade que participaram da pesquisa e revelaram suas histórias.

Além dos depoimentos, em vídeo e texto, a instalação também exibiu objetos que de alguma maneira lembravam essas mulheres de momentos marcantes de suas trajetórias.

A obra também será exibida em São Paulo e no Rio no segundo semestre deste ano.