Kolinda Grabar-Kitarović, a popular presidente-torcedora da Croácia acusada de xenofobia

Kolinda Grabar-Kitarović em uma partida no Mundial da Rússia Direito de imagem Getty Images
Image caption As imagens de Kolinda Grabar-Kitarović comemorando de forma efusiva na Copa correram o mundo

Ela foi a torcedora mais popular do time croata. Vestida com a camisa da sua seleção e com gestos e poses entusiasmadas que fogem ao protocolo oficial, a presidente Kolinda Grabar-Kitarović tornou-se um dos personagens mais carismáticos da Copa do Mundo da Rússia.

À medida que a Croácia avançava na competição rumo à final, a chefe de Estado dessa pequena nação europeia estava nas machetes ao redor do mundo não só pelas efusivas demonstrações de apoio à sua equipe.

Como confirmou o próprio governo croata, Kolinda descontou de seu salário os dias em que se ausentou para ver o Mundial. Também pagou suas passagens de avião e ingressos para os estádios com seu próprio dinheiro, viajou de classe econômica e abriu mão da área VIP em algumas partidas para ficar na arquibancada com outros torcedores.

Ela só perdeu um jogo, e foi por uma boa razão: na semifinal contra a Inglaterra, estava na Bélgica para participar da cúpula da Otan, o organismo internacional para o qual trabalhou durante anos antes de se lançar na disputa pela Presidência.

Na ocasião, ela deu a camisa de sua seleção ao presidente americano, Donald Trump, e à premiê britânica, Theresa May. Mas a cúpula não a impediu de voltar a Moscou para a final.

E, apesar da derrota de sua equipe, a presidente não só abraçou os jogadores e até o presidente francês, Emmanuel Macron, de forma pouco ortodoxa para o cargo, mas também se molhou na chuva que caiu após o jogo enquanto outros, como o presidente russo, Vladimir Putin, se protegiam sob guarda-chuvas.

Direito de imagem Getty Images
Image caption A presidente croata desafiou a chuva durante o encerramento do Mundial

Foi uma sensação. Segundo o site de análise de dados Mediatoolkit, as histórias e publicações em redes sobre Kolinda durante a final superaram em 25% as menções de sua seleção e, inclusive, as de jogadores como Luka Modrić, o ganhador da Bola de Ouro.

E agora que a febre da Copa do Mundo passou, a presidente está emergindo, segundo a mídia local, como a personalidade mais popular do país.

Mas quem é essa política de 50 anos que fala quatro idiomas e, em 2015, se tornou a primeira mulher a ser presidente da Croácia?

Política e futebol

"Em termos de opiniões políticas, ela é uma conservadora populista-nacionalista, embora seja algo realmente difícil de acreditar com base no que foi visto na Copa do Mundo", diz Dejan Jović, professor de Ciência Política da Universidade de Zagreb, na Croácia.

De acordo com o especialista, o gosto da presidente pelo futebol combina com seu projeto de dominar áreas "tipicamente masculinas" a fim de demonstrar que ela é ao mesmo tempo uma líder forte e capaz, sem deixar de ser popular.

Direito de imagem Reprodução
Image caption Gosto da presidente pelo futebol combina com seu projeto de dominar áreas 'tipicamente masculinas', avalia cientista político

Antes de entrar na política, a presidente Kolinda passou um ano estudando nos Estados Unidos. Depois, voltou a seu país e se formou em Literatura Inglesa e Espanhola.

Foi então que, ainda como estudante, ela começou a trabalhar como consultora de cooperação internacional do Ministério da Ciência e Tecnologia croata.

Ela estudou diplomacia, fez mestrado em Relações Internacionais e foi por três anos conselheira na embaixada da Croácia em Ottawa, no Canadá.

Em 2000, ela voltou a trabalhar no governo como ministra de Assuntos Europeus e depois como ministra de Relações Exteriores e Integração Europeia.

Depois, ela voltou aos Estados Unidos como embaixadora. Foi lá que ocorreu o primeiro escândalo do qual seus críticos não se esquecem.

Direito de imagem Reprodução
Image caption Presidente emergiu do Mundial como a figura política mais popular do país

Durante o período em Washington, seu marido usou o carro oficial da embaixada para assuntos privados, o que gerou um escândalo que fez o governo de Zagreb cambalear.

Sua popularidade declinou na época, mas sua reputação logo a levou a se tornar a subsecretária de Diplomacia Pública da Otan.

Não demoraria até que ela finalmente chegasse à Presidência, ao mesmo tempo em que faz um PhD em Política na Universidade de Zagreb.

No entanto, apesar de sua carreira ascendente, seus pontos de vista e do União Democrática Croata, partido conservador e anti-imigração que ela representa, foram rotulados em seu país como "xenofóbicos" por grupos de direitos humanos.

Contra os refugiados

Sua visibilidade após a Copa do Mundo, na verdade, também revelou fatos obscuros da sua carreira.

Falou-se de uma foto polêmica dela com uma bandeira de origem nazista ou seu apoio às políticas anti-imigrantes, que incluíam propostas de leis para punir quem fornecer ajuda humanitária aos imigrantes.

De fato, de acordo com Jovic, durante o auge da crise de refugiados em 2015, a líder croata foi mais radical em sua postura do que o próprio governo e, em dado momento, sugeriu que a Croácia deveria usar o Exército para defender suas fronteiras.

"Ela também é mais conservadora em todos os assuntos que o atual primeiro-ministro", diz o professor Jović.

No entanto, apesar de sua forte política anti-imigração, que gerou críticas da União Européia e da Anistia Internacional, o cientista político acredita que há outra questão relacionada aos êxodos que preocupa mais a presidente.

"Seguindo seu perfil político tradicionalista, ela está muito mais preocupada com os croatas que emigraram do país do que com os refugiados ou imigrantes que gostariam de se estabelecer na Croácia. Os primeiros são muitos, enquanto os últimos são poucos", diz Jović.

A população da Croácia não cresceu nos últimos 30 anos. "Ela afirma que a Croácia corre o risco de ficar deserta se continuar a tendência de pessoas deixarem o país (em grande parte, para a Europa Ocidental) e, portanto, propôs que o governo fizesse mais para aumentar a taxa de natalidade."

O professor acrescenta que a presidente "considera que os croatas estão excessivamente pessimistas e, portanto, quer aproveitar o grande sucesso da seleção de futebol para substituir o ambiente pessimista por um otimista".

O caminho para o governo

Segundo o especialista, apesar de sua popularidade, o poder real da presidente Kolinda na Croácia é limitado, assim como suas conquistas durante o atual mandato. "Ela não fez muito de fato, mas ela não pode fazer muito na posição de presidente", diz Jović.

"No entanto, estando ao lado de forças nacionalistas e algumas vezes machistas da sociedade, ela não encorajou uma maior liberalização da sociedade croata, que fazia parte do processo de adesão da Croácia à União Europeia (antes de 2013)."

Direito de imagem Getty Images
Image caption A presidente rompeu com o protocolo oficial em várias ocasiões durante a final contra a França

Mas, de acordo com o cientista político, os recentes sinais enviados pela presidente podem ser interpretados como uma amostra de suas aspirações para se tornar a verdadeira líder do país em 2020 como primeira-ministra.

Agora, depois da Copa do Mundo, ela está emergindo como a personalidade mais influente na política croata.

Jović ressalta que, desde antes, a presidente Kolinda tem sido caracterizada por frequentes críticas aos governos de seu país, tanto de esquerda quanto de direita, o que a tornou popular em diferentes estratos da sociedade.

"Ser crítica atrai alguns dos marginalizados da sociedade, e, com seu comportamento retórico e nacionalista (por exemplo, durante as partidas da Copa do Mundo, quando mais parecia uma torcedora do que uma chefe de Estado), torna-se mais atraente à direita", diz ele.

De fato, o cientista político afirma não ter dúvidas de que a presidente aproveitará a popularidade da Copa do Mundo para obter um segundo mandato presidencial nas eleições do ano que vem. "Sua presença na Copa do Mundo definitivamente poderia ser descrita como um ato pré-eleitoral", diz Jović.

Notícias relacionadas