Levantamento coloca Brasil em 13º lugar entre países com mais multimilionários

Carro em Londres Direito de imagem Getty Images
Image caption Multimilionários costumam ter mais de uma propriedade, destaca consultoria

Quando é que uma pessoa se torna multimilionária? De acordo com um relatório sobre os ultrarricos do mundo, só quando sua fortuna ultrapassa os US$ 500 milhões (R$ 1,9 bilhões).

Mas, se você tivesse essa quantidade de dinheiro, onde escolheria viver?

A agência imobiliária e consultoria de propriedades comerciais britânicas Knight Frank LLP, fundada em Londres em 1896, se dedica a responder essa pergunta desde 2009.

Segundo seu relatório mais recente, a maior quantidade de pessoas com pelo menos US$ 500 milhões está na América do Norte - mais precisamente nos Estados Unidos e no Canadá (31,8%).

Em seguida, estão a Ásia (28,1%) e a Europa, com 25,4% dos multimilionários do mundo. Os 15% restantes se dividem entre o Oriente Médio, a Australásia (que inclui a Austrália, a Nova Zelândia e algumas ilhas da Indonésia), a Rússia e as ex-repúblicas soviéticas, a América Latina e a África.

O Brasil é o único país da América Latina na lista e aparece em 13º lugar na preferência dos ultrarricos, acima da Arábia Saudita e abaixo da Itália.

Para fazer o relatório, a consultoria usou suas bases de dados, informações da Wealth-X - uma empresa global de inteligência de dados que trabalha com marcas de luxo, organizações sem fins lucrativos e empresas de educação - e enquetes realizadas com mais de 500 dos principais banqueiros do mundo, que trabalham com pelo menos 50 mil pessoas cujas fortunas somam US$ 3 trilhões.

Os países dos multimilionários

Estados Unidos, China, Alemanha, Japão, Hong Kong, Canadá, Suíça, França, Rússia, a Comunidade dos Estados Independentes (CIS, que reúne ex-repúblicas soviéticas) e o Reino Unido são os países que reúnem mais ultrarricos, segundo o levantamento.

O Brasil tem, de acordo com a consultoria britânica, 130 multimilionários, número que cresceu 18% entre 2016 e 2017.

País Pessoas com mais de US$ 500 milhões % de variação entre 2016 e 2017
Estados Unidos 1.830 6%
China 490 9%
Alemanha 430 13%
Japão 390 18%
Hong Kong 320 23%
Canadá 270 17%
Suíça 250 14%
França 230 21%
Rússia e CIS 220 22%
Reino Unido 220 -4%
Índia 200 18%
Itália 160 7%
Brasil 130 18%
Arábia Saudita 120 0%

Os Estados Unidos superam de longe o segundo país da lista, a China, com uma diferença de 1.340 milionários. Daí em diante, a diferença entre os países não é tão grande.

Os lugares em que a presença dos ultrarricos mais aumentou entre 2016 e 2017 foram Hong Kong, Rússia e CIS e França, seguidos de Índia e Brasil. No Reino Unido, no entanto, esse número caiu 4%.

Mais de uma casa?

É preciso esclarecer, entretanto, que os milionários costumam manter mais de uma propriedade e vivem em vários lugares do mundo.

Direito de imagem Getty Images
Image caption Jeff Bezzos, que tem uma fortuna de US$ 112 bilhões, foi considerado a pessoa mais rica do planeta em 2018 pela Forbes

Segundo os banqueiros entrevistados para a pesquisa, os clientes com fortunas superiores a US$ 500 milhões têm, no mínimo, três residências, entre primárias e secundárias.

Os que possuem mais residências primárias são os milionários do Oriente Médio, com uma média de quatro propriedades. Os africanos em geral têm duas residências.

Entre os multimilionários também é comum ter mais de um passaporte. Do total de clientes russos dos banqueiros consultados pela empresa britânica, 58% têm um segundo passaporte. Entre os latinoamericanos, são 41% e entre os ricos do Oriente Médio, 39%.

Quem está na lista dos ultrarricos?

Na lista da Knight Frank LLP estão as 2.208 pessoas que têm pelo menos US$ 1 bilhão elencadas pela revista americana Forbes em 2018.

Ali estão, por exemplo, o CEO da Amazon Jeff Bezzos, o fundador da Microsoft Bill Gates, o criador do Facebook Mark Zuckerberg e o investidor e filantropo Warren Buffet.

Também há 42 brasileiros, incluindo o empresário João Paulo Lehmann, fundador da Ambev, o banqueiro Joseph Safra e os irmãos Moreira Salles, cuja fortuna vem principalmente do Itaú Unibanco e da mineração de nióbio.