As conexões cerebrais que explicam por que algumas pessoas preferem deixar tudo para depois

Homem em frente a teclado de computador

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

Hábito de adiar determinadas tarefas está mais relacionado com o gerenciamento das emoções do que do tempo

Você é do tipo procrastinador, que costuma deixar tudo para depois, ou proativo?

A resposta pode estar relacionada à maneira como as suas conexões cerebrais funcionam, sugere um estudo recente.

A pesquisa, publicada na revista científica Psychological Science, identificou duas áreas do cérebro que determinam se somos mais propensos a executar logo uma tarefa ou a adiá-la continuamente.

Os cientistas mediram o grau de proatividade de 264 pessoas, que responderam a questionários e tiveram seus cérebros escaneados.

De acordo com especialistas, o estudo enfatiza que a procrastinação está mais relacionada com o gerenciamento das emoções do que do tempo.

Amígdala, a culpada

A pesquisa mostrou que a amígdala – uma estrutura em forma de amêndoa no lobo temporal (lateral), que processa nossas emoções e controla nossa motivação – era maior em procrastinadores.

Nesses indivíduos, as conexões entre a amígdala e uma parte do cérebro chamada córtex cingulado anterior dorsal (DACC, na sigla em inglês) também eram mais pobres e deficientes.

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

Segundo especialistas, há formas de treinar o cérebro para manter sua mente mais focada

O DACC usa informações da amígdala e decide que atitude o corpo vai tomar. Isso ajuda a manter a pessoa focada, bloqueando emoções e distrações que podem competir com o que ela está fazendo.

"Indivíduos com uma amígdala maior podem ser mais ansiosos em relação às consequências negativas de uma ação – eles tendem a hesitar e adiar as coisas", explica Erhan Genç, um dos autores do estudo, da Ruhr University Bochum, na Alemanha.

Os pesquisadores sugerem que os procrastinadores têm mais dificuldade de filtrar emoções e distrações que interferem na realização de uma determinada atividade porque as conexões entre a amígdala e o DACC deles não são tão boas quanto a de indivíduos proativos.

O controle da mente

O professor Tim Pychyl, da Universidade de Carleton, em Ottawa, no Canadá, que vem estudando o fenômeno da procrastinação nas últimas décadas, acredita que é muito mais uma questão de administrar as emoções do que o tempo.

"Este estudo fornece evidências fisiológicas do problema que os procrastinadores têm em controlar as emoções", diz ele.

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

A explicação está ligada ao campo das emoções

"Mostra como os centros emocionais do cérebro podem sobrecarregar a capacidade de autorregulação da pessoa."

Pychyl acredita, no entanto, que é possível mudar a forma como o cérebro atua.

"Pesquisas já mostraram que a meditação mindfulness ("atenção plena") está relacionada ao encolhimento da amígdala, à expansão do córtex pré-frontal e ao enfraquecimento da conexão entre essas duas áreas", explica.

A pesquisadora Caroline Schluter, principal autora do estudo, acrescenta:

"O cérebro é muito responsivo e pode mudar ao longo da vida."

Como evitar a procrastinação

Pule Podcast e continue lendo
Podcast
BBC Lê

A equipe da BBC News Brasil lê para você algumas de suas melhores reportagens

Episódios

Fim do Podcast

Moyra Scott, especialista em produtividade, acha que precisamos levar em conta nossa personalidade quando tentamos nos motivar a executar determinada tarefa.

"Precisamos reconhecer quando estamos procrastinando, e há 'truques' que podemos usar para lutar contra isso", diz ela.

Algumas dicas são:

- Se você não tiver um prazo externo, use um timer ou cronômetro para focar durante períodos definidos – por exemplo, 25 minutos seguidos de trabalho, com intervalos de 5 minutos e uma pausa maior a cada 90 minutos.

- Escreva uma lista de tarefas, mas desdobre em outras menores e mais específicas. Isso faz com que as tarefas sejam mais fáceis de serem realizadas.

- Tente minimizar as interrupções, como notificações de email. Colocar o telefone em modo avião ou ir trabalhar em algum lugar onde você não será perturbado também ajuda.

- Estar "ocupado" é uma boa desculpa para evitar fazer algo que não gostamos. Em vez de executar logo a tarefa, nos enganamos dizendo que não temos tempo. Você tem tempo. Só precisa se dedicar a isso.