Por que Charles Darwin pode ter sido um dos maiores economistas da história

Charles Darwin Direito de imagem Getty Images
Image caption Darwin percebeu que competição pode às vezes gerar benefícios para indivíduos que geram custos para o grupo

Quem seria mais indicado para explicar a economia: o naturalista britânico Charles Darwin, pai da teoria da seleção natural, ou o economista e filósofo escocês Adam Smith, cuja obra "A Riqueza das Nações" (1776) é considerada a obra-prima que definiu as bases da economia clássica?

A pergunta pode parecer exagerada e fácil de ser respondida. Mas para Robert H. Frank, professor de economia da Universidade Cornell, nos Estados Unidos, e autor de "The Darwin Economy: Liberty, Competition and the Common Good" (A economia de Darwin: liberdade, competição e o bem comum, em tradução livre), a maneira com que Darwin entende a competição permite fazer uma descrição da realidade econômica muito mais precisa do que a perspectiva de Smith.

Se Smith estava correto ao indicar os benefícios da competição, afirma Frank, Darwin foi além ao mostrar que, às vezes, a competição pode gerar benefícios para o indivíduo, mas com prejuízos ao grupo.

Indivíduo versus grupo

A teoria da mão invisível proposta por Smith afirma que, quando a gente se comporta orientado pelo interesse próprio, se obtém resultados benéficos para toda a sociedade.

Essa metáfora descreve a forma como o livre mercado se regula sem interferências externas.

Mas Darwin, argumenta o professor Robert H. Frank, percebeu com muito mais clareza a relação entre a busca pelo benefício próprio e o bem-estar coletivo.

Para ilustrar a visão darwiniana, o pesquisador utiliza como exemplo o tamanho desproporcional das galhadas dos cervos.

"Esse é um traço que evoluiu para dar uma vantagem reprodutiva a animais individualizados, mas que acabou sendo uma desvantagem maior para a coletividade deles", explica Frank à BBC.

Os machos dessa espécie acasalam com a maior quantidade de fêmeas possível. Em meio a isso, eles lutam contra outros machos e, quanto maior a galhada, mais chance de derrotar o adversário.

"Por essa razão, a mutação que codifica o tamanho da galhada foi rapidamente selecionada pela evolução, e hoje em dia esses animais têm galhadas de mais de 1,2 metro que pesam quase 18 kg", explica o professor de Cornell.

Direito de imagem Getty Images
Image caption Adam Smith é considerado por muitos o pai do capitalismo

Imagine agora esse animal com tal estrutura na cabeça sendo perseguido por raposas em meio às árvores. "Será muito mais fácil cercá-lo e matá-lo", disse Frank.

O processo de seleção natural dá vantagens a cervos com galhadas maiores contra outros animais de sua espécie. Mas esses chifres grandes se tornaram uma desvantagem para cervos ante suas presas.

Ou seja, o elemento que beneficia o indivíduo se opõe aos interesses do grupo.

Paralelos

O interessante do que propõe Darwin, afirma Frank, é que às vezes o interesse individual coincide com o coletivo, mas geralmente não. "Quando há um conflito, o interesse individual geralmente triunfa sobre o coletivo."

Segundo o pesquisador de Cornell, a seleção natural que envolve a galhada do cervo levou a uma evolução que não compete com o meio ambiente, mas para que os animais de uma mesma espécie compitam entre si.

Direito de imagem Getty Images
Image caption A galhada dos cervos pode chegar a pesar 18 kg

No mundo dos negócios, afirma Frank, "grande parte da competição entre empresas e entre consumidores é contra nós mesmos".

"Se não pudéssemos fazer nada, aproveitaríamos os benefícios da competição, mas sempre há pequenas mudanças e incentivos que podem ser adotados para desviar recursos de atividades que não geram benefícios."

A única solução para os problemas individuais é agir de modo coletivo, afirma o pesquisador de Cornell. Chegar a um acordo ou deixar que uma autoridade externa intervenha para chegar a uma solução que beneficie a todos.

Segundo Frank, uma aceitação acrítica dos seguidores de Smith acerca da metáfora da mão invisível tem minado os esforços regulatórios para conciliar o conflito entre os interesses individuais e coletivos em décadas recentes. O dano, na opinião do pesquisador, vem sendo considerável.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Tópicos relacionados

Notícias relacionadas