Mulheres dirigindo Uber: 'Somos entregues aos lobos', dizem motoristas sobre assédio sexual

Ilustração de motorista de Uber assustada olhando pelo retrovisor

Chrystle Barajas, de 44 anos, diz que tentou disfarçar o medo quando um passageiro descreveu sua fantasia sexual com uma mãe solteira - que era o seu caso.

"Ele fez várias investidas desagradáveis", contou Barajas à BBC News.

A corrida terminou logo depois.

"Quando ele saltou, disse que, se eu virasse à direita, chegaria à rua principal."

Mas não era o caminho certo - era um beco sem saída.

"Quando voltei, ele estava lá com as calças arriadas... segurando (o pênis)", diz Barajas.

"Ainda bem que ele não estava dentro do meu carro quando fez isso, mas ainda assim foi traumatizante."

Imediatamente, Barajas entrou em contato com o Uber nos Estados Unidos. Um representante da empresa disse que investigaria o caso - mas ela diz que nunca informaram o resultado da investigação e ficou pensando se aquele homem estaria livre para solicitar outras corridas, com outras motoristas mulheres, no futuro.

"Eles me disseram que não poderiam me dizer o resultado (da investigação) por questões de privacidade", contou Barajas.

O Uber confirmou à BBC News que o acesso do passageiro havia sido suspenso temporariamente durante as investigações.

A companhia não comunicou, no entanto, o resultado da investigação - mas um porta-voz destacou que ambos os lados de cada incidente são levados em consideração, assim como os antecedentes do motorista.

'Ele me agarrou'

A BBC entrevistou dezenas de motoristas do sexo feminino que trabalham para o Uber e a Lyft, as duas maiores empresas de tecnologia que conectam motoristas parceiros a usuários nos Estados Unidos.

Todas manifestaram que, como mulheres, tinham a sensação de estar constantemente vulneráveis e nem sempre sentiam que as companhias priorizavam seus interesses.

"Eu tive que denunciar um passageiro que me agarrou enquanto eu dirigia", disse Zuwena Belt, motorista da Lyft em Portland, no Oregon.

Belt administra um grupo no Facebook para motoristas do sexo feminino.

Outra motorista, no Arizona, descreveu como o passageiro "apertou a calça contra o pênis ereto e perguntou o que ela achava".

"Respondi que achava inapropriado", diz.

Ela classificou então o passageiro com uma estrela, medida que deveria ter impedido o aplicativo de conectá-la com ele a partir de então. Mas depois de "passados talvez 10 minutos, a Lyft me passou uma corrida dele de novo".

A Lyft afirmou à BBC que desativou o passageiro, mas não deu uma explicação para o fato de a motorista ter recebido uma chamada dele novamente.

'Eu só queria o seu telefone'

Diversas motoristas disseram à BBC News que o serviço de "achados e perdidos" do Uber e da Lyft - em que os passageiros podem entrar em contato diretamente com os motoristas para recuperar itens esquecidos no veículo - estava sendo usado indevidamente ​​por aqueles que queriam ter mais contato com as motoristas após o fim da corrida.

Embora a discussão sobre itens perdidos deva ocorrer dentro do aplicativo, onde as informações de contato são ocultadas, há alguns cenários que levam as empresas a solicitar que os motoristas entrem em contato diretamente com os passageiros, ou vice-versa.

Os motoristas têm a opção de esconder o número, mas nenhuma das mulheres disse ter sido aconselhada a fazer isso, tampouco mostraram como.

Uma motorista de Uber na Carolina do Sul contou que recebeu uma solicitação para entrar em contato com um passageiro sobre um item perdido. Ela recebeu de volta a seguinte mensagem de texto:

"Oi, Jane (o nome foi alterado). Na verdade, eu não perdi nada no seu carro. Eu só queria o seu telefone. "

"Anexado estava... um vídeo (de seu pênis)", acrescentou a mulher.

Outras motoristas descreveram como passageiros usavam o número obtido para procurá-las em várias redes sociais, como o Facebook.

"Eu rejeitei um cara no Facebook e ele me deu uma classificação baixa", disse Mary Thompson, da Carolina do Norte.

"Depois que um episódio semelhante aconteceu três vezes, eu desativei minha conta."

O Uber e a Lyft disseram que o uso abusivo deste sistema pode levar - e já levou - passageiros a serem banidos do serviço.

Convidados indesejados

Às vezes, o contato indesejado após uma corrida pode ir mais longe.

Wendy Gonzalez, que mora perto de Los Angeles, mostrou à BBC News imagens da câmera de segurança da sua casa, gravadas em setembro de 2018.

A gravação mostra dois homens batendo à sua porta para recuperar um telefone que eles acreditavam ter deixado no banco de trás do carro de Gonzalez na noite anterior.

"A porta nem está trancada", disse um dos homens, após vários minutos batendo e espiando pela janela. "Olá, olá? Bom dia? Alguém em casa?"

Não está claro como eles descobriram o endereço de Gonzalez.

Um representante do Uber disse a ela que provavelmente tinha sido por meio de um aplicativo de rastreamento de terceiros, como o Find My iPhone da Apple. Mas o carro de Gonzalez não estava estacionado na frente da casa dela.

Quando Gonzalez chega perto da porta, o homem parece surpreso e diz: "Meu telefone ainda está dentro do seu carro e eu queria pegar de volta agora".

Gonzalez diz que em determinado momento um dos homens entrou na casa, mas o ângulo da câmera não capturou isso.

Ela reclamou com o Uber e foi informada de que o titular da conta seria "lembrado das diretrizes da comunidade".

"Avaliamos cuidadosamente todas as reclamações e preocupações de segurança e removemos usuários do sistema quando vemos evidências claras e padrões de comportamento perigoso", escreveu um representante de segurança do Uber mais tarde.

"No entanto, de acordo com nossa política de privacidade, não podemos compartilhar os resultados específicos do nosso processo de avaliação."

"Eu não dirigi muito depois disso", acrescentou Gonzalez.

O Uber disse que o motorista recebeu uma advertência.

'Gostosa'

Nem o Uber, nem a Lyft sabem o impacto que isso está causando em seus negócios.

O Uber disse que não coletou dados sobre quantas mulheres ingressaram (ou deixaram) sua plataforma, mas um estudo externo publicado em 2017 sugere que cerca de 27% de seus motoristas eram do sexo feminino.

A Lyft afirmou, por sua vez, que cerca de 29% da sua força de trabalho é composta por mulheres, com base em números internos.

Pesquisadores sugerem, no entanto, que as motoristas do sexo feminino ganham menos por hora do que os homens, porque são mais cautelosas em pegar passageiros em áreas com maiores índices de criminalidade e bares.

A motorista Ann Marie Lund, de Mineápolis, compartilhou sua experiência de levar quatro passageiros que passaram a corrida toda comentando sobre sua aparência.

A câmera no painel gravou a corrida, que durou cerca de seis minutos, em dezembro. Começa com eles dizendo que Lund era "gostosa".

Lund aparece nas imagens sorrindo e participativa. Ela chama isso de "modo de sobrevivência". Outras mulheres usam outros nomes para designar a mesma estratégia: uma maneira de encerrar conversas inapropriadas sem parecer indelicada ou "irritada".

"Não vale a pena que minha classificação (no aplicativo) sofra alguma retaliação", disse uma motorista, que não quis ser identificada.

"O motorista perde benefícios e pode acabar sendo desativado se a classificação for muito baixa."

Às vezes, no entanto, o "modo de sobrevivência" não é suficiente.

"Teve um passageiro que me deu uma classificação de três estrelas depois de ter alegado que eu não era tão bonita quanto a minha foto de perfil. Ele fez minha classificação cair de 4,93 para 4,89", disse Jacqueline Stewart, que é motorista em Tuscon, no Arizona.

Direito de imagem Emma Russell/BBC

Sem defesa

A opinião de muitas mulheres entrevistadas era de que a maioria do assédio era inevitável quando se trabalhava com transporte de passageiros, de uma forma que a sociedade não aceitaria em nenhum outro tipo de local de trabalho.

O Uber e a Lyft disseram que a segurança era uma prioridade, embora as empresas não compartilhem dados sobre clientes que foram banidos por ofensas sérias.

Sobretudo, algumas mulheres foram relutantes em falar sobre como se protegiam, por causa das políticas do Uber e da Lyft em relação a armas de defesa pessoal.

"Nenhuma delas permite que você leve qualquer tipo de arma", disse Shelly (nome fictício), que pegou um passageiro se masturbando em seu carro.

Depois que ela relatou o incidente e escreveu sobre sua experiência online, descobriu-se que o mesmo passageiro havia feito a mesma coisa no carro de outra mulher.

Ele foi preso e está aguardando julgamento.

"Não acho que seja certo", disse Shelly sobre a política de armas. "Se somos mulheres, devemos levar pelo menos spray de pimenta."

Em resposta, a Lyft disse que sua política de armas foi criada para deixar os motoristas e passageiros tranquilos.

A visão do Uber é mais sutil. A empresa permite spray de pimenta, mas proíbe usá-lo de forma ameaçadora.

A companhia tem uma política de armas de fogo que proíbe "carregar armas de fogo de qualquer tipo enquanto usa o aplicativo" - mas um porta-voz disse que as leis estaduais locais podem sobrepor partes dessa política.

Meio de intimidação

Em grupos privados do Facebook, as mulheres oferecem conselhos umas para as outras sobre como lidar com a ocorrência constante de comportamento inadequado de ambos os lados.

Para algumas, as câmeras no painel do carro para gravar os passageiros funcionam como uma boa forma de intimidação. Outras dizem que se vestem mal de propósito e não usam maquiagem. Outras revelam usar alianças de casamento falsas.

Jeanette Davis, motorista em Sacramento, que disse ter sido perseguida na internet por um passageiro que a encontrou no Facebook, acredita que o primeiro passo seria aconselhar melhor as mulheres antes de começarem a dirigir.

"Fui aprovada para o Uber 45 minutos depois de enviar minha solicitação", disse ela.

"Eu poderia ter me conectado naquela noite mesmo. Somos jogadas aos lobos."

A BBC News Brasil entrou em contato com a Uber no Brasil questionando sobre casos de assédio de passageiros a motoristas mulheres no país, mas não obteve resposta.

Em janeiro deste ano, uma motorista parceira da Uber foi estuprada e morta em uma rodovia da Baixada Fluminese, no Rio de Janeiro.

Após a publicação desta reportagem, a Uber no Brasil divulgou a nota abaixo:

"A Uber repudia qualquer tipo de comportamento abusivo contra mulheres e acredita na importância de combater, coibir e denunciar casos de assédio. Nenhum comportamento dessa natureza é tolerado, e tal conduta, quando confirmada, leva à desativação dos envolvidos, sendo eles motoristas parceiros ou usuários do aplicativo."

"A empresa defende que as mulheres têm o direito de ir e vir da maneira que quiserem e têm o direito de fazer isso em um ambiente seguro. Em novembro passado, a Uber anunciou um compromisso público para enfrentamento à violência contra a mulher no Brasil, materializado no investimento de R$ 1,55 milhão até 2020 em projetos elaborados ao longo dos últimos 18 meses em parceria com nove entidades que são referência no assunto."

Ilustrações de Emma Russell

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Notícias relacionadas