A empresa que tenta suprir o déficit de vagas em creches públicas no Brasil
A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

A empresa que tenta suprir o déficit de vagas em creches públicas no Brasil

Em uma casa na zona norte de São Paulo, crianças passam o dia em meio atividades e brincadeiras. Mas ali não funciona uma creche ou uma ONG - é um negócio social

A meta da Cantinho do Brincar é ser uma opção acessível para famílias que não conseguem vagas em creches públicas.

A empresa treina pessoas em comunidades carentes. As cuidadoras podem então oferecer atividades em suas próprias casas para estimular as habilidades sociais e cognitivas das crianças.

Renata Citron, cofundadora da empresa, diz que a proposta é trabalhar os diferentes campos da educação infantil.

"A questão da linguagem, das artes, da criança ter uma coordenação motora para ela conseguir desenhar. Tem um lado muito forte sócioemocional de aprender a dividir, esperar sua vez, um lado mais cognitivo de racioncínio lógico, de conseguir montar quebra-cabeça, fazer hipóteses, um lado da imaginação, dos faz-de-conta dessa criança", diz Renata.

"E pensar o que ela precisaria desenvolver e como ela pode aprender isso brincando, porque é assim que a criança aprende."

Esse estímulo é crucial nos primeiros anos de vida - e tem efeitos até a vida adulta.

Já as cuidadoras aprendem a gerir um negócio. O cuidado com as crianças vira fonte de renda.

A ideia foi inspirada no projeto SmartStart, da África do Sul, que atende milhares de crianças carentes. No país, 1 milhão de crianças entre 3 e 5 anos não têm acesso a programas de ensino.

Também há um déficit grave nesta área no Brasil. "A gente tem 70% das crianças fora das creches. Por que as crianças que mais precisam de uma oportunidade de desenvolvimento são justamente aquelas que não têm acesso a isso?", questiona Renata.

"Essa inspiração internacional nos trouxe uma solução em que, com qualidade e uma metodologia pedagógica, a gente poderia suprir esse déficit empoderando as próprias comunidades."

Tópicos relacionados