Leonardo da Vinci, 500 anos depois: como o gênio transformou as nossas vidas
A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

Leonardo da Vinci, 500 anos depois: como o gênio transformou as nossas vidas

Leonardo da Vinci era um mestre com diferentes habilidades. Muitos o conhecem como o artista que pintou Mona Lisa. Mas ele também era um grande engenheiro, inventor e cientista. Quinhentos anos após a morte de Leonardo da Vinci, restam apenas 20 obras comprovadamente pintadas por ele. Mas seus talentos foram além da arte e têm impacto até hoje.

Você sabia que ele fez o primeiro protótipo de robô humano? Construído com madeira, couro e metal, ele sentava, acenava e até abria a boca. A Nasa usou o projeto para criar o primeiro robô humano a comandar uma estação espacial.

Obcecado com a ideia de voar, Da Vinci inventou o helicóptero. Ele não chegou a construí-lo, mas deixou anotações com detalhes sobre como funcionaria. O "parafuso aéreo" comprimiria o ar para voar, como os helicópteros de hoje.

Da Vinci até pensou na segurança dos pilotos e inventou o paraquedas. Embora não existissem carros nas ruas até o final do século 19, Da Vinci criou, aos 26 anos, um carro de autopropulsão. Ele também fez uma geladeira há 500 anos, a que chamou de "máquina de refrigerar".

Da Vinci uma vez dissecou o coração de um idoso que morrera aos 100 anos. Acabou fazendo primeira descrição conhecida de doença coronariana. Hoje, essa é considerada uma das causas mais comuns de morte no mundo. Desenhos perdidos de Da Vinci têm aparecido nos últimos anos.

Talvez ele tenha criado algo que até hoje não foi inventado.

Tópicos relacionados