Vibrador high-tech é premiado depois de ter sido desclassificado de feira por ‘obscenidade’

Vibrador Osé. Direito de imagem Lora DiCarlo
Image caption O vibrador Osé foi excluído de uma feira de produtos eletrônicos nos Estados Unidos

A CES, feira de tecnologia mais importante dos Estados Unidos, excluiu da edição deste ano um brinquedo sexual para mulheres que havia vencido um prêmio de inovação antes do evento público. A decisão gerou uma grande polêmica - a CES foi acusada de preconceito de gênero.

Agora, quatro meses depois, a organização mudou de ideia e decidiu devolver o prêmio ao vibrador Osé. Segundo os fabricantes, ele é o primeiro produto do tipo que não precisa ser manipulado com as mãos.

Depois de ganhar o prêmio por inovação, a criadora do vibrador, Lora DiCarlo, foi convidada a expor seu dispositivo na feira. No entanto, pouco depois ela foi informada de que haviam cancelado a premiação e que não poderia mostrar seu vibrador na exposição.

Direito de imagem Lora DiCarlo
Image caption Lora Haddock é diretora-executiva da empresa Lora DiCarlo, empresa que desenvolveu o novo vibrador

Segundo a empresa, a Associação de Tecnologia do Consumidor (CTA, na sigla em inglês), organizadora da CES, justificou a desclassifcação afirmando que "poderia retirar da feira qualquer produto imoral ou obsceno a qualquer momento".

Mas a fundadora e diretora executiva da Lora DiCarlo, Lora Haddock, atribuiu a retirada do produto da feira de "preconceito de gênero".

Ele disse que a organização havia rejeitado o produto focado na sexualidade feminina, deixando na mesma categoria itens relacionados a compras ou escolas infantis.

Em vez disso, a feira "permitiu que a sexualidade dos homens fosse explícita, expondo um robô sexual na forma de uma mulher de proporções irreais e pornografia em realidade virtual", escreveu Haddock.

Segundo a organização do evento, o vibrador não se encaixava na categaoria de robótica da feira.

Direito de imagem Lora DiCarlo
Image caption Segundo a organização do evento, o vibrador não se encaixa na categoria de robótica da feira.

"Acreditamos firmemente que as mulheres, as pessoas não-binárias e as pessoas LGTBQI devem recuperar seu espaço de prazer com tecnologia", acrescentou ela, na época.

Agora, depois da restituição do prêmio, a organização pediu "sinceras desculpas" a Lora DiCarlo.

"O CTA não gerenciou este prêmio adequadamente", disse Jean Foster, executivo do CTA.

Ele acrescentou: "Isso motivou importantes discussões internas e com consultores externos. Esperamos aproveitar essas lições para continuar melhorando o evento".

Haddock disse que apreciava o "gesto", e que ele serviria para "eliminar o estigma e a vergonha que cercam a sexualidade feminina".


Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Tópicos relacionados

Notícias relacionadas