Os países em que a água já é um recurso em falta

Homens carregam água em Chennai, na Índia Direito de imagem Getty Images
Image caption Quase um terço da população global - 2,6 bilhões de pessoas - vive em países em situação de estresse hídrico "extremamente alto".

O crescimento populacional, o aumento do consumo de carne e a intensificação da atividade econômica vêm pressionando os recursos hídricos do mundo.

Habitantes de quase 400 regiões do planeta já estão vivendo sob condições de "extremo estresse hídrico", segundo um novo relatório do World Resources Institute (WRI), um centro de pesquisa sediado em Washington.

Esse cenário não se repete no Brasil, mas alguns Estados brasileiros já apresentam um parâmetro "baixo-médio", diferente de boa parte da realidade nacional.

O temor é que a escassez de água possa causar o deslocamento de milhões de pessoas, gerando conflitos e instabilidade política.

Do México ao Chile, a áreas da África e a pontos turísticos no sul da Europa e no Mediterrâneo, o nível de "estresse hídrico" - a quantia de água extraída de fontes terrestres e superficiais em comparação com o total disponível - está atingindo níveis preocupantes.

Problema global

Direito de imagem Getty Images
Image caption Turismo vem colocando pressão sobre recursos hídricos de alguns países mediterrâneos

Quase um terço da população global - 2,6 bilhões de pessoas - vive em países em situação de estresse hídrico "extremamente alto", incluindo 1,7 bilhão em 17 nações classificadas como "extremamente carentes de água", segundo o WRI.

Enquanto os países do Oriente Médio são considerados os de maior estresse hídrico, o estudo também destaca que a Índia vem "enfrentando desafios críticos sobre seu uso e gestão da água que afetam tudo, desde a saúde ao seu desenvolvimento econômico".

Paquistão, Eritreia, Turcomenistão e Botsuana também são considerados extremamente carentes de água.

Más notícias e boas surpresas

Os dados foram compilados a partir da plataforma Aqueduct 3.0 do WRI, que analisou vários modelos hidrológicos e calculou o quanto de água é retirada dos suprimentos de águas superficiais e subterrâneas disponíveis em cada região em comparação com o total de água disponível.

Quando a proporção excedia 80%, as áreas eram consideradas "extremamente carentes de água".

"Como alguém que trabalha com dados, tento ser bastante imparcial sobre o que esperar dos números, mas fiquei surpreso com a situação ruim na Índia", diz Rutger Hofste, principal autor do estudo, à BBC.

A Índia é o 13º país do mundo com maior estresse hídrico, à frente do seu vizinho Paquistão.

Nove dos seus 36 Estados e territórios são classificados como extremamente carentes de água e Chennai (antiga Madras), a capital do Estado de Tamil Nadu, no sul do país, sofreu recentemente com inundações e secas.

"A contínua crise hídrica na principal cidade de Chennai demonstra os tipos de desafios que grande parte da Índia enfrentará nos próximos anos, exacerbada pela má gestão da água e pelas crescentes demandas por água tanto da indústria quanto das pessoas", diz o relatório.

Segundo o WRI, o México enfrenta uma situação tão grave quanto a da Índia, se nenhuma medida for tomada.

Quinze dos 32 estados do país são classificados como extremamente carentes de água e Hofste aponta que a capital, a Cidade do México, em particular, tem um "sistema de água muito frágil".

Dez das 16 regiões do Chile também foram classificadas como "extremamente carentes de água", incluindo a capital, Santiago.

As capitais chinesa e russa, Pequim e Moscou, também são classificadas como "extremamente carentes de água", embora os países não sejam.

"Algumas outras surpresas", segundo Hofste, foram encontradas no sul da Europa, incluindo Itália e Espanha, onde o turismo representa uma pressão adicional sobre os sistemas de água durante os meses mais secos do ano.

Mais da metade das 20 regiões da Itália foi considerada "sob estresse hídrico extremo", bem como um terço (27) das 81 províncias da Turquia.

Direito de imagem Getty Images
Image caption Cidade do Cabo, na África do Sul, passou por drástico desasbatecimento de água em 2018, e restrições foram implementadas.

No entanto, a Cidade do Cabo, na África do Sul, dez dos 17 distritos do Botsuana e partes da Namíbia e Angola são considerados "extremamente carentes de água".

Brasil

O Brasil, por outro lado, não vive a mesma realidade. Segundo o estudo, a maior parte do país tem um baixo risco de estresse hídrico.

Apesar disso, o Distrito Federal é o Estado em situação de maior estresse hídrico do Brasil (médio-alto), de acordo com a pesquisa. Em seguida, vêm os Estados do Ceará, Paraíba, Rio de Janeiro e Pernambuco.

Segundo a Agência Nacional de Águas (ANA), o Brasil possui cerca de 12% da disponibilidade de água doce do planeta, mas a distribuição natural desse recurso não é equilibrada.

A região Norte, por exemplo, concentra aproximadamente 80% da quantidade de água disponível, mas representa apenas 5% da população brasileira. Já as regiões costeiras abrigam mais de 45% da população e apenas 3% dos recursos hídricos do país.

Consumo explosivo

Entre 1961 e 2014, a taxa global de retirada de água, ou a quantidade de água doce extraída de fontes de água subterrâneas e superficiais, aumentou 2,5 vezes.

A demanda por água para irrigar plantações mais do que dobrou no último meio século, diz o WRI, e a irrigação responde por cerca de 67% da água consumida a cada ano.

As indústrias em 2014 consumiram três vezes mais água do que em 1961 e agora respondem por 21% do total de retiradas brutas.

Enquanto isso, as famílias respondem por 10% das retiradas de água, o que representa um aumento de mais de seis vezes em relação a 1961.

Apenas uma pequena porcentagem de água retirada de fontes hidrológicas se destina à pecuária.

No entanto, Hofste ressalva que a água usada para irrigar plantações que eventualmente servem de alimento para o gado é responsável por 12% do uso global da água de irrigação, de acordo com um estudo de 2012 realizado por pesquisadores da Universidade de Twente, na Holanda.

Em meio à tendência de aumento da demanda por produtos de origem animal, ele diz acreditar que a redução da ingestão de carne pode ajudar a aliviar os recursos hídricos do mundo.

"Essa é provavelmente a solução milagrosa se você me pedir para resolver a crise global da água", diz Hofste à BBC.

"Usamos muitas terras agrícolas para plantar comida e alimentar os animais. Então, quando você pensa em transformar esses recursos em calorias, não se trata da maneira mais eficiente."

De acordo com o estudo holandês de 2012, a pegada hídrica de qualquer produto animal é maior do que a pegada hídrica de produtos agrícolas com valor nutricional equivalente.

Clima e conflito

Várias agências das Nações Unidas já alertaram que a mudança climática vai tornar a disponibilidade de água menos previsível em alguns lugares.

A previsão é que o aumento das temperaturas e chuvas mais variáveis reduza a produtividade das culturas em muitas regiões tropicais em desenvolvimento, onde a segurança alimentar já é um problema, diz a Organização Mundial da Saúde (OMS).

E de acordo com a Convenção das Nações Unidas para o Combate à Desertificação, baseada nas tendências existentes, a escassez de água em alguns lugares áridos e semiáridos causará o deslocamento de 24 milhões a 700 milhões de pessoas até 2030.

Direito de imagem AFP
Image caption Alguns países em situação de estresse hídrico estão zonas de conflito, e água pode ser um fator que contribui para confrontos, diz estudo

O WRI também diz que muitas áreas extremamente e altamente carentes de água estão em zonas de conflito, e esse recurso pode ser um fator que contribui para os conflitos. Essas áreas incluem Israel, Líbia, Iêmen, Afeganistão, Síria e Iraque.

Muitas áreas que precisam absorver um grande número de pessoas deslocadas, como a Jordânia e a Turquia, também sofrem muito com o estresse hídrico.

Mas os dados do WRI também mostram que mesmo os países que não são particularmente sujeitos a estresse hídrico são vulneráveis à ocorrência de secas, que é definida como precipitação abaixo de 10% do nível normal.

A Moldávia e a Ucrânia, por exemplo, são definidas como países de baixo a médio nível de estresse hídrico, mas estão no topo do ranking de países expostos a riscos de seca. Em seguida, está Bangladesh, onde o nível de estresse hídrico é classificado como baixo.

Além disso, os pequenos agricultores nesses países são menos flexíveis a variações no abastecimento de água em comparação com agricultores na Califórnia.

Direito de imagem Getty Images
Image caption Desertificação está mudando a paisagem de vários países e pode causar o deslocamento de milhões de pessoas na próxima década

Experiências positivas

Mas Hofste diz que os dados do Aqueduct 3.0 também mostram que, onde os fatores socioeconômicos são os principais propulsores do estresse hídrico do mundo, eles podem ser mitigados a partir de uma boa gestão da água.

Cingapura, por exemplo, construiu um abastecimento de água sustentável que o governo chama de "Quatro Torneiras": um sistema de grandes proporções de coleta de água (especialmente para a pequena área da ilha); importações de água; água recuperada de alta qualidade conhecida como NEWater; e água dessalinizada.

Israel é outro líder mundial em tecnologias avançadas de água e gerenciamento do recurso.

Hofste diz que os países que enfrentam desafios relacionados à água, como a Índia, podem reagir seguindo esses exemplos para enfrentar as suas próprias crises.

"O estresse hídrico é um indicador importante, mas não representa um destino imutável", disse Hofste à BBC.

"Depende muito da resposta do país e há exemplos de nações que enfrentaram crises hídricas com sucesso".

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Tópicos relacionados

Notícias relacionadas