O que são os esqueumorfos e por que estão em toda parte

calça jeans Direito de imagem Getty Images
Image caption Encontre o esqueuomorfos nesta foto

Você já ouviu - ou pronunciou - a palavra esqueumorfo?

Você pode não estar familiarizado com ela, mas se você olhar em volta, não será difícil saber do que se trata: os esqueuomorfos estão em toda parte.

Mas o que eles são?

A palavra vem do grego: skeuos, que significa ferramenta ou recipiente; e morphé (forma). No entanto, o termo é usado há muito tempo, principalmente pelos historiadores e arqueólogos.

Ela se refere à "presença em um objeto de características formais que carecem de motivação em relação às suas funções ou condições de sua produção e que só podem ser explicadas como atavismos em relação a um modelo diversificado em seu uso ou em condições técnicas", conforme explicou especialista em Idade Média Serafín Moralejo Álvarez, em seu livro Eloquent Forms.

Ainda não está muito claro? E a foto acima, mais do que esclarecer, confunde você?

Bem, não se preocupe: com alguns exemplos, você identificará os esqueuomorfos sem dificuldade.

Vamos começar por essa foto

Direito de imagem Getty Images
Image caption Os rebites na calça jeans são os esqueuomorfos nesta foto

Na calça jeans da foto, e talvez na sua também, os esqueuomorfos são os rebites, aquelas peças estranhas e familiares de metal.

Por quê?

Porque eles são uma herança estética de uma época em que os jeans eram muito grossos para serem unido apenas com linhas. Embora mais tarde eles não fossem mais necessários, ainda eram usados ​​rebites de metal... e isso é um esqueuomorfo.

Eles são, como Moralejo escreveu, "o testemunho mais espetacular das raízes profundas do instinto figurativo da consciência e subconsciência humanas".

Os esqueuomorfos são produzidos, explica ele, "porque as formas, ligadas por gerações a certos usos, acabam parecendo inatas".

Pense em um carro e em sua rodas.

As rodas de carroças do passado e de bicicletas precisavam de aros (aquelas linhas dentro do círculo), mas as rodas dos carros, não. Porém, muitos veículos ainda assim usam os aros apenas pela aparência.

É como se as rodas sem os aros não fossem rodas.

Por outro lado, os motores dos carros foram originalmente colocados na frente dos carros porque os cavalos puxavam as carroças e carruagens pela parte da frente.

Direito de imagem Getty Images
Image caption Até os carros mais modernos ainda têm traços do passado

O "cavalo-vapor", unidade de medida da potência, ficou conhecido entre nós muito tempo depois de libertarmos os cavalos dessa tarefa.

E há mais um exemplo em carros de luxo: ornamentos de capô, que costumavam ser simples tampas de radiador.

Direito de imagem Getty Images
Image caption O 'espírito de êxtase' da Rolls Royce, como o de outros carros de luxo, nasceu como uma tampa do radiador

Um exemplo clássico de esqueumorfismo é encontrado nas decorações das pedras dos antigos templos gregos.

Os triglifos dóricos, aqueles desenhos com três faixas verticais separadas por sulcos, eram derivados dos templos de madeira anteriores e criados exclusivamente para fins ornamentais.

Os triglifos na pedra estão no lugar que costumava ser as extremidades das vigas com as quais os telhados das casas eram feitos. Embora a madeira tenha deixado de ser usada, sua marca permaneceu, como decoração, na pedra.

Direito de imagem Getty Images

"A forma de um objeto é mais do que sua forma", disse Serafín Moralejo Álvarez, historiador da arte.

Direito de imagem Getty Images
Image caption Tríglifo são apenas uma das várias memórias deixadas pelas vigas de madeira nos templos gregos de pedra

Agora você vai vê-los em todos os lugares

Embora os esqueuomorfos nos acompanhem desde os tempos pré-históricos, eles se tornaram comuns no século 20.

Eles se esgueiram por todas as fendas... mesmo nos lugares de cultos religiosos.

Você já reparou que, em muitas igrejas, as velas nos altares não são mais de cera, e sim elétricas? O costume de fazer oferendas acendendo velas permanece, embora essas "velas" continuem apenas por sua forma simbólica.

Assim, existem muitos outros exemplos no mundo físico, mas é no mundo digital que vemos a maioria dos esqueuomorfos hoje em dia.

Direito de imagem Getty Images
Image caption Velas elétricas ainda são velas?

Na tela

Com a proliferação de computadores na década de 1980, um novo mundo de esqueuomorfos foi aberto como um meio de tornar os sistemas operacionais mais "amigáveis", criando um vínculo intuitivo com o passado.

Um de seus grandes promotores foi Steve Jobs, fundador da Apple e pioneiro da revolução dos microcomputadores nos anos 70 e 80. Ele acreditava firmemente que os equipamentos deveriam ser tão simples de usar que um novato poderia dominá-los com base apenas em seu instinto.

Portanto, se você deseja excluir um arquivo, é necessário arrastá-lo para uma representação de um lixo real e, se você deseja armazená-lo, coloca-o em pastas semelhantes às pastas normais, físicas.

Direito de imagem Getty Images
Image caption O que não nos serve mais é jogado no lixo... Não precisava ser assim: o mundo virtual poderia ter criado novos 'objetos', mas os esqueuomorfos são mais 'amigáveis ' intuitivos

E, falando em eliminar, em vários casos, os projetistas dos esqueuomorfos usam precisamente os objetos que a inovação está enviando ao esquecimento.

Quantos envelopes foram deixados sem uso com a chegada do e-mail, cujo ícone é um envelope?

O que a moda levou e a intuição resgatou

Enquanto isso, no campo do design de interface gráfica, surgiu outro modelo - o Flat- como uma alternativa ao esquema esquomomórfico. O Flat design utiliza menos elementos que dão sensação de tridimensionalidade.

Essa tendência tornou-se moda e conseguiu destronar o esqueumorfismo como um paradigma no design de interfaces.

No entanto, talvez seja mais apropriado, nesse caso, usar o outro nome que os designers usam para o esqueumorfismo - design realista - porque nem sempre é fácil dizer que o design Flat deixou para trás o esqueumorfismo.

Veja, por exemplo, os ícones da câmera, o vídeo e as mensagens nesta imagem que têm uma interface realista à esquerda e à direita, plana... você não acha que ambas as versões são compatíveis com o esqueumorfismo ?

Image caption Design realista à direita e plano à esquerda.

De qualquer forma, quando o uso de smartphones se generalizou, o esqueumorfismo retornou fortemente.

Um novo léxico do esqueumorfismo foi usado para tornar nossa mudança para essa nova tecnologia muito mais fácil.

Ironicamente, o ícone clássico do telefone agora representa a funcionalidade da ligação. Ou pense no carrinho de compras ou nas cestas que encontramos quando compramos on-line.

E o futuro?

Embora o design criativo possa nos levar a um território mais abstrato, parece haver uma familiaridade reconfortante sobre o esqueumorfismo.

No final, é esse estranho desejo por como as coisas costumavam ser.

Agora sim ... quantos esquemas você encontra nesta ilustração?

Direito de imagem Getty Images

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Tópicos relacionados

Notícias relacionadas