O misterioso esqueleto antigo 'sequestrado' por nazistas e soviéticos

Esqueleto em 2019 Direito de imagem NJ Saunders
Image caption Viking ou eslavo? Qual é a verdadeira origem deste esqueleto?

Durante décadas, arqueólogos lidaram com o mistério envolvendo a identidade de um esqueleto do século 10, descoberto no Castelo de Praga. Os restos dele foram explorados por nazistas e soviéticos com fins ideológicos.

Mas as tentativas de definir um rótulo étnico claro em um cadáver de mil anos talvez revelem mais sobre nós mesmo do que sobre o esqueleto.

O guerreiro foi encontrado deitado, com a cabeça inclinada para a esquerda e a mão direita apoiada em uma espada de ferro. Perto da mão esquerda há um par de facas, e os dedos esqueléticos estão estendidos quase como se fossem tocá-las.

A seus pés estão os restos de um pequeno balde de madeira, semelhante aos usados ​​como vasos cerimoniais pelos vikings, e a cabeça de um machado de ferro.

Mas é a espada que chama atenção. Com menos de um metro de comprimento, ela ainda é um objeto de poder e beleza, apesar de 10 séculos de corrosão.

Direito de imagem Instituto de Arqueologia de Praga
Image caption Imagem de 1928 mostra o esqueleto como ele foi encontrado

Ele era um viking?

"A espada é de boa qualidade e, provavelmente, foi fabricada na Europa Ocidental", diz Jan Frolik, arqueólogo medievalista da Academia Tcheca de Ciências.

Esse tipo de espada era usado pelos vikings no norte da Europa, na Alemanha, na Inglaterra e na Europa Central, além de outros locais.

"Portanto, a maioria de seus equipamentos é viking ou, pelo menos, semelhante aos usados pelos vikings. Mas sua nacionalidade ainda é uma questão aberta", acrescentou.

A origem do esqueleto é uma pergunta que intriga e confunde historiadores desde que os restos do guerreiro foram desenterrados no Castelo de Praga pelo arqueólogo ucraniano Ivan Borkovsky, em 1928.

Na época da descoberta, Borkovsky, um exilado da guerra civil na Rússia, poderia ser o encarregado pela escavações. Mas, como ele era um mero assistente do chefe de arqueologia do Museu Nacional de Praga, acabou impedido de publicar suas próprias conclusões sobre o achado.

Direito de imagem Instituto de Arqueologia de Praga
Image caption Ivan Borkovsky desenterrou o esqueleto, mas seu estudo foi manipulado por nazistas e soviéticos

Como o esqueleto foi usado por nazistas e soviéticos

Quando os nazistas ocuparam Praga em 1939, eles rapidamente se apegaram à teoria de que o esqueleto era de um viking, o que se encaixava perfeitamente na narrativa alemã de pureza racial.

Afinal, os vikings eram nórdicos e, portanto, germânicos. Para os nazistas, essa relação um tanto forçada era uma propaganda útil, pois reforçava a ideia de Adolf Hitler de que, na guerra, a raça alemã estava simplesmente reocupando terras antigas que pertenciam a ela.

Mais tarde, Borkovsky foi pressionado pelos nazistas, sob ameaça de ser enviado para um campo de concentração. Seu trabalho, bastante editado, acabou sendo publicado com um conteúdo que justificava as demandas históricas alemãs.

Imediatamente após o fim da Segunda Guerra Mundial, quando a influência da União Soviética sobre Praga se tornou cada vez mais opressiva, Borkovsky foi forçado a fazer uma mudança drástica e apressada em seu material de pesquisa, informando que havia sido pressionado pelos nazistas a adotar a teoria de que o guerreiro era um viking.

Ele então adotou a interpretação de seu ex-chefe: o esqueleto pertenceria a um membro importante da dinastia Slav Premyslid, que governou a Boêmia por mais de 400 anos até 1306.

Sob nova ameaça, dessa vez de ser levado a campos de prisão soviéticos, o arqueólogo acabou mudando novamente seus estudos.

Image caption Jan Frolik diz que os equipamentos do esqueleto são quase todos vikings, mas sua nacionalidade é questionável

Afinal, de onde é o esqueleto?

Setenta anos depois, diferentemente de seu antecessor Ivan Borkovsky, arqueólogos como Jan Frolik são livres para fazer julgamentos baseados exclusivamente na ciência, e não na ideologia dominante.

"Temos certeza de que ele não nasceu aqui na Boêmia", diz Frolik, explicando que a análise de isótopos radioativos de estrôncio nos dentes do guerreiro provou que ele havia crescido no norte da Europa, provavelmente em algum lugar na costa sul do mar Báltico, ou talvez na Dinamarca.

Esse é o principal território viking, não?

"Sim, mas só porque ele nasceu no Báltico não significa automaticamente que ele era um viking. Naquela época, a costa sul do mar Báltico também abrigava eslavos e outras tribos", diz Frolik.

Ele acredita que o guerreiro do norte, que morreu de causas desconhecidas por volta dos 50 anos de idade, foi a Praga no início da idade adulta, provavelmente para servir no séquito de Borivoj I, o primeiro duque da Boêmia e o progenitor da dinastia Premyslid. Mas ele também pode ter trabalhado para Spytihnev I, filho mais velho e sucessor de Borivoj.

Image caption Uma ilustração, feita no século 19, retrata Borivoj I, duque da Boêmia e fundador da dinastia Premyslid, que governou a região de 895 a 1306

Os Premyslids estabeleceram o Castelo de Praga como o centro do incipiente Estado da Boêmia. O local de sepultamento do guerreiro, bem no meio do castelo, indica que ele era um homem de destaque.

Olhando o esqueleto do soldado desconhecido, envolto em vidro nos corredores subterrâneos do antigo Palácio Real, é difícil não fazer a pergunta que por ora ainda não tem resposta: quem exatamente era esse homem, nascido no Mar Báltico, e que tinha uma espada viking e mestres boêmios?

"Assim como hoje as pessoas podem ter múltiplas identidades de acordo com sua situação, o mesmo pode ter ocorrido com o guerreiro", diz o professor Nicholas Saunders, especialista em conflitos, arqueologia e antropologia do século 20 na Universidade de Bristol, na Inglaterra.

Saunders publicou recentemente um artigo sobre o esqueleto, juntamente com o Frolik e Volker Heyd, um arqueólogo da Universidade de Helsinque, na Finlândia, que atualmente está trabalhando na análise de DNA que pode revelar mais sobre as origens étnicas do guerreiro. Mesmo assim, ainda restarão dúvidas.

"A coleção heterogênea de objetos desse esqueleto refletia suas múltiplas personalidades, algo maior do que dizer que ele era viking ou eslavo", diz Saunders.

"As pessoas inventam suas próprias identidades de acordo com o local onde estão no tempo e no espaço, mas esse homem era obviamente uma pessoa importante."

Em outras palavras, os objetos que ficaram com ele em sua morte refletiam sua vida.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Notícias relacionadas