'Ninguém entendeu nossa ideia no início, mas agora ela vale mais de US$ 1 bilhão'

Howie Liu Direito de imagem Bloomberg
Image caption Howard Liu é cofundador da AirTable

Howard Liu, que trabalha no Vale do Silício, polo tradicional de tecnologia e negócios nos EUA, acredita que sua ideia poderia render dezenas de bilhões de dólares. Se tiver sorte, diz ele à BBC, sua empresa, AirTable, será a responsável por executá-la.

"É uma oportunidade muito grande, não muito diferente em escala da Amazon, do Facebook ou do Google", afirma ele, sem ironia.

A grande ideia? Planilhas, mas melhores. Planilhas, mas mais ricas.

As planilhas são comumente usadas por profissionais como contadores para classificar dados, produzir gráficos e somar. Mas muitos de nós as consideramos muito técnicas para serem usadas.

O AirTable, inventado por Liu, muda isso, diz ele, tornando mais fácil usá-las, para que até as pessoas que normalmente não possuem habilidades de codificação - como criadores de gado - conseguem configurar sistemas de nuvem complexos para o que fazem, como controlar vacas e equipamentos.

'Olhar perplexo'

O aplicativo se tornou um grande sucesso, atraindo clientes grandes, como a empresa de entretenimento Netflix, a montadora de carros elétricos Tesla e a publicação Time.

A empresa vale US$ 1,1 bilhão (R$ 4 bi), com base em sua última rodada de financiamento, apesar de ter apenas um produto no mercado há quatro anos.

Direito de imagem Getty Images
Image caption O chefe da Salesforce, Marc Benioff, aconselhou Liu e seus parceiros quando eles estavam começando

Explicar o conceito aos investidores era difícil nos primeiros dias da empresa, admite Liu, que cofundou o negócio em 2012 e também é o diretor-executivo da AirTable. Não parecia exatamente uma ideia nova.

"O conceito de uma planilha é anterior à computação. As planilhas foram o primeiro aplicativo."

Quando ele e seus parceiros iam a reuniões de investidores, eles apresentavam muito pouco do que os investidores normalmente esperavam ouvir.

"Você vê por aí essas apresentações que mostram um gráfico de crescimento, tamanho de mercado e esse tipo de coisa. As nossas não eram assim."

Em vez disso, eles fizeram um argumento filosófico sobre o AirTable e como ele poderia transformar o mundo do trabalho.

Direito de imagem AirTable
Image caption Exemplo de planilha da AirTable em inglês

"Sinceramente, acho que houve muita perplexidade. Lembro-me claramente de alguns casos, mesmo com os investidores que disseram 'sim', quando disseram, também comentaram 'não entendemos exatamente o que você está falando'."

Por fim, o que atraiu esses investidores foi a confiança na própria equipe da AirTable, o que Liu diz que talvez tenha mais importância em um estágio tão inicial.

"Há muitas maneiras de uma boa ideia fracassar com uma equipe ruim, enquanto mesmo uma ideia desconhecida com uma grande equipe pode ter sucesso."

'A gente não era chinês?'

Liu cresceu em College Station, Texas, "a duas horas de Houston e a três horas de Dallas".

Ele brinca que seu histórico familiar é tão complicado que sua mãe nem tentou explicá-lo a ele até que tivesse 10 anos de idade.

"Todos os meus quatro avós eram coreanos", diz ele. "Mas durante a Segunda Guerra Mundial eles se mudaram, como muitos coreanos fizeram, para a China. Meus pais nasceram na China, mas se mudaram para os Estados Unidos antes de eu nascer."

Seus pais pensaram que ele ficaria "muito confuso" com esse tipo de história, e não foi até ele ter que fazer um ensaio sobre a história da família para a escola que lhe foi explicado.

"Entrevistei meus avós e lembro de ter pensado 'espere um pouco, pensei que éramos chineses?' Eu estava superconfuso."

Direito de imagem Howie Liu
Image caption Liu é de origem coreana-chinesa, mas foi criado nos EUA

Menos confuso foi aprender a trabalhar com código. Aos 13 anos, Liu pegou um dos livros de seu pai sobre C++, a linguagem de programação, e aprendeu sozinho em questão de semanas.

Com apenas 16 anos, ele começou a estudar design computacional na Universidade Duke, no Estado da Carolina do Norte. Foi ali que conheceu seus posteriores cofundadores da AirTable, Andrew Ofstad e Emmett Nicholas, embora os três só viessem a trabalhar juntos mais tarde em suas vidas.

O primeiro negócio de Liu foi a Etacts, uma empresa de gerenciamento de relacionamento com clientes. Foi comprada pela gigante de software Salesforce em 2011 por uma quantia não revelada.

A venda deu a Liu o luxo da segurança financeira ao iniciar o AirTable, mas a aquisição, ele reflete, o deixou se sentindo um pouco vazio.

"Acabei tendo muita sorte em ter esse resultado financeiro que mudou minha vida", diz ele. "Mas foi um fracasso no sentido de nunca termos realmente construído um negócio real, uma organização com sua própria cultura."

No entanto, isso o fez conhecer pessoas poderosas, o que foi útil quando ele precisou de apoio para a AirTable - pessoas como Marc Benioff, executivo-chefe da Salesforce e um dos homens mais influentes da indústria de tecnologia.

Ele não ficou convencido de início pela ideia de Liu e, em vez de falar para seguirem na proposta das planilhas, sugeriu que eles se esforçassem para criar uma maneira melhor de coletar registros médicos eletrônicos. Eles ignoraram o conselho dele.

"Não era como se pensássemos arrogantemente que sabíamos mais", lembra Liu. "Marc foi extremamente generoso com seu tempo e conselhos. Ele estava nos fazendo um grande favor."

A empresa, com sede em San Francisco, ainda possui apenas cerca de 80 mil clientes corporativos, mas esse número está crescendo. Muitos outros usuários famosos estão ajudando a espalhar a fama da empresa, embora ela também seja popular entre companhias muito menores, principalmente organizações sem fins lucrativos.

Quando o furacão Harvey atingiu o Texas e a Louisiana em 2017, o AirTable foi usado para registrar animais de estimação resgatados e reuni-los com seus donos. O site possui um plano gratuito, com funcionalidade e capacidade limitadas, e planos mensais pagos para pequenas empresas.

O sucesso faz da AirTable um "unicórnio" - o apelido para empresas privadas avaliadas em mais de US$ 1 bilhão. É um símbolo de status - mas Liu tem horror ao termo.

Direito de imagem AirTable
Image caption A AirTable fica sediada na moderna cidade de San Francisco, mas Liu é cauteloso com o glamour da cidade

"Parece... brega. Acho que é um rótulo que tem um peso artificial."

Ele sente que muitas empresas iniciantes, principalmente em San Francisco, usam a etiqueta unicórnio "sem sentido" para parecerem maiores e mais impressionantes do que se justifica.

"No curto prazo, você pode fingir. Mas se você se concentra tanto no que os outros pensam de você, não se concentra nas coisas certas. A longo prazo, o que realmente importa são os fundamentos de seus negócios".

Alex Wilhelm, editor-chefe do site de rastreamento de investimentos Crunchbase, cita vários fatores no apelo da AirTable.

"O AirTable atinge algumas tendências com as que os investidores de risco estão entusiasmados atualmente", diz ele.

"Ele toca na ideia de que os consumidores estão se tornando mais dispostos a pagar uma pequena taxa por um software para organizar suas vidas pessoais ou profissionais. E é algo que os investidores de risco podem usar eles mesmos e entender. Nunca subestime o poder disso."

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Tópicos relacionados

Notícias relacionadas