A tecnologia que permite carregar seu celular em 5 minutos

Celular sem bateria Direito de imagem Getty Images
Image caption Nova tecnologia promete recarregar em 60 segundos

O ano de 2020 já promete trazer novidades que podem facilitar — e muito — o uso de tecnologia móvel, como celulares.

Uma startup israelense, a StoreDot, do empresário Doron Myersdorf, planeja desenvolver baterias capazes de recarregar um smartphone em 60 segundos ou um veículo elétrico em 5 minutos. No caso do carro, a carga seria suficiente para uma viagem de aproximadamente 500 km.

Para isso, a empresa obteve um financiamento no valor de US$ 130 milhões (cerca de R$ 531 milhões) e o apoio de uma das maiores empresas de petróleo do mundo, a BP. Não à toa, o canal Bloomberg colocou a StoreDot em uma lista de startups a se prestar atenção no ano que começa.

No entanto, por ora a empresa prevê lançar no segundo semestre de 2020 carregadores capazes de carregar totalmente a bateria de um celular em cinco minutos.

Sua tecnologia é baseada em uma combinação de nanotecnologias e uma nova geração de compostos orgânicos que armazenam energia com mais eficiência e segurança do que os sistemas atuais.

As baterias StoreDot usam lítio, mas substituem o grafite usado pelos fabricantes de baterias por uma mistura de metaloides, ou seja, substâncias com propriedades intermediárias entre metais e não metais.

Esses metaloides incluem silício e compostos orgânicos sintetizados em seus laboratórios.

Direito de imagem Getty Images
Image caption Carregar um carro elétrico pode levar de 45 minutos a quatro horas

Barreiras para carros elétricos

Nos últimos anos, a empresa registrou 31 patentes.

Mas não apenas os smartphones se beneficiarão dessa inovação. Também a indústria de veículos elétricos.

As principais barreiras na compra de um carro com baterias elétricas são que seu alcance em quilômetros ainda é limitado e, dependendo do modelo, o reabastecimento pode levar entre 45 minutos e 4 horas.

De acordo com a Bloomberg, os veículos elétricos serão responsáveis ​​por mais da metade de todas as vendas de carros novos em 2040, à medida que os preços começarem a cair e a vida útil da bateria seja estendida.

Os fabricantes têm tentado aumentar a "densidade" química da bateria para que um carro elétrico possa viajar ainda mais com uma única carga.

Os mais recentes veículos elétricos de ponta da Tesla, Chevrolet e outros fabricantes, por exemplo, permitem viagens de quase 500 quilômetros em ótimas condições. Mas recarregar ainda é um processo lento.

É nesse ponto que a StoreDot está concentrando seus esforços.

Direito de imagem StoreDot
Image caption Os laboratórios StoreDot ficam em Israel

Uma realidade

Antes de se lançar no complexo mundo dos veículos elétricos, no entanto, a empresa StoreDot começará a vender baterias para motocicletas. A companhia já fez inúmeros testes: o novo equipamento oferece um alcance de 70 quilômetros.

A razão para o foco inicial em motos ocorreu porque a bateria do carro precisará de 10 vezes mais células de energia do que a bateria de uma moto tipo scooter. Além disso, a StoreDot ainda precisa encontrar uma maneira ainda mais eficiente de resfriar o equipamento enquanto ele estiver em uso, disse Myersdorf.

O aquecimento de baterias elétricas, que levou à explosão de dispositivos Samsung Galaxy ou de motores Tesla, é outro problema que a indústria deve resolver.

Por enquanto, a Meyersdorf também garantiu ao site da ISRAEL21c que suas baterias "usam metade do cobalto" em comparação com outras ferramentas disponíveis no momento.

Isso é importante, disse o CEO, porque 60% do cobalto vêm de minas localizadas na República Democrática do Congo. Esses locais estão na mira de organizações internacionais que combatem a exploração do trabalho infantil.

"Essa tecnologia exclusiva tem o potencial de se tornar o mais recente padrão de carregamento rápido em setores como dispositivos móveis ou veículos elétricos, mas também ferramentas elétricas, brinquedos elétricos, eletrodomésticos e outros", diz a empresa em seu site.

Direito de imagem Getty Images

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Notícias relacionadas