O técnico brasileiro que transformou a vida de meninas pobres nos EUA e agora pode ser obrigado a deixar o país

Henrique Motta treinando sua equipe Direito de imagem RowLA/George Simian
Image caption Em três anos com Motta como treinador, o bom desempenho das jovens garantiu a muitas delas bolsas de estudo para cursar a universidade

Em um esporte que, nos Estados Unidos, costuma atrair jovens de classe alta e ser praticado em instituições centenárias, as adolescentes treinadas pelo técnico de remo brasileiro Henrique Vieira Motta em Los Angeles, na Califórnia, fogem do padrão.

Muitas vêm de famílias pobres, e algumas são filhas de imigrantes, a primeira geração nascida em solo americano. Em vez de corpos musculosos comumente associados ao remo, várias têm baixa estatura e nunca haviam praticado esportes.

"Nosso grupo não é aquele estereótipo tradicional de atleta", diz Motta à BBC News Brasil.

As meninas treinadas por Motta fazem parte do RowLA, um programa criado há dez anos, que atende estudantes do ensino fundamental e médio de comunidades carentes de Los Angeles. O objetivo é não somente formar atletas de alto nível, mas oferecer apoio e orientação para que essas alunas sejam bem-sucedidas também na vida acadêmica e profissional.

Em três anos com Motta como treinador, o bom desempenho das jovens levou não apenas à conquista de campeonatos, mas também garantiu a muitas delas bolsas de estudo para frequentar a universidade.

"É um programa voltado para ajudar essas meninas que (de outra maneira) não teriam acesso ao remo, porque o remo acaba sendo um esporte elitizado", afirma Motta.

"(O objetivo é) Ajudar essas meninas a usar o remo como ferramenta de acesso à faculdade. Há grande oferta de bolsas de estudo para atletas", observa.

Mas apesar do sucesso como treinador e do reconhecimento de sua contribuição para o bom desempenho do programa e das adolescentes, o técnico corre o risco de ter que deixar os Estados Unidos e abandonar a equipe.

Pedido de residência negado

Motta é portador de um visto de trabalho oferecido para pessoas com "habilidades extraordinárias" em determinadas áreas, como atletismo. No ano passado, vários meses antes da data de fim de validade do visto, ele entrou com um pedido de green card, que garante residência permanente nos Estados Unidos com direito pleno a trabalho.

O pedido, feito por advogados de imigração e com o apoio da direção da RowLA, incluía centenas de páginas documentando as conquistas profissionais de Motta que, aos 39 anos, coleciona uma carreira de sucesso, com décadas de experiência como remador e como técnico, passagens por clubes como Botafogo e Vasco da Gama e vitórias em mais de 20 campeonatos, inclusive títulos sul-americano e pan-americano. Também incluía cartas de recomendação de atletas de destaque no esporte.

Direito de imagem RowLA/George Simian
Image caption 'Está fora do meu controle. A única coisa que eu posso fazer é continuar trabalhando, até permitirem', desabafa Motta

Motta conta que, na época em que obteve o visto inicial para poder trabalhar nos Estados Unidos, o processo havia sido rápido e sem problemas. Mas agora, no pedido de green card, as autoridades de imigração exigiram evidências adicionais de que ele realmente se encaixa na categoria de "habilidades extraordinárias". Novos documentos foram enviados, mas o pedido acabou sendo negado.

Um porta-voz do Serviço de Cidadania e Imigração dos Estados Unidos disse à BBC News Brasil que a agência não comenta sobre casos individuais, mas destacou que as exigências para que um imigrante se encaixe na categoria de "habilidades extraordinárias" são "extremamente altas".

O advogado de Motta entrou com um processo apelando contra essa decisão. Enquanto isso, sem saber se conseguirá o green card ou não, Motta entrou com pedido de extensão do seu visto inicial, que vence no final desta semana. Mas apesar da facilidade com que o visto foi concedido inicialmente, há três anos, desta vez as autoridades de imigração também pediram mais evidências para decidir se aprovam a renovação ou não. Os documentos adicionais foram enviados, e Motta aguarda uma resposta.

O técnico pode continuar trabalhando legalmente nos Estados Unidos enquanto aguarda as duas decisões. Mas teme que, a qualquer hora, as autoridades decidam rejeitar seus pedidos e ele tenha de deixar o país. "Está fora do meu controle. A única coisa que eu posso fazer é continuar trabalhando, até permitirem", afirma.

Perda enorme

A fundadora e diretora do RowLA, Liz Greenberger, destaca a contribuição do técnico brasileiro para o esporte e o impacto positivo que tem na vida das atletas do programa e diz que a saída de Motta seria uma perda enorme.

"Henrique é excepcional em todos os sentidos. Nós realmente queremos mantê-lo neste país", diz Greenberger à BBC News Brasil.

Ela lembra que, muitas vezes, as meninas chegam ao programa sem autoconfiança.

"Não apenas são fisicamente menores, porque não são a típica atleta feminina enorme e musculosa pronta para remar, mas também chegam com baixas expectativas em termos de frequentar a universidade, de ter uma carreira."

Direito de imagem RowLA/George Simian
Image caption 'Henrique é excepcional em todos os sentidos. Nós realmente queremos mantê-lo neste país', diz Greenberger

"Um dos principais atributos (de Motta) é que ele acredita que se você, como jovem mulher, como atleta, quer ir além das expectativas que as outras pessoas têm, você tem todo o direito a superá-las, e ele vai ajudá-la a conquistar seus objetivos", afirma Greenberger.

Motta diz que se identifica com as alunas. O atleta carioca conta que começou a remar aos 11 anos de idade. "Do grupo de quando comecei, com certeza eu era o patinho feio, baixinho, gordinho, perna fina, desfavorecido", lembra.

"É o padrão do grupo que eu tenho (hoje). Por isso me motivo tanto a trabalhar com elas", afirma Motta, que também é formado em Nutrição e usa sua experiência como nutricionista esportivo para orientar as jovens sobre como se alimentar melhor.

Ele é casado com a também remadora profissional brasileira Antonia Emanuelle Abreu Motta, que divide seu tempo entre o Brasil e os Estados Unidos e atua como voluntária no RowLA.

Transformação em atletas

O RowLA tem 15 alunas do ensino médio na equipe que participa de competições de alto nível, e outras 20 meninas em uma equipe que treina apenas nos finais de semana.

"Temos um programa direcionado a alunas do ensino fundamental, que é de introdução ao remo, para começarem a criar um vínculo, e também pela parte acadêmica, para já começarmos a tentar dar uma assessoria a elas", ressalta Motta.

Como várias vêm de famílias em que ninguém frequentou a universidade, o RowLA mantém conselheiros para auxiliar as atletas no processo de inscrição e na busca por bolsas de estudo para a faculdade.

Há também um programa que leva ergômetros (um aparelho simulador de remo) a escolas de comunidades carentes da região, atingindo cerca de 4 mil alunas por ano.

Financiado em grande parte por meio de doações, o RowLA é dedicado a meninas cujas famílias não teriam condições de pagar um clube privado de remo. Mas a equipe também aceita algumas jovens de famílias com melhor situação financeira, que pagam um valor bem mais alto para participar.

Motta ajuda a transformar adolescentes vindas de famílias sem nenhum envolvimento com esporte em atletas de alta performance, competindo muitas vezes com remadoras de instituições renomadas, com orçamento muito maior e décadas de tradição no esporte.

O brasileiro lembra que um dos pontos questionados pelas autoridades de imigração ao avaliar se ele possui "habilidades extraordinárias" era se sua equipe havia recebido troféus internacionais.

Mas ele e Greenberger salientam que o objetivo do programa não é simplesmente garantir um bom desempenho atlético. "Nós tentamos dar suporte por todos os lados possíveis", diz Motta.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Tópicos relacionados

Notícias relacionadas