Fotos recriam última refeição de condenados à morte nos EUA

Refeição com batata frita, scones, ovo mexido e torradas

Crédito, Jackie Black

Legenda da foto,

Última refeição solicitada por Clydell Coleman, executado em 5 de maio de 1999

Para ter uma compreensão mais profunda do sistema de pena de morte nos Estados Unidos, a fotógrafa Jackie Black recriou as últimas refeições solicitadas, antes de serem executados, por prisioneiros no corredor da morte.

"Como é pedir uma última refeição antes de ser executado por um crime que você pode ou não ter cometido?", questiona a fotógrafa americana em uma declaração sobre o projeto.

"Se pudermos nos colocar diante daquela refeição, talvez possamos sentir parte da experiência. Talvez possamos questionar nossos próprios motivos e cumplicidade com o sistema de Justiça. Talvez possamos ter empatia com a pessoa condenada."

Black também reuniu informações básicas sobre os prisioneiros, incluindo quanto tempo estudaram, a ocupação e a última declaração.

David Wayne Stoker

Crédito, Jackie Black

Legenda da foto,

Black acredita que ao mirarmos os pratos pedidos podemos de alguma forma nos sentir no lugar dos condenados à morte

Execução: 16 de junho de 1997

Educação: Oito anos

Ocupação: Operador de equipamento pesado / carpinteiro

Última declaração: "Lamento sinceramente a sua perda... mas não matei ninguém."

Anthony Ray Westley

Crédito, Jackie Black

Legenda da foto,

O fotógrafo diz que tentou capturar a força psicológica da última refeição

Execução: 13 de maio de 1997

Educação: Oito anos

Ocupação: Operário

Última afirmação: "Quero que saibam que não matei ninguém. Amo todos vocês."

Thomas Andy Barefoot

Crédito, Jackie Black

Execução: 30 de outubro de 1984

Educação: Não listado

Ocupação: Trabalho manual em campo petrolífero

Última declaração: "Espero que um dia possamos olhar para trás e ver o mal que estamos fazendo agora, como as bruxas que queimamos na fogueira. Quero que todos saibam que não tenho nada contra eles. Eu perdoo todos eles. Eu espero que todos por quem fiz alguma coisa me perdoem.

Eu tenho orado o dia todo para que a esposa (da vítima) tire a amargura de seu coração, porque essa amargura que está em seu coração vai certamente mandá-la para o inferno como qualquer outro pecado. Sinto muito por tudo que já fiz a qualquer pessoa. Espero que me perdoem."

James Russell

Crédito, Jackie Black

Execução: 19 de setembro de 1991

Educação: 10 anos

Ocupação: Músico

Última declaração: Relato de duração de três minutos, que não foi transcrito ou gravado.

Jeffrey Allen Barney

Crédito, Jackie Black

Execução: 16 de abril de 1986

Educação: Não listado

Ocupação: Não listado

Última declaração: "Sinto muito pelo que fiz. Eu mereço isso. Jesus me perdoe."

Johnny Frank Garrett

Crédito, Jackie Black

Execução: 11 de fevereiro de 1992

Educação: Sete anos

Ocupação: Operário

Última declaração: "Gostaria de agradecer a minha família por me amar e cuidar de mim. E o resto do mundo pode beijar minha bunda."

William Prince Davis

Crédito, Jackie Black

Execução: 14 de setembro de 1999

Educação: Sete anos

Ocupação: Construtor de telhados

Última afirmação: "Eu gostaria de dizer à família o quanto realmente sinto na minha alma e no meu coração pela dor e miséria que causei por minhas ações... Eu gostaria de agradecer a todos os homens no corredor da morte, que me mostraram amor ao longo dos anos.

Espero que, doando meu corpo para a ciência, algumas partes dele possam ser usadas para ajudar alguém..."

Gerald Lee Mitchell

Crédito, Jackie Black

Execução: 22 de outubro de 2001

Educação: 10 anos

Ocupação: Carpinteiro

Última afirmação: "Lamento a dor. Lamento a vida que tirei de você. Peço perdão a Deus. E peço-lhe o mesmo. Sei que pode ser difícil. Mas sinto muito pelo que fiz.

Para minha família: amo cada um de vocês. Sejam fortes. Saibam que meu amor está sempre com vocês, sempre. Sei que vou para casa estar com o Senhor. Derrame lágrimas de felicidade por mim."

Robert Anthony Madden

Crédito, Jackie Black

Legenda da foto,

Tradução: Pediu que sua última refeição fosse entregue a um morador de rua (o pedido foi negago).

Execução: 28 de maio de 1997

Educação: 12 anos

Ocupação: Cozinheiro

Última declaração: "Peço desculpas por sua perda e sua dor. Mas eu não matei essas pessoas. Esperançosamente, todos nós aprenderemos algo sobre nós mesmos e os outros. E aprenderemos a interromper o ciclo de ódio e vingança e chegar a valorizar o que realmente está acontecendo neste mundo. Eu perdoo a todos por este processo, que parece estar errado."

James Beathard

Crédito, Jackie Black

Pule Podcast e continue lendo
Podcast
BBC Lê

A equipe da BBC News Brasil lê para você algumas de suas melhores reportagens

Episódios

Fim do Podcast

Execução: 9 de dezembro de 1999

Educação: 15 anos

Ocupação: Mecânico de motocicleta

Após o julgamento dele, a principal testemunha de acusação retirou seu depoimento e três membros do conselho de liberdade condicional recomendaram clemência.

Última declaração: "Quero começar reconhecendo o amor que tive em minha família. Nenhum homem neste mundo teve uma família melhor do que eu. Eu tive os melhores pais do mundo. Eu tive a vida mais maravilhosa que qualquer homem poderia ter tido. Nunca estive mais orgulho alguém do que tenho de minha filha e do meu filho.

Há alguns assuntos sobre os quais gostaria de falar, já que esta é uma das poucas vezes em que as pessoas ouvirão o que tenho a dizer. Agora, os Estados Unidos chegaram a um ponto onde há respeito zero com a vida humana. Minha morte é apenas um sintoma de uma doença maior. Em algum momento, o governo precisa acordar e parar de fazer coisas para destruir outros países e matar crianças inocentes. O embargo e as sanções em curso contra lugares como o Irã e o Iraque, Cuba e outros, eles não estão fazendo nada para mudar o mundo e estão machucando crianças inocentes.

Talvez o mais importante em muitos aspectos seja o que estamos fazendo com o meio ambiente, é ainda mais devastador porque, enquanto continuarmos na direção que estamos indo, o resultado final é que não importa como tratamos as outras pessoas, porque todos no planeta estarão de saída.

Uma das poucas maneiras no mundo em que a verdade vai se espalhar, ou as pessoas vão saber o que está acontecendo, é se apoiarmos uma imprensa livre lá fora. Vejo a imprensa lutando para se manter como uma instituição livre."

A exposição Last Meals está disponível no Parrish Art Museum, em Nova York, até 31 de janeiro de 2021.

Todas as fotografias estão sujeitas a direitos autorais.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!