França estende estado de emergência após ataque com 84 mortos

Ataque em Nice
Image caption Imagens postadas nas redes sociais mostram pessoas correndo após incidente

Um caminhão atingiu a multidão que participava das celebrações do Dia da Bastilha na cidade francesa de Nice, sul do país, na quinta-feira à noite, deixando pelo menos 84 mortos. Pelo menos 18 pessoas estão em estado crítico no hospital, segundo o ministro do Interior.

O presidente francês, François Hollande, referiu-se à violência como um ato de terror. Ele disse que o país permanece "sob a ameaça de terrorismo islâmico" e prorrogou por mais três meses o estado de exceção, que vigora no país desde os ataques em Paris em novembro.

"A França foi atacada no dia de seu feriado nacional, o 14 de julho, símbolo da liberdade. Os fanáticos rejeitam os direitos humanos e por isso a França é inevitavelmente um alvo. Nada nos fará ceder na nossa vontade de lutar contra o terrorismo", afirmou.

Image caption Mapa mostra rota percorrida por caminhão em ataque em Nice

"Vamos reforçar nossas ações na Síria e no Iraque. Vamos continuar a atacar aqueles que nos atacam."

O motorista do caminhão foi morto durante o ataque. Segundo a imprensa francesa, ele tinha 31 anos, era franco-tunisiano e era conhecido da polícia. No veículo, teriam sido encontradas armas e granadas. Investigadores querem saber agora se ele agiu sozinho.

Ataque

O ataque ocorreu durante uma queima de fogos em uma avenida costeira da cidade chamada Promenade des Anglais. O motorista teria dirigido o caminhão por dois quilômetros avançando na multidão, contou o promotor de Nice Jean-Michel Pretre à agência de notícias AFP.

Direito de imagem EPA
Image caption Vítimas do ataque são atendidas e levadas para o hospital em Nice

Uma imagem no Twitter mostra cerca de dezenas de pessoas deitadas na rua, algumas já recebendo atendimentos. A prefeitura local pediu aos moradores da região que ficassem em casa.

Direito de imagem AP
Image caption Caminhão ficou com marcas dos tiros disparados por policiais; polícia investiga se motorista agiu sozinho

Um vídeo que está sendo compartilhado nas redes sociais mostra pessoas correndo nas ruas e o pânico tomando conta da multidão logo após o ataque.

Direito de imagem PA
Image caption Ataque gerou correria em um dos principais pontos turísticos de Nice

Um repórter do jornal Nice Matin estava na região e relatou que havia "muito sangue e, sem dúvidas, muitos feridos".

Outra imagem publicada no Twitter mostrava o caminhão parado no meio da avenida com algumas partes da frente amassadas, marcas de tiros, e quatro policiais observando enquanto se protegiam atrás de uma árvore.

Direito de imagem AFP
Image caption Veículo atingiu as pessoas que celebravam o Dia da Bastilha em Nice

Um repórter da agência France Presse disse que o incidente ocorreu no fim da queima de fogos: "Nós vimos as pessoas sendo atingidas e pedaços de detritos voando ao redor".

Uma testemunha falou à TV francesa BFM: "Todo mundo estava gritando 'corram, corram, corram, é um ataque, corram'. Nós ouvimos alguns tiros. Achamos que eram os fogos, porque é o 14 de julho."

"O pânico se espalhou. Começamos a correr porque não queríamos ficar ali e entramos em um hotel para ficar em segurança", afirmou.

Direito de imagem Getty
Image caption Forças de segurança nacional já estão patrulhando o local do ataque em Nice

O repórter da BBC Roy Calley, que também estava na região na hora do incidente, disse que "milhares de pessoas estavam lá quando tudo aconteceu".

Outra testemunha, Colin Srivastava, disse à BBC que viu "centenas de pessoas correndo em pânico" no momento do ataque.

"Tentamos perguntar a alguns deles o que estava acontecendo e finalmente um disse: temos que sair daqui, a polícia nos disse para correr."

Clicável
  • 1. O início

    ×

    Paddy Mullan, testemunha

    'Esse caminhão simplesmente subiu no meio-fio, na rua em frente onde estávamos, e depois você ouvia apenas impactos e gritos.'

  • 2. Pessoas mortas

    ×

    Wassim Bouhlel, morador de Nice

    'Ele ziguezagueou - você não tinha ideia para onde estava indo. Minha mulher... a um metro de distância... estava morta.'

  • 3. Motorista é morto

    ×

    Nader el-Shafei, testemunha

    'Eu continuei a gritar para ele e acenar para que parasse... ele pegou uma arma e começou a atirar na polícia.'

  • 4. Fuga para a praia

    ×

    Roy Calley, produtor da BBC

    'Ouvi muitos gritos enquanto estava voltando... logo depois pessoas estavam correndo e a polícia corria para a cena.'

  • 5. Pessoas fugindo

    ×

    Colin Srivastava, testemunha

    'Estávamos sentados em frente à cidade antiga de Nice e vimos centenas de pessoas em pânico correndo em nossa direção.'

Solidariedade

Pelo Twitter, o ex-presidente francês Nicolas Sarkozy manifestou sua solidariedade às vítimas. "Emoção profunda e tristeza infinita diante do ataque a Nice. Solidariedade aos habitantes de Nice e dos Alpes-Maritimos."

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, condenou o ataque e se solidarizou com a França em comunicado divulgado na noite desta quinta.

"Em nome do povo americano, eu condeno nos mais fortes termos o que parece ser um ataque terrorista horrendo em Nice, na França, que matou e feriu dezenas de civis inocentes", disse.

"Nesse Dia da Bastilha, nos lembramos da resiliência extraordinária e valores democráticos que fazem da França uma inspiração para o mundo inteiro."

A prefeita de Paris, Anne Hidalgo, ofereceu todo apoio ao povo de Nice em nome "de todos os parisienses". "Nossas cidades estão unidas".

Direito de imagem AFP
Image caption Caminhão amassado após ter atropelado dezenas de pessoas

Comoção

Nas redes sociais, as pessoas já começaram a manifestar comoção pelo incidente. No Twitter, a hashtag "Pray For Nice" (Rezem por Nice) já domina os Trending Topics e é uma das mais compartilhadas no momento.

As pessoas também estão utilizando a hashtag "Portas Abertas Em Nice" (#portesouvertesNice) para indicar locais para onde as pessoas podem ir para ficar em segurança, assim como aconteceu no ataque a Paris em novembro do ano passado.

Outros vídeos e imagens fortes das vítimas na Promenade têm sido publicados nas redes sociais, e a Secretária de Estado Juliette Meadel já fez um apelo para que as pessoas parassem de compartilhá-los em respeito aos mortos e a seus familiares.

Direito de imagem EPA
Image caption Dezenas de pessoas morreram e há relatos de que pelo menos 100 ficaram feridas no incidente em Nice

O ataque também cancelou alguns eventos programados para acontecer nos próximos dias em Nice. Segundo a AFP, um show da Rihanna e um festival de Jazz que aconteceriam entre os dias 16 e 20 de julho em Nice foram cancelados.

Também pelo Twitter, o presidente interino, Michel Temer, manifestou solidariedade pelos franceses.

"É lamentável que no dia que eternizou a fraternidade como lema do povo francês, um atentado destrua a vida de tantos cidadãos", escreveu o peemedebista.

Direito de imagem AFP
Image caption Ataque espalhou pânico nas ruas de Nice
Direito de imagem AFP
Image caption Caminhão avançou por 2km na multidão, segundo promotor

Temer ainda divulgou uma nota oficial sobre o incidente. "Os assassinos não conseguirão seu intento. Muito ao contrário, apenas reforçarão os laços entre países livres, que buscam a igualdade de condição entre as nações do mundo. E a fraternidade continuará a guiar nossos povos. Hoje, mais do que nunca, somos todos franceses. Irmãos na dor e solidariedade a todos os mortos e feridos, suas famílias e amigos. O Brasil se une a todos que desejam e lutam pela paz e harmonia no mundo. Estamos juntos contra a intolerância e a barbárie."

A presidente afastada Dilma Rousseff também prestou sua solidariedade pela rede social. "Neste momento de dor, manifesto minha solidariedade aos familiares e amigos das vítimas, ao presidente @FHollande e ao povo francês. Repudiamos com veemência o terrorismo".

Direito de imagem EPA
Image caption Chanceler alemã Angela Merkel e Ministro das Relações Exteriores da França prestando um minuto de silêncio em homenagem às vítimas de Nice no início da Conferência da Europa e da Ásia, na Mongólia