'A França inteira está sob ameaça do terrorismo islâmico', diz Hollande após atentado

AFP Direito de imagem AFP
Image caption Crianças estão entre as vítimas, segundo Hollande; pelo menos 20 pessoas ficaram gravemente feridas no ataque

Cerca de quatro horas após um atentado na cidade de Nice, no sul da França, o presidente François Hollande fez um pronunciamento à nação no qual confirmou que o ato foi um ataque terrorista e disse que há mais de 70 mortos, envolvendo adultos e crianças.

"Depois de Paris, é a vez de Nice ser atingida. Toda a França está sob ameaça do terrorismo islâmico. Mas nada disso vai nos fazer desistir de lutar contra o terrorismo", disse Hollande, que também prometeu "reforçar as ações do país na Síria e no Iraque".

O presidente francês também disse que o estado de emergência em vigência no país, que seria reduzido em 26 de julho, vai vigorar por mais três meses. Com isso, ele anunciou que vai convocar 10 mil soldados, além das forças policiais, para reforçar a segurança.

Direito de imagem AP
Image caption Presidente da França falou em "terrorismo islâmico"

"A França está horrorizada com esse ataque, que matou pessoas que estavam simplesmente reunidas para celebrar o 14 de julho. Mas estamos unidos e vamos continuar assim", disse Hollande.

"O país foi atingido em seu dia nacional, que é símbolo da liberdade. Porque direitos humanos é algo negado aos fanáticos. Portanto a França se torna um alvo para eles."

Direito de imagem AFP
Image caption Caminhão teria avançado sobre as pessoas por 2 quilômetros

No atentado, um caminhão atingiu a multidão que participava das celebrações do Dia da Bastilha e avançou durante cerca de dois quilômetros, conforme o promotor de Nice Jean-Michel Pretre disse à agência de notícias AFP.

Hollande afirmou ainda que, entre os feridos, ao menos 20 encontram-se em estado grave.

Ele terá uma reunião ministerial no início da manhã desta sexta-feira e, em seguida, irá para Nice.

No fim de seu discurso, o presidente expressou "todo o apoio às vítimas e a seus familiares".

Direito de imagem AFP
Image caption Ataque deixou pelo menos 77 mortos, segundo presidente Hollande