Condomínio gratuito e aluguel controlado: brasileiro conta como é morar na Vila Olímpica de Londres
A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

Condomínio gratuito e aluguel controlado: brasileiro conta como é morar na Vila Olímpica de Londres

Condomínio gratuito, internet de alta velocidade e aluguel controlado. Há 25 anos morando em Londres, o paulista Frank da Silva diz ter finalmente encontrado o refúgio que tanto procurava na capital britânica.

Trata-se de um apartamento de dois quartos em um dos 16 prédios que compõem a Vila Olímpica. O local serviu de moradia a cerca de 10 mil atletas quando a cidade recebeu os Jogos, em 2012.

Segundo Silva, que é dono de uma agência de mídia no leste de Londres, pesou na decisão de alugar o imóvel a série de benefícios que encontrou ali.

“Fomos os primeiros moradores do apartamento. Não pagamos condomínio, temos internet de alta velocidade praticamente de graça – pagamos 10 libras (R$ 40) por 100 MB ─ e nosso aluguel é reajustado todo ano dentro da cifra estipulada pelo governo. Por isso, decidimos vir para cá”, diz ele, que mora com a companheira Gianne Fanti.

Cerca de metade (1.439) dos 2.818 apartamentos da Vila Olímpica foi comprada por um consórcio do Catar. Apesar de se tratar de uma iniciativa privada, a empresa não pode aumentar os aluguéis como um locador comum.

Silva acrescenta que o complexo também tem limpeza e segurança 24h incluídas no valor do aluguel, além de atividades gratuitas ao ar livre.

“Na parte externa, há várias iniciativas para estimular a prática de esporte. Você também pode ir ao Parque Olímpico”, lembra.

Silva diz que não sabe quais atletas moraram temporariamente em cada apartamento do prédio, mas cada edifício exibe uma placa comemorativa das delegações que hospedou.

“Sabemos que a delegação da Jamaica ficou hospedada aqui no prédio, por exemplo. Ou seja, Usain Bolt morou aqui por um tempo”, lembra.

Localizada em Stratford, no leste de Londres, a Vila Olímpica ajudou a revitalizar uma região outrora degradada e violenta.

“Essa área era dedicada à atividade industrial. Não havia nada e as pessoas tinham medo de andar por aqui. Tudo isso mudou com a Olimpíada”, defende Silva.

Ele acrescenta que, assim que possível, planeja ainda comprar o apartamento onde mora de aluguel.

“Melhoramos nosso padrão de vida. Esse sentimento de comunidade que encontramos aqui eu nunca vi igual em Londres”, conclui.

Reportagem e edição: Luís Barrucho, da BBC Brasil em Londres