Escândalo machista poderá 'implodir' campanha de Trump?

Reprodução de pronunciamento de Donald Trump Direito de imagem Reuters
Image caption Trump divulgou um pedido de desculpas em vídeo

A divulgação pelo jornal Washington Post de uma gravação com comentários obscenos sobre mulheres feitos há 11 anos pelo candidato republicano à presidência dos EUA, Donald Trump, causou furor no país. E levou comentaristas políticos a especular se sua campanha para a eleição de 8 de novembro teria implodido.

Na gravação, Trump se gaba de usar sua fama para assediar mulheres e descreve seus avanços de maneira grosseira. Ele pediu desculpas após a divulgação.

Glenn Thrush e Katie Glueck, escrevendo para o site Politico, disseram que uma eventual eleição de Hillary Clinton como primeira mulher presidente dos EUA pode ter sido "apropriadamente determinada pela postura de Trump".

"Trump, um político que fez alguns dos mais hilários (intencionalmente ou não), ofensivos, inverídicos e misóginos pronunciamentos já ouvidos agora pode ser derrotado por uma conversa privada", escreveram Thrush e Glueck.

'Acabou'

Avik Roy, da revista de economia Forbes, fez uma lista das gafes recentes de Trump, ressaltando que elas não impediram políticos republicanos de endossar publicamente o candidato. Mas, para Roy, o vídeo divulgado pelo Washington Post será uma história diferente.

"Poucos políticos republicanos têm parentes muçulmanos ou são de ascendência mexicana. Poucos políticos republicanos enfrentaram discriminação por causa da cor de sua pele. Mas todos têm mulheres brancas como parentes. E quando Trump fala em meter a mão nos órgãos genitais de mulheres, eles sentem alguma coisa".

Image caption O governador de Ohifo, John Kasich, disse que "os comentários de Trump foram ofensivos"
Image caption Jeb Bush fez menção às duas fihas
Direito de imagem EPA
Image caption O senador republicano Marco Rubio disse que os comentários são injustificáveis mesmo feitos em situações privadas

O comentarista Stephen Collinson, da rede de TV CNN, disse que as declarações de Trump forçarão o Partido Republicano a debater se não é hora de romper com o candidato, ao passo que Ali Vitali e Benjy Sarlin, da rede de TV NBC, declararam que a campanha de Trump "acabou".

"A um mês da campanha, cada minuto que ele passar defendendo seu comportamento, será um minuto mais próximo de uma derrota".

Ryan Grim, do site Huffington Post, pediu que o eleitorado castigue Trump na eleição.

"Se Donald Trump faz o que eles diz fazer com mulheres, ele deveria ser preso. Os americanos têm a chance de julgá-lo nas urnas. E esse julgamento pode ser potencialmente devastador: o eleitorado poderá mostrar a maior rejeição a um candidato já vista na história americana".

Direito de imagem AP
Image caption Trump participará de um debate com Hillary Clinton no domingo

Repercussão

Embora Trump tenha se desculpado pelas declarações, isso não pareceu ter convencido nem a mídia nem políticos. Diversos "figurões republicanos", como o ex-governador do Estado da Flórida, Jeb Bush, condenaram as declarações do candidato nas redes sociais. "Sou pai de duas meninas e digo que nenhum pedido de desculpas poderá atenuar os comentários degradantes feitos por Donal Trump sobre mulheres", escreveu Bush, irmão e filho do ex-presidentes George W. Bush e George Bush, em sua conta no twitter.

Direito de imagem Reuters
Image caption Paul Ryan cancelou a participação de Trump em evento

E Paul Ryan, o presidente da Câmara dos Deputados, Paul Ryan, anunciou na madrugada deste sábado que Trump foi excluído de um evento de campanha em Wisconsin.

"Estou enojado pelo que ouvi. Espero que Donald Trump trate essa situação com seriedade e que mostre ao país que tem mais respeito pelas mulheres do que essa gravação sugere", afirmou Ryan.

Mas Ryan e outros correligionários de Trump não se pronunciaram sobre seu apoio ao candidato.

Ruth Marcus, colunista do Washington Post, disse que os comentários de Trump vão testar uma declaração polêmica dele sobre a lealdade de seus eleitores.

"Ele se gabou uma vez de que poderia atirar em alguém no meio da rua e ainda assim teria votos. Agora vamos descobrir se esse é o caso".

Tópicos relacionados

Notícias relacionadas