Homem é expulso de avião nos EUA após assediar aeromoça

Homem triste no aeroporto Direito de imagem iStock
Image caption Autoridade americana de aviação civil proibe qualquer interferência no trabalho da tripulação

Um homem foi expulso de um voo nos Estados Unidos após assediar uma aeromoça. Durante a explicação dos procedimentos de segurança, um passageiro disse que a funcionária era "sexy".

O caso foi relatado no Facebook por uma passageira do mesmo voo da Alaska Airlines, que partiria no último dia 9 de Seattle, no Estado de Washington, para Burbank, na Califórnia.

"Os comissários de bordo estavam explicando regras de segurança, como sempre fazem. Nem todos estavam prestando atenção, mas um homem na fila atrás de mim mudou isso ao dizer 'ooh, sexy!' em reação à aeromoça que demonstrava como vestir o colete salva-vidas", contou Amber Nelson na rede social.

Direito de imagem Reprodução
Image caption 'Toda mulher que conheço já passou por isso', disse passageira que relatou o caso no Facebook

Nelson disse que o comentário incomodou as mulheres ao seu redor, que se entreolhavam sem saber como agir diante da situação.

"Toda mulher que conheço já passou por esse tipo de experiência degradante. Estávamos presas em um avião com um cara que claramente desrespeitava mulheres e nos via como entretenimento pessoal."

Foi neste momento que a aeromoça interrompeu as explicações e foi até o passageiro para exigir que ele "demonstrasse respeito". O homem retrucou: "Por favor, estou só brincando com você".

Apoio

A funcionária voltou à parte da frente da cabine para conversar com seus colegas.

"O clima ficou tenso, e vimos um homem entrar no avião e vir em nossa direção", relatou Nelson. "O homem atrás de mim começou a dizer: 'Não fiz nada de errado! Não fiz nada de errado."

Direito de imagem AP
Image caption Empresa disse apoiar as medidas tomadas por seus funcionários

O passageiro foi convidado a se retirar da aeronave, o que a empresa aérea confirmou ao jornal Washington Post: "Apoiamos as atitudes de nossos funcionários".

Segundo a Administração Federal de Aviação, órgão que regula o setor de aviação civil nos EUA, é proibido "agredir, ameaçar, intimidar ou interferir no trabalho da tripulação".

A autora do relato celebrou a atitude da equipe da Alaska Airlines: "Senti-me honrada como cliente - e mulher - e por todos aqueles que já foram aviltados pelo comportamento juvenil e excessivamente desrespeitoso de outro passageiro. Obrigada por lidar com isso seriamente."