'Abuso, assédio, calúnias e racismo': as duras críticas do príncipe Harry à cobertura de sua relação com atriz Meghan Markle

Principe Harry e Meghan Markle Direito de imagem PA
Image caption Harry assumiu o namoro e também saiu em defesa da namorada, a atriz americana MegHan Markle, do seriado de TV 'Suits'

O príncipe Harry confirmou o namoro com a atriz americana Meghan Markle e criticou a imprensa por submetê-la a "uma onda de abuso e assédio". As declarações estão em um comunicado do Palácio de Kensington considerado excepcionalmente forte para os padrões da casa real britânica.

O palácio afirma que o casal "mantém um relacionamento há alguns meses" e que "não é certo" submeter a atriz a tal tratamento.

O comunicado lembra que o príncipe raramente se manifesta sobre "histórias fictícias" e acrescenta: "Mas na última semana, um limite foi ultrapassado."

Nos últimos dias, jornais e tabloides sensacionalistas estamparam nas primeiras páginas histórias sobre a atriz, de 35 anos, que interpreta Rachel Zane na série de TV Suits e vive em Toronto, no Canadá.

Comentários racistas e sexistas

A declaração, divulgada pelo secretário de comunicações do príncipe, diz ainda: "Sua namorada, Meghan Markle, tem sido submetida a uma onda de abuso e assédio".

"Por vezes de forma bastante explícita - as calúnias na primeira página de um jornal de grande circulação nacional; no subtexto racial em artigos de opinião; em comentários sexistas e racistas feito por trolls" (pessoas que ofendem, atacam e provocam outras pela internet usando, geralmente, um perfil falso)."

A atriz, cujo pai é branco e a mãe é negra, já comentou diversas vezes sobre suas origens raciais.

Em um artigo para a revista Elle americana, por exemplo, ele escreveu sobre como se orgulha disso: "Minha herança miscigenada, por um lado, já me colocou em uma zona cinzenta no que diz repeito à meneira como eu me identifico Mas, por outro, ter um pé em cada lado dessa cerca, me fez abraçar isso. Para dizer quem eu sou e de onde veio; para expressar meu orgulho de ser uma mulher miscigenada forte e confiante." Estudo acaba com mito do sufocamento e revela como jiboia mata a presa

Direito de imagem PA
Image caption A atriz Meghan Markle, de 35 anos, vive em Toronto no Canadá

O príncipe, de 32 anos, nunca teve uma relação fácil com a imprensa e cresceu sob o impacto da intrusão da mídia na vida pessoal de sua mãe, a princesa Diana.

"Parte disso o público não tem visto - como as batalhas legais para impedir a publicação de histórias difamatórias; a luta da sua mãe para passar pelos fotógrafos e chegar à porta de casa; as tentativas de repórteres e fotógrafos de entrar ilegalmente na casa dela e os consequentes telefonemas para a polícia; as grandes quantias oferecidas pelos jornais ao ex-namorado dela; o bombardeio de quase todos os amigos, colegas de trabalho e entes queridos na sua vida".

'Desabafo sincero'

Para Nicholas Witchell, repórter da BBC especializado em assuntos da monarquia britânica, o apelo do príncipe deverá ser respeitado no Reino Unido, mas não em outros países, já que esse é um tipo de notícia que também pode ser financeiramente lucrativa.

Witchell considera que a declaração do Palácio de Kensington parece "ser um desabafo sincero do próprio príncipe Harry e mostra que ele está determinado a proteger este relacionamento depois de ver outras namoradas passarem por situação parecida".

O comunicado diz que Harry está preocupado com a segurança de Meghan Markle e "profundamente frustrado por não ter sido capaz de protegê-la".

'Não se trata de um jogo'

E acrescenta: "Não é correto que depois de poucos meses de relacionamento com ele, Markle seja submetida a tal tempestade".

"O príncipe sabe que muitos vão dizer que esse é 'o preço que ela tem que pagar' e que 'tudo isso é parte do jogo'. Ele discorda veementemente, Não se trata de um jogo - é a vida dela e a dele."