Cinco pessoas são mortas por atirador em aeroporto nos Estados Unidos; suspeito é preso

Ferida é levada para hospital Direito de imagem AP
Image caption Ao menos oito pessoas feridas foram levadas para hospitais da região.

Cinco pessoas foram mortas por um atirador no aeroporto de Fort Lauderdale, na Flórida, segundo autoridades.

O tiroteio ocorreu na área de retirada de bagagens do terminal 2, logo antes das 13h (16h em Brasília).

Além dos cinco mortos, oito pessoas foram feridas, e o suspeito de cometer os crimes foi preso.

Centenas de pessoas acompanharam a movimentação de policiais e médicos envolvidos no socorro.

Autoridades de segurança locais afirmaram que o atirador chegou ao aeroporto em um voo vindo do Alasca. A arma estava na bagagem despachada.

"Ele retirou sua bagagem, pegou a arma e foi para o banheiro a fim de carregá-la. Saiu então atirando nas pessoas na área de devolução de bagagens", escreveu no Facebook um dos policiais responsáveis pelo caso, Chip LaMarca

Uma das primeiras informações sobre o caso vieram do ex-secretário de imprensa da Casa Branca Ari Fleisher, que afirmou no Twitter: "Estou no aeroporto de Fort Lauderdale. Tiros foram disparados. Todos estão correndo".

Direito de imagem PBS

"Estamos investigando todas as possibilidades. Não descartamos a relação com o terrorismo, estamos perseguindo todos os ângulos para entender qual foi a motivação que ele teve para o ataque", explicou o agente do FBI George Piro aos jornalistas.

Suspeito preso

Segundo a polícia, um homem foi preso como principal suspeito de ser o autor dos disparos. Ele se chama Esteban Santiago, teria 26 anos e seria veterano de guerra do Iraque, de acordo com as informações oficiais.

Ele foi rendido pela polícia quando sua munição acabou, conforme relataram testemunhas. Uma delas, John Schlicher, disse a uma TV americana que o atirador era "um homem magro" e estaria usando uma camiseta do filme Guerra nas Estrelas.

Direito de imagem EVN
Image caption Suspeito teria servido o Exército americano no Iraque

O suspeito seria um antigo membro da Guarda Nacional de Porto Rico e do Alasca e serviu o Exército americano no Iraque de abril de 2010 a fevereiro de 2011 - ele finalizou seus serviços militares em agosto de 2016, segundo o Pentágono.

Piro contou que Santiago havia aparecido no FBI em sua cidade de origem, Anchorage, no Alasca, em novembro passado com um comportamento estranho. Os agentes o ecaminharam, então, para uma clínica médica para avaliação mental.

Um oficial disse à agência de notícias AP que Santiago teria dito ao FBI naquela época que o governo americano estava controlando sua mente e o obrigando a assistir a vídeos do grupo que se autodenomina Estado Islâmico.

Trump

Voos destinados ao aeroporto de Fort Lauderdale foram desviados e as decolagens foram suspensas.

O presidente eleito Donald Trump afirmou no Twitter que está "monitorando a terrível situação na Flórida". Ele disse também que falou com o governador da Flórida.

"Meus sentimentos e orações a todos. Fiquem bem!", escreveu ele.

Fort Lauderdale é um movimentado centro de turismo próximo de Miami.