Israel acusa Hamas de usar fotos de mulheres para 'seduzir' e hackear celulares de seus soldados

Foto usada por supostos hackers Direito de imagem Forças de Defesa de Israel
Image caption Israel acusou o Hamas de tentar invadir celulares de seus soldados fingindo ser mulheres

Autoridades militares israelenses afirmaram ter descoberto um golpe de militantes do Hamas para invadir telefones celulares de soldados de Israel.

Eles adotariam identidades de mulheres para fazer amizade e depois levar os militares a baixarem, sem saber, um aplicativo espião.

Dezenas de soldados foram convencidos a instalar o aplicativo, que controlava as câmeras e microfones do telefone.

Segundo um porta-voz das forças de defesa de Israel, o Hamas não conseguiu ter acesso a segredos de maior importância.

Ele disse ainda que a maioria dos militares enganados era de baixas patentes. Os hackers estariam interessados em obter informações sobre manobras militares, forças e armamentos israelenses na Faixa de Gaza.

Autoridades israelenses também disseram que as fotos usadas no esquema eram de mulheres reais. As imagens foram retiradas sem autorização dos perfis delas em mídias sociais.

Direito de imagem Forças de Defesa de Israel
Image caption Os soldados recebiam um link para baixar um suposto aplicativo de conversas

O porta-voz israelense, que não teve o nome revelado, apresentou à imprensa algumas das fotos usadas e mensagens dos hackers "flertando" com os soldados.

"Um segundo. Vou te enviar uma foto, meu querido", escreveu um hacker em uma das trocas de mensagens.

"OK. Ha-ha", respondeu um soldado logo antes de receber a foto de uma mulher loira.

O hacker então sugeriu que ambos baixassem "um aplicativo simples que nos permitirá ter uma conversa por vídeo".

Quando a vítima baixava o aplicativo, na realidade dava ao hacker o controle de seu smartphone.

As autoridades militares israelenses descobriram a fraude após receberem informações de soldados de que mulheres suspeitas estavam fazendo com que eles instalassem um aplicativo e, em seguida, desaparecendo.

"Isso tinha um grande potencial de causar danos", disse o porta-voz israelense à Associated Press.

"Até agora, o dano foi mínimo. Mas queremos impedir que volte a acontecer."

Até a conclusão desta reportagem, o Hamas não havia comentado as acusações.

Notícias relacionadas