A executiva do ano na China que não tirou nenhum dia de férias em 26 anos

Dong Mingzhu Direito de imagem Getty Images
Image caption Dong Mingzhu está sem férias há 26 anos e costuma dizer que vai descansar no dia em que se aposentar

A última vez que Dong Mingzhu tirou férias foi em 1991. Presidente de uma das maiores empresas da China, ela foi escolhida pela revista Forbes a executiva do ano do país e há 26 anos não sabe o que é ter um dia livre.

Viúva, a executiva de 62 anos comanda a Gree Electric Appliances, maior fabricante de aparelhos de ar condicionado chinesa, com valor de mercado de US$ 22 bilhões (R$ 68,8 bilhões) e 70 mil funcionários.

'Sem alternativa'

Em suas entrevistas, Dong costuma dizer que "não tem outra alternativa" a não ser continuar na Gree por toda a vida.

As declarações demonstram sua devoção pela empresa em que começou como vendedora e que se tornou um gigante. A cada cinco aparelhos de ar condicionados vendidos na China, dois são da Gree Electric.

Direito de imagem AFP
Image caption As metrópoles chinesas têm um ritmo frenético e uma atividade econômica incessante

Mas a executiva reconhece que esta dedicação teve impacto na sua vida pessoal.

Dong contou à TV chinesa que nunca assistiu às formaturas do filho, desde os primeiros anos na escola até a universidade.

"Para que o mundo seja um lugar melhor, um pequeno grupo de pessoas tem que fazer sacrifícios", declarou na ocasião.

Descanso garantido

Os trabalhadores chineses têm direito a férias. Segundo o site Chinalawblog.com, especializado na legislação do país, todos os empregados que trabalham de maneira contínua durante um ano devem ter férias remuneradas.

Direito de imagem AFP
Image caption Férias na praia? Não para a super executiva chinesa, que teve a vida transformada em minissérie na TV estatal

Nos primeiros 10 anos de serviço, o funcionário chinês tem direito a cinco dias de férias por ano. O período aumentará gradualmente e chega a até 15 dias anuais para quem estiver há 20 anos ou mais na empresa.

É um período maior do que o previsto nos Estados Unidos, por exemplo, onde a lei federal não garante o direito a férias remuneradas - embora a grande maioria das empresas ofereça dias livres aos seus empregados.

Potência turística

A China vem emergindo como potência global no setor turístico na medida em que seus cidadãos têm uma renda maior e mais tempo disponível para as atividades recreativas dentro e fora do país.

Basta recordar que em maio do ano passado, o grupo chinês Tiens - de biotecnologia e produtos para a saúde - foi notícia na China ao oferecer férias na Espanha para 2.500 dos seus 10 mil funcionários.

Direito de imagem AFP
Image caption O aumento da renda do trabalhador chinês tem contribuído para o crescimento da indústria do turismo no país: em junho do ano passado, a Disney inaugurou seu primeiro parque temático em Xangai

De acordo com o jornal britânico The Guardian, o bilionário chinês Li Jinyuan, dono do grupo Tiens gastou o equivalente a US$ 8 milhões (R$ 25 milhões) do próprio bolso para levar os funcionários para passear na Espanha.

A empresa fretou 20 aviões e reservou 1.650 quartos de hotel.

Em 2015, Li Jinyuan havia levado outros 6.400 funcionários para a França.

Mas a executiva Dong Mingzhu está convencida de que o sacrifício da sua vida pessoal se justifica para garantir o bem-estar dos seus milhares de funcionários.

Ela costuma dizer que terá muito tempo para descansar quando se aposentar.