Médica é acusada de mutilação genital de meninas e pode pegar prisão perpétua nos EUA

Jumana Nagarwala

Crédito, Hospital Henry Ford

Legenda da foto,

Segundo autoridades dos Estados Unidos, Jumana Nagarwala mutilou a genitália de crianças entre seis e oito anos de idade

Uma médica de Detroit está sendo acusada de mutilação genital feminina em casos que envolveriam garotas entre seis e oitos anos de idade nos Estados Unidos.

Jumana Nagarwala teria cometido o crime por 12 anos consecutivos e começou a ser investigada depois que a polícia recebeu um alerta sobre ela.

Se for considerada culpada, Nagarwala poderá ser condenada à prisão perpétua.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) define mutilação genital feminina (MGF) como "todos os procedimentos que, de forma intencional ou por motivos médicos, alteram ou lesionam a genitália feminina".

A prática, que é particularmente comum em 30 países da África, do Oriente Médio e da Ásia por motivos religiosos, foi declarada ilegal nos Estados Unidos em 1996.

'Forma brutal de violência'

A imprensa local divulgou que, em uma entrevista voluntária com investigadores no início da semana, Nagarwala negou ter praticado qualquer procedimento que envolva mutilação genital feminina.

Mas as autoridades a acusam de ter executado "terríveis atos de brutalidade nas vítimas mais vulneráveis".

Segundo a polícia, algumas das suas pacientes chegaram ao seu consultório de fora do Estado de Michigan e receberam instruções para não falar sobre os procedimentos.

"A mutilação genital feminina é uma forma especialmente brutal de violência contra mulheres e meninas. Também é um crime federal muito grave nos Estados Unidos", disse o promotor Daniel Lemisch.

Crédito, AFP

Legenda da foto,

Segundo a ONU, metade dos casos de mutilação genital feminina do mundo estão em Egito, Etiópia e Indonésia

Pule Podcast e continue lendo
Podcast
As Estranhas Origens das Guerras Culturais

Adaptação de premiado podcast da BBC ‘Things Fell Apart’, de Jon Ronson.

Episódios

Fim do Podcast

"Esta prática não tem lugar na sociedade moderna, e quem praticar isso em menores de idade vai ter que responder à lei federal", acrescentou.

O primeiro caso conhecido de mutilação genital feminina nos Estados Unidos veio à tona em 2006, quando um imigrante etíope foi condenado a 10 anos de prisão por lesão corporal qualificada e crueldade contra criança por ter mutilado sua própria filha com tesouras cinco anos antes.

Mas Shelby Quast, diretora da ONG Equality nos Estados Unidos, disse à agência de notícias AFP que Nagarwala é "sem dúvida a primeira médica acusada por essa prática nos Estados Unidos".

Em 2012, as autoridades americanas disseram que mais de 500 mil meninas e mulheres do país haviam sido vítimas de mutilação genital ou estavam sob o risco de se tornarem vítimas.

Segundo a ONU, aproximadamente 200 milhões de meninas e mulheres em todo o mundo foram vítimas de mutilação genital feminina - a metade delas no Egito, na Etiópia e na Indonésia.