Estado Islâmico perde Deir al-Zour, seu último grande reduto na Síria
A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

Estado Islâmico perde Deir al-Zour, seu último grande reduto na Síria

O Exército sírio anunciou a retomada do último grande reduto do Estado Islâmico no país, Deir al-Zour.

Em comunicado exibido na TV estatal do país, o governo de Bashar al-Assad disse que “a cidade está completamente liberada dos terroristas”.

Deir al-Zour foi tomada pelo grupo em 2014 e era importante por fazer fronteira com o Iraque. Era por ali que os extremistas enviavam de um país para outro combatentes e armas.

A perda de controle de Deir al-Zour acontece menos de um mês após outro revés para os extremistas, a retomada de Raqqa.

Segunda cidade mais populosa da Síria, Raqqa fora tomada pelo EI em 2014. E virou a sede do autoproclamado califado do grupo, com a população sendo obrigada a adotar uma interpretação rigorosa do islã. As punições para quem não seguisse as regras eram a decapitação e a crucifixação.

Em Deir al-Zour, os combates entre o Estado Islâmico, as milícias sírias apoiadas pelos Estados Unidos e o Exército do país obrigaram mais de 350 mil pessoas a deixar suas casas e ir para o deserto, gerando uma crise humanitária.

Um desses deslocados foi ouvido pela BBC e disse que se a situação continuar assim por mais dois dias, muitas pessoas irão morrer. “A gente preferia ser morto em um ataque aéreo ou pelo Estado Islâmico do que ficar aqui”, declarou.

Território

Em junho, um estudo da consultoria IHS Markit, de Londres, apontou que o Estado Islâmico já havia perdido 60% de seu território na Síria e no Iraque, passando de 90 mil Km² em janeiro de 2015 para 36 mil Km².

Além de Raqqa e Deir al-Zour, na Síria, o EI também tem perdido territórios no Iraque, combatido pelas forças daquele país.

A coalizão liderada pelos Estados Unidos no Iraque diz que o EI perdeu 95% do território que já manteve no país. E que já libertou mais de 4 milhões de pessoas.

Mesmo assim, o Estado Islâmico ainda oferece perigo, segundo o correspondente da BBC Paul Adams. “O EI ainda não foi derrotado. O sonho de um califado ou Estado islâmico acabou, mas o grupo ainda pode provocar estragos”, afirma. Ele destaca que o EI, além de continuar presente na Síria e no Iraque, está no Afeganistão, na Líbia e no Iêmen, além de ter seguidores espalhados pelo mundo.