Polícia italiana desmantela seita macrobiótica que escravizava fiéis

Arroz integral Direito de imagem Getty Images
Image caption Seita que pregava o consumo de menos alimentos de origem animal é investigada por escravizar seus fiéis

A Polícia da Itália diz ter desmantelado uma "seita psicótica", que escravizava seus seguidores, forçando-os a aderir a uma rigorosa dieta macrobiótica e a se isolar do mundo exterior. Cinco pessoas são investigadas por diversos crimes envolvendo a seita, como maus-tratos e evasão de impostos.

Entre os suspeitos, está o empresário e fundador do grupo, o magnata Mario Pianesi. Ele é acusado de manipular seguidores da dieta que criou. Pianesi teria dito a eles que a "Ma-Pi", nome dado ao regime alimentar rigoroso que ele criou, proporcionaria curas milagrosas.

A investigação começou em 2013, depois de uma jovem deixar a seita e denunciar seu idealizador à polícia. Foi descoberto que, além de ter que pagar pela dieta e fazer doações, os membros eram coagidos a trabalhar longas horas sem receber praticamente nenhum pagamento.

Pianesi, um famoso empresário do ramo da macrobiótica na Itália, é conhecido por fazer longos discursos defendendo a doutrina de sua dieta. A Polícia diz que ele realizava lavagem cerebral em seus seguidores.

Direito de imagem Getty Images
Image caption Investigações apontam que seita era organização criminosa; magnata suspeito não comentou as acusações

Uma mulher chegou a pesar apenas 35 kg como resultado da adesão ao seu regime rígido, segundo a imprensa local.

Investigadores disseram que líderes da seita manipularam pessoas com problemas de saúde mental, persuadindo-as a se afastarem da medicina tradicional. As alegações da acusação são de que a seita era uma organização criminosa com o objetivo de conduzir pessoas à escravidão. O acusado não respondeu publicamente.

O que é a dieta macrobiótica?

Desenvolvida na década de 1920 pelo filósofo japonês George Ohsawa, a dieta estabelece a redução do consumo de produtos de origem animal e preconiza o consumo de alimentos orgânicos, cultivados localmente e sazonais. Ohsawa baseou-se em conceitos do budismo para formulá-la.

Alguns adeptos só comem grãos integrais, derivados do feijão, além de frutas e vegetais frescos. Outros têm uma abordagem mais relaxada e comem pequenas quantidades de carne, peixe e oleaginosas.

A dieta macrobiótica também inclui recomendações de estilo de vida, como apenas comer quando estiver com fome e beber só quando tiver sede, além de evitar o preparo dos alimentos em fornos de microondas e fogões elétricos. Bebidas aromatizadas, com cafeína ou alcoólicas devem ser evitadas.

Partidários da dieta defendem que ela pode ajudar a tratar ou curar câncer. No entanto, a Cancer Research UK, ONG britânica dedicada ao combate da doença, afirma não haver evidências disso.

Notícias relacionadas