4 coisas da cultura pop brasileira que viraram hit na Rússia da Copa

Cena de Escrava Isaura, com Lucélia Santos e Haroldo de Oliveira Direito de imagem Acervo TV Globo
Image caption Cena de 'Escrava Isaura', com Lucélia Santos e Haroldo de Oliveira: palavra 'fazenda' entrou ao dicionário russo graças à novela

A distância geográfica e cultural dificulta que personagens da cultura da Rússia cheguem ao Brasil para além dos clássicos – como as obras de Dostoiévski e Tolstói, por exemplo –, mas a Copa de 2018 joga luz sobre diversos aspectos culturais e sociais do país-sede da competição.

E quanto ao sentido contrário? Quais são os produtos culturais do Brasil que fazem ou fizeram sucesso na Rússia?

A BBC News Brasil conversou com pessoas familizarizadas com a vida cultural na Rússia para descobrir:

1. Novelas

Novelas brasileiras são uma das principais fontes de conhecimento dos russos sobre o Brasil, e uma delas em particular cativou a população a ponto de impactar a política e a vida social da Rússia: Escrava Isaura (1976-77).

Transmitida na URSS nos anos 1980, em pleno regime soviético, a novela fazia as famílias se sentarem juntas ao redor da TV para assistirem à história da escrava branca que se torna propriedade de um homem mau-caráter.

Direito de imagem Acervo TV Globo
Image caption 'O Clone' foi reprisada diversas vezes e fez elenco global ficar conhecido na Rússia

"A novela mostrava uma vida totalmente diferente da que tínhamos na época", conta Snizhana Maznova, ucraniana que passou parte de sua infância na Rússia soviética e mora no Brasil desde 2006, onde fundou o Clube Eslavo, de ensino de idiomas eslavos.

"No regime soviético, todos éramos iguais, então olhávamos para a novela e pensávamos: 'como assim, eles têm uma outra pessoa (um escravo) para arrumar seu guarda-roupa?'. Era como um conto de fadas, e deixou uma imagem do Brasil como um país exótico, com casas coloridas. Na União Soviética, as casas eram todas iguais."

Escrava Isaura foi tão famosa que, no dia da transmissão do último capítulo, o Parlamento russo terminou sua sessão mais cedo, segundo contou à BBC News Brasil em 2003 o russo Anatoli Sostanov, então consultor na área de TV internacional.

Outra curiosidade é que, graças a Escrava Isaura, a palavra "fazenda" entrou para o dicionário russo. O próprio conceito de espaço rural que abrigava uma família rica causava estranheza entre os soviéticos, explica Maznova. "Na época soviética, só tínhamos fazenda coletiva, não havia propriedade privada."

Direito de imagem Mostra de Cinema Brasileiro na Rússia
Image caption Abertura da Mostra de Cinema Brasileiro na Rússia: cultura noveleira atraiu espectadores russos para filmes do Brasil

A novela acabou abrindo espaço para outros folhetins brasileiros. Um exemplo é que "entre 1999 e 2001, houve 17 novelas brasileiras sendo transmitidas por emissoras russas", diz o livro Russian Television Today.

Foi pouco depois desse intervalo que mais um grande fenômeno de audiência cativou os russos: O Clone, de Gloria Perez, que acabou sendo reprisada diversas vezes no país e deu fama ao elenco global.

Tanto que a atriz Letícia Sabatella (que interpretava Latiffa) foi parada nas ruas de Moscou anos depois, ao visitar a cidade para a Mostra de Cinema Brasileiro na Rússia, conta Fernanda Bulhões, organizadora do festival. "Ela estava toda coberta por causa do frio de -5º, mas mesmo assim foi reconhecida por fãs", diz.

2. Na música, da lambada a 'Mikail Tela'

Quando um guarda de trânsito parou a estudante de Medicina Cauana Cristina de Souza nas ruas de Kursk, a 500 km de Moscou, se entusiasmou ao ver que ela tinha nacionalidade brasileira.

"Ele começou a falar do 'Mikail Tela' e eu demorei para entender, até ele começar a cantar e dançar", conta Cauana, que mora há 5 anos e meio na Rússia.

O policial estava cantando Ai Se Eu te Pego, de Michel Teló, que virou febre no país (assim como em toda a Europa) ao ser lançada em 2011. Ali, a música é conhecida como 'Nosa Nosa'. O cantor sertanejo chegou a fazer um disputado show em Moscou em 2012.

Direito de imagem Ângelo Pontes / Agecom
Image caption 'Ai Se Eu te Pego', de Michel Teló, é conhecida na Rússia como 'Nosa Nosa' - e costuma tocar bastante nas rádios

Cauana conta que escuta a música com frequência nas rádios russas, assim como Tchê Tchê Rere, de Gusttavo Lima.

Antes disso, as músicas brasileiras que "pegaram" em solo russo eram de axé e lambada.

Fabricio Carraro, autor de um podcast sobre o idioma russo, diz que sua ex-mulher russa comentava que Chorando Se Foi, do Kaoma, era escutada com frequência nas rádios de seu país.

E o hit Tic, Tic Tac, do Carrapicho, fez tanto sucesso por lá que foi regravado em russo pelo cantor Murat Nasyrov, que adaptou o refrão para "O garoto quer ir a Tambov".

3. Na literatura, um 'tornado tropical'

Um escritor brasileiro em especial provocou furor na Rússia: Jorge Amado.

"Como um tornado tropical, a vida desconhecida e misteriosa de um distante Novo Mundo caiu sobre nós, tirando o nosso fôlego com suas tempestades e paixões", dizia artigo sobre Amado da filóloga e pesquisadora de literatura latino-americana Vera Kuteishchikova, publicado em 1982 (ano do 70º aniversário do escritor baiano) no influente semanário de cultura Literaturnaia Gazeta.

Direito de imagem Reprodução
Image caption Capa de 'Dona Flor e Seus Dois Maridos' em russo

A "alegria de viver" na obra de Amado era um a coisa "estranha à literatura russa", escreveu em ensaio a tradutora e pesquisadora Elena Beliakova.

Ela identificou que o primeiro livro do baiano a ser publicado foi São Jorge de Ilhéus, lançado em 1948, cinco anos antes da morte de Stálin. Mas foi Dona Flor e Seus Dois Maridos que acabou sendo o livro de Amado mais vendido na antiga URSS.

Hoje, porém, ele disputa a popularidade como escritor brasileiro com Paulo Coelho.

"Coelho é muito famoso na Europa em geral e vários russos já me disseram terem lido O Alquimista", conta Fabricio Carraro.

4. No cinema, da Bahia a Copacabana

A Mostra de Cinema Brasileiro na Rússia, que fará neste ano sua 11ª edição, costuma lotar salas de exibição em Moscou e virou um evento importante no calendário cultural do país, explica Fernanda Bulhões.

"As estreias costumam ter cerca de mil pessoas, e é um evento muito expressivo em comparação até a festivais de cinema europeu no país", diz a organizadora. E mais de 95% do público são os próprios russos. "Acho que (esse interesse) vem do imaginário russo sobre o Brasil, de praia e calor, da cultura de assistir novela. Filmes com atores globais são sucesso na certa."

Entre os filmes que tiveram público expressivo no festival, segundo Bulhões, estão Nise - O Coração da Loucura (Roberto Berliner, 2015); Deus é Brasileiro (Cacá Diegues, 2003) e, por motivos bem particulares, Copacabana (Carla Camurati, 2001) e Capitães de Areia (Cecília Amado, 2011).

No caso de Capitães, o motivo de sucesso é que muitos russos já conheciam a história, e não pelo livro de Jorge Amado, e sim por um filme homônimo rodado na Bahia em 1969 e estrelado por atores americanos. Quando chegou aos cinemas soviéticos, em 1973, o filme foi assistido por cerca de 43 milhões de pessoas e deixou profundas marcas em toda uma geração de russos.

Já o interesse por Copacabana remete a um personagem popular da literatura russa, Ostap Bender, que no livro 12 Cadeiras dizia sonhar em "passear pelas praias" do Rio de Janeiro "vestindo uma calça e um chapéu branco".

"Quando conheci minha ex-mulher russa, ela me perguntou se eu usava calças brancas (por causa do personagem)", conta Carraro.

*Colaborou Thomas Pappon, da BBC Brasil em Londres

Notícias relacionadas