Aldeões na Indonésia matam quase 300 crocodilos para 'vingar' morte de morador

Crocodilos na Indonésia Direito de imagem Getty Images
Image caption As leis da Indonésia proíbem a matança de espécies protegidas, como os crocodilos

Atenção: esta reportagem traz imagens que pode ser perturbadoras.

Uma matança de animais provocou indignação e repulsa na Indonésia nos últimos dias.

Uma multidão armada com facas, cutelos, foices e machados se atirou à uma caçada que resultou na morte de quase 300 crocodilos numa reserva ambiental da província da Papua Ocidental.

O massacre foi motivado pela morte de um morador local - a população acredita que ele tenha sido atacado por um crocodilo.

A polícia local disse que não conseguiu impedir a matança por causa do grande número de caçadores.

É provável que as pessoas envolvidas sejam denunciadas pelas autoridades locais. A lei indonésia proíbe a matança de espécies protegidas, e a caça pode resultar em multas e até prisão.

Crocodilos ensanguentados

Direito de imagem Reuters
Image caption O local onde os animais foram mortos possui licença do governo para criar os crocodilos

O homem foi morto na manhã da última sexta-feira enquanto colhia vegetais. A área onde ele estava trabalhando era uma granja e santuário de crocodilos.

"Um empregado do santuário escutou gritos. Foi até o local e viu um crocodilo atacando alguém", disse o diretor da Agência de Conservação de Recursos Naturais da Indonésia responsável pela província de Papua Ocidental.

Direito de imagem Getty Images
Image caption Segundo as autoridades locais, o número de crocodilos mortos é de 292

Logo depois do funeral da vítima, cerca de 600 pessoas enfurecidas se dirigiram à granja-santuário.

As imagens correram o mundo. Amontoados no chão, centenas de crocodilos ensanguentados jazem diante do olhar de curiosos.

Numa das fotos, um dos caçadores aparece golpeando o crocodilo na cabeça com um machado.

Direito de imagem Getty Images
Image caption Cerca de 600 pessoas se juntaram para 'vingar' a morte de morador

Segundo a imprensa local da Indonésia, foram 292 animais mortos.

A granja-santuário onde ocorreram os crimes possui uma licença do governo indonésio para criar e preservar os crocodilos de água salgada da Nova Guiné.

Tópicos relacionados

Notícias relacionadas