Brasil se unirá a China e Índia para criticar protecionismo de Trump?

Bandeiras dos países pertencentes ao bloco dos BRICS: Brasil, Índia, China, África do Sul e Rússia Direito de imagem Getty Images
Image caption Brics se encontrarão em sua décima cúpula, onde protecionismo poderá ser tema central

O avanço de medidas protecionistas que dificultam o comércio internacional deverá ser o tema dominante na reunião de cúpula dos países do grupo Brics - Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul - que começa nesta quinta-feira em Johanesburgo, África do Sul.

Na ponta deste avanço está o governo americano. Ao criar taxas de importação para vários produtos - como aço, alumínio, e bens industriais - o governo do presidente Donald Trump contrariou até parceiros próximos aos EUA, como Canadá e México. Além disso, Trump tem apostado na estratégia de costurar apoios bilaterais em detrimento de acordos entre blocos, multilaterais.

Acredita-se que o presidente chinês, Xi Jinping, e o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, serão os mais empenhados em colocar o tema na mesa e discutir uma resposta do bloco ao chamado isolacionismo americano.

Os EUA são o maior parceiro comercial da China e o maior destino de exportações da Índia.

O ministro de Comércio e Indústria da África do Sul, Rob Davies, disse que nesta quinta-feira que já está em curso uma "guerra comercial".

"Mesmo quem não está diretamente envolvido está sofrendo os efeitos colaterais dessa guerra", afirmou.

Segundo ele, uma das estratégias dos Brics para contrapor a queda do multilateralismo no comércio é ter uma posição conjunta em discussões da Organização Mundial do Comércio (OMC) e tentar propor políticas mais inclusivas nas regras de comércio internacional.

Por enquanto, as indicações são de que o presidente brasileiro, Michel Temer, deve apoiar uma declaração de viés antiprotecionista - mas é pouco provável que esta venha a citar, diretamente, os EUA.

Brics se unem contra o protecionismo

Este será a décimo encontro dos Brics - termo cunhado há 17 anos para reunir os países emergentes mais promissores na época: Brasil, Rússia, Índia e China. A África do Sul foi incluida ao grupo em 2010.

Juntos, os Brics respondem por 22,53% do PIB do planeta e reúnem 42,58% da população mundial.

A primeira reunião do bloco foi em 2009, na Rússia, quando o mundo ainda lidava com a grave crise econômica iniciada em 2008.

A relevância do grupo tem sido questionada pelas diferenças ideológicas entre seus regimes – a China, por exemplo, é comunista –, e os desempenhos diferenciados de suas economias, o que poderia dificultar sua cooperação e dar menos relevância a decisões do grupo.

Brasil e África do Sul estão estagnados e enfrentando crises políticas e a Rússia tem estado em campos opostos aos Estados Unidos e à União Europeia em temas como Crimeia e guerra da Síria - além de ser acusada de ter interferido nas eleições americanas e de estar por trás do envenenamento de um ex-espião duplo no Reino Unido.

Direito de imagem Reuters
Image caption Trump tem criado medidas protecionistas que atingem até aliados próximos dos EUA, como o Canadá

Mesmo assim, nos últimos dez anos, os Brics consolidaram a sigla com a defesa de interesses comuns, a institucionalização de um Conselho Empresarial e a criação de um banco de desenvolvimento próprio.

"Essa coalizão permite que os países ampliem o alcance de sua política externa, principalmente através do arcabouço institucional, se tornando mais do que a soma de suas partes", afirma Adriana Erthal Abdenur, pesquisadora do Instituto Igarapé e consultora do Departamento de Assuntos Sociais e Econômico da ONU.

Além disso, diz a especialista, o foco pragmático no desenvolvimento econômico - que interessa a todos - facilita o diálogo.

Hoje, os países mais poderosos do bloco são a Índia, que não para de crescer, e a China, a segunda maior economia do mundo, segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI).

Mas apesar de enorme peso econômico e político da China, especialistas avaliam que o país não tem interesse em dominar totalmente o grupo.

"A China está ciente que, se fizer isso, perde totalmente o caráter de coalização e não é interesse deles que os Brics sejam vistos como um grupo de influência da China", diz Abdenur.

O que Temer fará nos Brics

Direito de imagem Agência Brasil
Image caption Temer deve anunciar nesta quarta-feira, quando chega à África do Sul, com quais presidentes vai se encontrar individualmente

O presidente Michel Temer chega à África do Sul nesta quarta. O Brasil também é afetado pela imposição de taxas de importação pelos EUA e deve engrossar o coro contra o protecionismo.

Os EUA são atualmente o terceiro maior parceiro comercial do Brasil, atrás de China e União Europeia, segundo o Ministério das Relações Exteriores. Um dos setores mais atingidos pelas taxas americanas é a indústria siderúrgica: cerca de 40% do aço brasileiro é exportado para o país.

Temer afirmou nesta semana que tanto sua viagem para a África do Sul quanto ao México - onde esteve antes de viajar a Johanesburgo - têm o objetivo de "empunhar a bandeira do livre comércio e do entendimento".

Uma reunião de representantes do comércio exterior dos Brics na África do Sul, no início do mês, e o encontro de Ministros da Fazenda durante o G20, em Buenos Aires, já pavimentaram o caminho.

Segundo uma fonte do governo, a declaração final da cúpula deve defender o livre mercado e condenar o aumento do protecionismo. É improvável, no entanto, que os EUA sejam citados diretamente.

"Isso poderia gerar uma reação negativa e até desproporcional dos EUA", explica a pesquisadora Adriana Erthal Abdenur.

"Embora as declarações conjuntas sempre façam referência a contextos específicos, faz parte do histórico do grupo não citar países ou políticas individuais no texto", afirma.

Direito de imagem Getty Images
Image caption 'A coalização permite que os países ampliem o alcance de sua política externa', explica a pesquisadora Adriana Erthal Abdenur

Outro objetivo do encontro é aprofundar a integração econômica entre os países do bloco, consolidar as instituições criadas, como o Novo Banco e Desenvolvimento, e aprofundar suas iniciativas na África do Sul e nos países do entorno - Angola e Moçambique estão entre as nações observadoras neste ano.

O encontro deve começar com um jantar em homenagem aos chefes de Estado nesta quarta. A principal reunião, no dia 26, deve tratar também do papel do bloco "no fortalecimento da paz e segurança mundiais" e do "multilateralismo e governaça globais".

Nesse dia, devem começar também as reuniões bilaterais entre os países - Temer deve anunciar nesta quarta com quais presidentes se encontrará individualmente.

Putin e o protecionismo americano

Apesar da aparente boa relação com Trump, o presidente russo, Vladimir Putin, este deve apoiar os outros países dos Brics nas críticas ao protecionismo.

Putin já tem feito críticas à "escalada do protecionismo" e seu país já deixou claro que, se for prejudicado, pretende retaliar.

Falando sobre a guerra comercial entre China e EUA, o porta-voz da presidência, Dimitri Peskov, disse que espera "consequências em setores específicos da economia global" e que "a Rússia está e vai continuar tomando as medidas necessárias para proteger seus próprios interesses".

Ainda não está claro se Temer se encontrará com Putin ou se serão anunciadas novidades em relação aos acordos do Brasil assinados com a Rússia no ano passado.

O encontro de Putin com Temer na Rússia em 2017 tratou de assuntos como cooperação tecnológica na área nuclear e resolveu um mal-estar causado pela cúpula dos Brics em 2016: pouco depois de tomar posse, Temer foi o único presidente não recebido por Putin em um encontro individual.

Notícias relacionadas