O que está em jogo na discussão sobre o aborto na Argentina, votado pelo Senado nesta quarta

Mulher em protesto pela descriminalização do aborto Direito de imagem AFP
Image caption Nenhum assunto causou tanta polêmica na Argentina desde a aprovação do casamento gay em 2010

Nesta quarta, o Senado da Argentina vai votar um dos projetos de Lei que mais dividiu o país na última década: a descriminalização do aborto.

Nenhum tema polarizou tanto os argentinos desde a aprovação do casamento gay em 2010.

Segundo as pesquisas de opinião, a legislação que permite a interrupção voluntária da gravidez é apoiada pela maioria. Uma pesquisa de março, por exemplo, apontava que 59% dos argentinos aprovavam a descriminalização do aborto. A pesquisa foi feita pelo Centro de Estudos de Estado e Sociedade (Cedes) e pela Anistia Internacional Argentina.

Mas o ponto de vista oposto também é muito defendido. E ninguém permanece alheio ao tema, especialmente depois que a Câmara dos Deputados aprovou o projeto em junho, depois de um debate que durou 23 horas e terminou com uma diferença de somente quatro votos a favor.

É esperado que o debate no Senado seja igualmente disputado, embora os prognósticos atuais sejam de que haja uma maioria de votos contrários ao projeto de descriminalização.

Mas se essas previsões não se concretizarem e o projeto for aprovado, o que ele vai significar na prática?

O que a legislação atual diz sobre aborto na Argentina?

A interrupção voluntária da gravidez é crime na Argentina desde 1886, quando o primeiro Código Penal do país passou a vigorar.

Todas as hipóteses de aborto voluntário permaneceram ilegais até 1921, quando o aborto passou a ser permitido em caso de perigo à vida ou à saúde da mulher e quando a gravidez é resultado de um estupro de uma mulher "com demência ou retardo mental".

Foi preciso quase um século para que o aborto em caso de estupro passasse a ser permitido independentemente da capacidade intelectual da mulher. Isso só foi autorizado no país em 2012, por decisão da Suprema Corte argentina.

Direito de imagem La Nacion
Image caption Foto do código penal argentino de 1921

Na decisão, a Suprema Corte determinou que o Estado garanta o acesso das mulheres a abortos em casos permitidos, mas nem todos os hospitais e províncias têm obedecido a decisão.

Em qualquer outro caso de gravidez interrompida voluntariamente, é prevista uma pena de prisão de um a quatro anos.

Desde o fim da Ditadura Militar no país, em 1983, diversos projetos sobre aborto foram apresentados no Congresso, mas nenhum chegou a ser votado até este ano.

Em 2018, a pressão de profissionais da saúde, artistas, sindicatos, movimentos feministas e outros movimentos sociais, organizações políticas e grupos de defesa dos direitos humanos fez com que a proposta entrasse na pauta da Câmara dos Deputados, em uma campanha chamada " Campanha Nacional pelo Direito ao Aborto Legal, Seguro e Gratuito".

Mudanças sobre o aborto no mundo

Atualmente, cerca de 60% da população mundial vive em países onde o aborto é permitido, segundo a ong Center for Reprodutive Rights.

Estão na lista, entre outros, os EUA, o Canadá, a África do Sul, a Austrália, a China, o Japão e praticamente todos os países da Europa, com excessão de Malta e Polônia.

A maior parte da América Latina, no entanto, tem leis mais restritivas quanto ao tema. Os únicos países a permitir a prática sem restrições são o Uruguai e Cuba.

Discussões sobre o assunto e mudanças estão cada vez mais frequentes no mundo.

Chile, por exemplo, mudou sua legislação no ano passado. O aborto era proibido em qualquer circunstância, mas passou a ser permitido em alguns casos, como no de perigo à vida da mãe e de estupro.

Direito de imagem Getty Images
Image caption A Irlanda aprovou em maio uma mudança na legislação para que o aborto não seja mais proibido, com 66% dos irlandeses

A Irlanda também teve mudanças em sua legislação em maio desse ano, quando 66% dos irlandeses votaram pelo fim da restriação à interrupção voluntária da gravidez.

O Brasil está discutindo a questão no Supremo Tribunal Federal (STF), que teve audiências sobre o caso nesta semana.

O que está sendo votado na Argentina

O projeto aprovado na Câmara dos Deputados argentina em junho dá a toda mulher o direito de escolher. Se a legislação for aprovada, será possível interromper a gravidez durante as primeiras 14 semanas de gestação.

Direito de imagem iStock
Image caption A cada ano 66 mil mulheres são hospitalizadas na Argentina por complicações relacionadas ao aborto

A legislação prevê também que o aborto seja realizado em qualquer hospital ou clínica e obriga o Estado a cobrir o custo do procedimento, dos medicamentos e dos tratamentos de apoio necessários.

Esse é um dos pontos mais polêmicos da lei. Os defensores dessa medida advogam que o tratamento precisa ser gratuito pois se trata de um problema de saúde pública. Eles citam os quase 66 mil casos de internações de mulheres por ano devido a abortos malfeitos – estatísticas oficiais do próprio governo.

Mas quem se opõe a essa medida afiirma que a índice de mortes em decorrência de abortos é de cerca de 40 mulheres por ano, bem menor do que outros problemas de saúde feminina não cobertos pelo Estado.

Objeção de consciência

Direito de imagem AFP
Image caption É possível que o Senado aprove o projeto do aborto, mas com uma série de modificações

Outro ponto controverso do projeto é a questão da "objeção de consciência".

O projeto de Lei permite que profissionais de saúde se recusem a realizar abortos se manifestarem "objeção de consciência" previamente e por escrito e se a mulher não estiver precisando de "atenção médica imediata e inadiável".

No entanto, o projeto de lei não permite que um hospital ou clínica como instituição se recuse a realizar a prática, mesmo se for uma instituição religosa.

Isso fez com que um grupo de clínicas e hospitais católicos se unissem para rechaçar a proposta, dizendo que se sentem ameaçados pelo projeto de Lei.

Image caption Diversos centros de saúde argentino dizem que estão ameaçados de fechamento pela lei por se recusarem a fazer o procedimento

Do outro lado, quem defende o direito de escolha da mulher argumenta que, se permitida a "objeção de consciência institucional" é possível que muitas mulheres, em especial as que vivem em regiões com menos estabelecimentos de saúde, não tenham acesso à interrupção da gravidez garantido nas primeiras 14 semanas.

Outro argumento é que um alto número de "objeções de consciência" é um dos motivos pelos quais muitas mulheres que foram estupradas não têm acesso a um aborto seguro, apesar da determinação da Justiça.

Uma lei alternativa

Um dos cenário possíveis é que o Senado aprove a lei, mas com modificações.

O direito à "objeção de consciência institucional" seria um dos pontos a ser acrescentado.

Direito de imagem Getty Images
Image caption A votação no Senado será nesta quarta-feira

Outro ponto seria diminuir o prazo legal para a interrupção da gravidez para 12 semanas. A Câmara aprovou a interrupção até a 14ª semana de gestação.

Se o Senado modificar esses pontos, a lei voltaria à Câmara dos Deputados, onde precisaria ser aprovada novamente com as diferenças.

*com reportagem Veronica Smink, da BBC News Mundo em Buenos Aires