Polícia britânica divulga nome de suspeitos de envenenar ex-espião russo e filha

Alexander Petrov e Ruslan Boshirov
Image caption Alexander Petrov e Ruslan Boshirov teriam usado o agente nervoso Novichok para envenenar ex-espião e a filha

Dois cidadãos russos foram apontados como suspeitos de terem suspeitos de terem envenenado o ex-espião russo Sergei Skripal e sua filha, Yulia, em março deste ano. O ataque ocorreu em Salisbury, na Inglaterra. As vítimas sobreviveram.

Há "provas suficientes" para acusar Alexander Petrov e Ruslan Boshirov pelo ataque, dizem a Scotland Yard - a polícia metropolitana de Londres - e a CPS, sigla para Crown Prosecution Service, ligada ao Ministério Público da Inglaterra e do País de Gales. Skripal, de 66 anos, e sua filha Yulia, de 33 anos, foram envenenados com o agente nervoso Novichok.

Acredita-se que os dois homens acusados do crime sejam oficiais do serviço de inteligência militar da Rússia e que eles estavam usando identidades falsas. A motivação e o possível atual paradeiro deles não foram revelados.

A Rússia tem negado qualquer envolvimento nos envenenamentos. E afirmou, por meio do Ministério das Relações Exteriores, que os nomes e fotografias dos dois "não significam nada para Moscou".

Em declaração feita nesta quarta-feira na Câmara dos Comuns, equivalente à Câmara dos Deputados do Brasil, a primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, ressaltou, no entanto, que o envenenamento "não foi uma operação não autorizada".

Foi , disse ela,"quase certamente" aprovado em um alto escalão do Estado russo.

May afirmou ainda que o governo concluiu, a partir de informações fornecidas por agências britânicas, que os homens faziam parte do serviço de inteligência da GRU, a agência de inteligência das Forças Armadas da Rússia.

Direito de imagem EPA/ Reprodução Facebook
Image caption Sergei Skripal e sua filha Yulia foram envenenados em março, na Inglaterra, e liberados do hospital em maio

Acusações

Sue Hemming, diretora de serviços jurídicos do CPS, afirmou que há provas suficientes "para fornecer uma perspectiva realista de condenação" e que "é claramente de interesse público acusar Alexander Petrov e Ruslan Boshirov".

Segundo ela, o CPS não está pedindo a extradição deles, já que a Rússia não possui acordos de extradição com o Reino Unido, mas foi expedido um mandado de detenção com abragência em toda a União Europeia, caso viajem por esse território.

Os crimes pelos quais estão sendo acusados incluem conspiração para assassinar Sergei Skripal e a tentativa de assassinato dele, de Yulia Skripal e de Nick Bailey, detetive que acabou também envenenado ao atender a ocorrência.

Os homens também teriam cometido delitos pela posse de Novichok, que contraria a Lei de Armas Químicas, e por provocar de forma intencional lesões corporais a Yulia Skripal e Nick Bailey, que permanece afastado do trabalho.

A Polícia Metropolitana disse que os dois chegaram ao aeroporto de Gatwick, em Londres, a partir de Moscou no dia 2 de março.

Eles ficaram no City Stay Hotel em Bow Road, leste de Londres, antes de viajarem para Salisbury em 4 de março, onde teriam contaminado a porta da frente da casa dos Skripal com Novichok.

Os policiais acreditam que um frasco de perfume modificado foi usado para pulverizar a porta.

Direito de imagem Met Police
Image caption Imagens de câmeras de vigilância mostram a chegada dos dois russos no aeroporto de Gatwick, em Londres, no dia 2 de março

Outras vítimas

Meses depois do ataque aos Skripal, um casal britânico foi contaminado com o mesmo agente nervoso, em uma cidade próxima, e foi oficialmente confirmado que há conexão entre os casos.

Charlie Rowley, de 45 anos, e Dawn Sturgess, de 44, passaram mal em uma casa na cidade de Amesbury, localizada em Wiltshire, a 13 km ao norte de Salisbury, onde os Skripal foram vítimas do ataque.

Eles teriam manuseado um frasco de perfume contaminado com restos do Novichok.

A mulher morreu no hospital em 9 de julho. Rowley sobreviveu e teve alta no dia 20 do mesmo mês.

"Nós agora associamos o ataque aos Skripals aos eventos em Amesbury que afetaram Dawn Sturgess e Charlie Rowley", disse o comissário-assistente da Scotland Yard, Neil Basu, chefe do policiamento antiterrorismo do Reino Unido.

"Não acreditamos que Dawn e Charlie tenham sido escolhidos deliberadamente como alvos, mas se tornaram vítimas como resultado da imprudência com a qual um agente nervoso tão tóxico foi descartado".

Direito de imagem Facebook
Image caption Dawn Sturgess e Charlie Rowley foram contaminados com Novichok ao manusear um frasco supostamente de perfume. Ela morreu

Frasco contaminado

A polícia disse que Sturgess e Rowley foram expostos ao Novichok depois de manusear um frasco de perfume, cujo rótulo - falsificado - indicava ser da marca francesa "Nina Ricci".

Rowley disse à polícia que encontrou a caixa contendo o frasco e um aplicador dentro de uma caixa onde são depositados roupas e outros itens doados para a caridade.

Ao tentar juntar as duas partes, ele teve contato com o conteúdo. Sturgess, por sua vez, aplicou o suposto perfume nos pulsos.

A garrafa, cujo pulverizador estava adulterado, continha uma "quantidade significativa" de Novichok, disse a Scotland Yard.

Basu disse: "Ainda não sabemos onde os suspeitos descartaram o Novichok que usaram na porta, onde Dawn e Charlie conseguiram a garrafa que os envenenou, ou se se trata da mesma garrafa usada em ambos os envenenamentos".

Direito de imagem Met Police
Image caption Russos teriam adulterado pequeno frasco de perfume e falsificado o rótulo da embalagem, posteriormente manuseada por casal britânico. O frasco continha uma "quantidade significativa de Novichok", segundo a polícia, que ainda investiga o caso

A reação na Rússia

Programas de TV políticos nos principais canais nacionais controlados pelo governo russo interromperam suas transmissões para comentar as notícias sobre o que chamam de "caso Skripal".

O assunto foi abordado na mídia, como anteriormente, com sarcasmo e descrença nas ações do governo britânico.

"Estamos esperando novas sanções, é claro - com prazer", disse um apresentadores, ao vivo, no canal Rossiya 1.

No Channel One, outro apresentador afirmou que, embora a Grã-Bretanha tenha levado "aproximadamente a metade de um ano" para dar nome aos suspeitos, sanções foram impostas à Rússia muito antes disso.

O ex-espião e a filha foram encontrados inconscientes, em março, no banco de um parque na cidade britânica de Salisbury, após deixarem um restaurante.

Na ocasião, o governo britânico culpou a Rússia e expulsou cerca de cem diplomatas do país da Grã-Bretanha. O governo russo, que negou envolvimento no caso, retaliou, expulsando diplomatas britânicos.

Os Skripal estão agora em um local não revelado.

Tópicos relacionados