A crise econômica da Argentina em 6 gráficos

Peso argentino Direito de imagem Getty Images
Image caption O peso argentino sofreu forte desvalorização nos últimos meses

A Argentina está enfrentando mais uma vez uma crise econômica, com forte desvalorização de sua moeda e inflação crescente.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) concedeu um empréstimo emergencial para o país em junho. A trajetória dos indicadores econômicos, contudo, cada vez mais desenha um cenário de recessão.

Tudo isso acontece em meio a um governo que tomou posse, em dezembro de 2015, visto pelo mercado financeiro como uma nova esperança para a Argentina.

Durante sua campanha, o presidente Mauricio Macri defendeu uma política econômica voltada para o mercado, que daria estabilidade ao país e pavimentaria o caminho para reverter um século de desempenho frustrante.

A BBC analisou seis fatores que ajudaram a impulsionar a crise argentina.

Desvalorização do peso

Tem sido um ano sombrio para a economia argentina e para o peso.

As moedas de praticamente todos os países emergentes têm perdido valor em relação ao dólar no decorrer dos últimos meses, devido ao aumento das taxas de juros nos Estados Unidos.

Isso porque o aperto na política monetária americana torna os títulos públicos do país - que estão entre os mais seguros do mundo - mais lucrativos e estimula investidores em busca de maior retorno e menor risco a transferirem seus recursos para lá.

O peso, contudo, teve queda maior do que qualquer outra moeda neste ano.

Histórico com FMI

Mais uma vez, a Argentina recorreu ao FMI (Fundo Monetário Internacional) para pedir ajuda financeira em meio à crise.

A instituição concordou em emprestar ao país um total de US$ 50 bilhões.

Acionar a organização é um movimento polêmico, especialmente na Argentina - país com um histórico de pedidos de auxílio que remonta ao fim dos anos 1950.

Historicamente, o apoio financeiro vem condicionado à adoção de medidas de austeridade impopulares. Muitos argentinos culparam o FMI por outra grande crise, em 2001.

Finanças públicas desequilibradas

A perda de confiança entre os investidores internacionais reflete as preocupações sobre se o governo vai conseguir cumprir o cronograma de pagamentos da dívida e levantar os recursos necessários para financiar seus gastos.

Quando o presidente Macri assumiu o cargo, no fim de 2015, o déficit nas finanças do governo - quanto gasta a mais do que arrecada - era grande. Ele queria reduzi-lo, mas adotou uma abordagem gradual para a reforma econômica.

Há também um déficit crescente no comércio exterior do país - a rigor, em sua conta corrente, que inclui, além da balança comercial, a balança de serviços e rubricas como as transferências de dividendos empresariais para suas unidades em outros países.

Esse saldo negativo precisa ser financiado por empréstimos ou investimentos estrangeiros, o que é cada vez mais desafiador em um momento em que as taxas de juros dos EUA estão subindo.

O déficit se aprofundou neste ano, deixando a Argentina mais suscetível a qualquer fator que possa deixar os investidores mais propensos a retirar seu dinheiro do país.

Inflação galopante

A inflação persistente, que atingiu 30% recentemente, é outro componente da crise na Argentina. A taxa é uma das mais altas do mundo, embora não seja excepcional na história do país.

A inflação ficou relativamente moderada na primeira década dos anos 2000, mas voltou a subir depois disso.

Esse foi um período em que a economia cresceu de forma mais expressiva, especialmente na saída da crise de 2001-2002.

Depois disso, o desempenho do PIB (Produto Interno Bruto Mas) foi irregular e, mais recentemente, frustrante.

Há cem anos, a Argentina era mais rica do que muitos países da Europa Ocidental, quando considerado o per capita. Atualmente, tem menos da metade dos índices da França, Alemanha e Reino Unido.

Esse movimento de decadência foi descrito como "uma das histórias mais intrigantes dos anais da história econômica moderna".

Aumento das taxas de juros

O Banco Central aumentou de forma acentuada as taxas de juros, em um esforço para estabilizar o peso e controlar a inflação.

No último dia 30 de agosto, elevou a alíquota de 45% para 60%.

Isso é altamente penoso para consumidores e empresas que querem ou precisam pedir dinheiro emprestado.

Mesmo que o socorro financeiro do FMI e as reformas do governo funcionem, parece que a Argentina está, novamente, em um momento turbulento, à medida que busca encontrar um caminho em meio a outra crise econômica.

Notícias relacionadas