O homem que enganou a mulher durante anos dizendo que tinha câncer terminal

David Carroll Direito de imagem Leicester Mercury
Image caption David Carroll (foto) acabou condenado na Justiça pela fraude

"Ele me roubou uma grande parte da minha vida", diz Lucy Witchard. A acusação da britânica é dirigida a seu ex-marido, David Carroll, que fingiu ter leucemia desde que a conheceu, em 2006.

Os dois se casaram em 2011, mas já estão divorciados.

Witchard, hoje com 31 anos, disse que sua mãe deu a Carroll, de 35 anos, cerca de US$ 2,6 mil (quase R$ 10 mil na cotação atual) para que ele se tratasse nos Estados Unidos, depois de ele dizer que seu câncer era terminal.

Na semana passada, Carroll foi condenado pela Justiça britânica a 26 semanas de prisão por fraude, pena que será suspensa caso ele realize 180 horas de trabalho comunitário e pague uma indenização de US$ 2,6 mil.

Além disso, a Justiça ordenou que ele passe um ano sem se aproximar de sua ex-mulher e da mãe dela.

À BBC, Lucy Witchard disse que sua família começou a suspeitar da mentira quando Carroll estava nos EUA: ele parecia estar curtindo férias, em vez de submeter a um tratamento médico.

Ela confrontou o ex-marido quando ele retornou ao Reino Unido, mas ele teria ficado "furioso" e tentado prosseguir com a farsa.

Direito de imagem Aylestone Athletic RFC / Divulgação
Image caption David Carroll admitindo que havia mentido à mulher e que não tinha leucemia

"(Ele) inclusive fez um amigo me ligar, fingindo ser seu médico", diz ela. "Depois desse telefonema, soube que nosso casamento tinha acabado."

Carroll acabou admitindo que havia mentido e que não tinha leucemia.

Witchard disse que se sentiu "incrivelmente ferida e aborrecida", por ele ter "roubado uma grande parte" de sua vida.

Um antigo integrante do time de rúgbi do qual Carroll fazia parte disse à BBC que ele também tinha mentido para a equipe a respeito de seu suposto câncer, e que recebeu doações de alimentos.

Jonathan Hunt, do Aylestone Athletic RFC, conta que "Carroll tinha se proposto o desafio de correr sete maratonas em sete dias. Mas não pôde fazê-lo porque, segundo dizia, sua doença estava piorando".

"E aí o clube organizou dois eventos para arrecadar fundos a fim de ajudar Carroll e outros pacientes de leucemia", disse Hunt.

Tópicos relacionados

Notícias relacionadas