Brexit: Theresa May sobrevive a votação de desconfiança e fica no cargo de premiê britânica

Theresa May Direito de imagem Getty Images
Image caption Diante de votação-chave, primeira-ministra disse iria lutar 'com tudo que tem' para se manter como líder do Partido Conservador

A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, venceu a votação de desconfiança movida no interior de sua própria sigla, o Partido Conservador, por 200 votos a 117.

Isto significa que ela ficará imune a outro desafio do tipo por pelo menos um ano.

Ela venceu com uma margem de 83 votos, com 63% dos deputados conservadores apoiando-a e 37% votando contra ela. Os resultados saíram por volta de 21h20 no horário de Londres (19h20 no Brasil).

O voto foi motivado por cartas de 48 parlamentares de seu partido insatisfeitos com sua condução do Brexit (a saída do Reino Unido da União Europeia), que segundo eles vai de encontro ao desejo da população segundo o referendo de 2016. Se perdessse a votação, ela deixaria a liderança do Partido Conservador e, como consequência, o comando do governo. Nesse cenário, haveria uma eleição entre os membros do partido para escolher um novo líder.

Jacob Rees-Mogg, que liderou o movimento contrário a May no partido, classificou o desenlace como um "resultado terrível para a primeira-ministra" e clamou por sua renúncia.

Em discurso minutos após a vitória, May não deu sinal algum de que pediria para deixar o cargo. Ela pediu união pelo interesse nacional.

"Enquanto sou grata pelo apoio, um número significativo de meus colegas de fato pôs um voto contra mim. Escutei o que eles falaram", disse, caracterizando o dia como "longo e desafiador".

"Depois dessa votação, agora precisamos continuar com este trabalho de entregar o Brexit à população britânica".

A premiê ainda tem muitas batalhas pela frente, e ainda sob o escopo do Brexit. Ela precisa sobretudo fazer com que parlamentares aprovem um acordo de "divórcio" negociado com a União Europeia - mas que tem forte oposição de outros partidos e mesmo de correligionários.

Quais os pontos de atrito com May

O descontentamento de setores do Partido Conservador com os termos do acordo do Brexit negociado por May com líderes europeus foi o principal combustível do pedido de voto de desconfiança. Setores pró-Brexit, particularmente, defendem uma saída mais radical do Reino Unido, com menos garantias, por exemplo, a migrantes europeus que já tenham se estabelecido no país.

E um dos pontos mais controversos das negociações é como lidar com a fronteira entre a Irlanda do Norte, que é território britânico, e a República da Irlanda, país soberano, membro da União Europeia.

A não existência de uma fronteira "rígida" entre os dois territórios, com livre trânsito de pessoas, foi um dos pilares dos acordos que culminaram com o fim de confrontos paramilitares entre Irlanda do Norte e Irlanda.

O problema é que, com o Brexit, a fronteira entre os dois territórios passará a ser, na prática, uma fronteira entre território do Reino Unido e a União Europeia.

Direito de imagem EPA
Image caption Em pronunciamento, Theresa May disse que, se fosse retirada da liderança do partido, negociações para o Brexit seriam interrompidas

O acordo do Brexit negociado por May estabelece uma espécie de "escudo" - uma rede de segurança, chamada em inglês de "backstop" - impedindo que haja rígido controle aduaneiro nessa fronteira, caso um futuro acordo comercial entre União Europeia e Reino Unido demore a ser concebido.

Esse "backstop" prevê que a Irlanda do Norte continuará alinhada a algumas regras aduaneiras do bloco europeu, para dispensar a necessidade de checagem na fronteira com a Irlanda, mas exigirá que alguns produtos vindos do restante do Reino Unido fiquem sujeitos a controles.

O "backstop" também envolverá uma união aduaneira temporária, o que, na prática, mantém a União Europeia e o Reino Unido dentro de um mercado comum - contrariando, para alguns, o princípio básico do Brexit. Esse trecho do acordo é fonte de tensão entre May e parlamentares pró-Brexit de seu próprio partido.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Tópicos relacionados

Notícias relacionadas