Brexit: 4 perguntas para entender por que a fronteira irlandesa é crucial no acordo entre UE e Reino Unido

'Bem-vindo à Irlanda do Norte', diz placa na fronteira Direito de imagem PA
Image caption 'Bem-vindo à Irlanda do Norte', diz placa na fronteira, que hoje é mantida aberta por conta do histórico acordo de entre as Irlandas

"Este é o melhor acordo possível."

A premiê britânica, Theresa May, tem repetido há semanas essa frase na tentativa de convencer o Parlamento de seu país a aprovar o acordo que ela negociou com a União Europeia, estabelecendo os termos do Brexit - o processo de saída do Reino Unido do bloco.

Mas, na segunda-feira, a premiê adiou indefinidamente a votação do acordo no Parlamento, reconhecendo que ele seria rejeitado pela maioria dos parlamentares britânicos. Na quarta-feira, ainda enfrentou um voto de desconfiança de seus pares - ela sobreviveu por 200 votos a seu favor e 117 contra, mas prometeu renunciar à liderança do partido antes das próximas eleições e agora permanece em uma posição enfraquecida para convencê-los a aprovar os termos negociados com a UE.

"Há um amplo apoio a muitos aspectos do tratado. Mas também há oposição", afirmou May, que voltou a se reunir com líderes europeus para transmitir a eles as preocupações dos parlamentares britânicos, em especial aquela ligada ao tema mais espinhoso do acordo: a fronteira entre a República da Irlanda e a Irlanda do Norte.

Saiba, a seguir, por que esse se tornou o ponto mais controverso da saída britânica do bloco europeu:

1. Por que a fronteira é um tema sensível?

O acordo de paz de 1998 que pôs fim a três décadas de sangrentos conflitos entre a República da Irlanda (país independente e membro da UE) e a Irlanda do Norte (parte do Reino Unido) contempla a ausência de barreiras físicas entre os dois lados.

Desde aquele ano, pode-se cruzar a fronteira sem passar por nenhum controle físico. A venda de bens e serviços ocorre com poucas restrições, já que ambos os lados fazem parte do mercado comum europeu e da união aduaneira.

Mas, quando o Brexit se concretizar em 29 de março de 2019 e o Reino Unido deixar de fazer parte da UE, a fronteira entre as duas Irlandas passará a ser, na prática, a fronteira física entre a UE e o Reino Unido.

Direito de imagem Parlamento britânico
Image caption Theresa May foi obrigada a adiar votação do Brexit no Parlamento porque não conseguiu obter maioria para aprovar acordo

As duas Irlandas ficarão sob regimes distintos, o que implica que produtos poderiam ser inspecionados na fronteira - algo que os britânicos não querem, justamente por temerem que checagens na divisa tragam à tona antigas tensões entre irlandeses e norte-irlandeses.

O controle tampouco é desejável sob o ponto de vista da UE, mas o bloco vê dificuldades em evitá-lo a partir do momento em que os britânicos abandonarem o mercado comum e a união aduaneira.

No âmbito político, a Comissão Conjunta Norte-Sul da Irlanda advertiu que eventuais controles fronteiriços advindos do Brexit sinalizam que estará sendo rompido o acordo de paz de 1998.

2. E o que diz o acordo Reino Unido-UE a respeito da fronteira irlandesa?

Embora Londres e Bruxelas tenham acordado, desde o princípio, em não fixar uma fronteira "dura" (ou altamente controlada) na divisa irlandesa, o grande obstáculo foi definir os termos para tal.

A opção foi por uma espécie de "escudo", chamado em inglês de "backstop".

O mecanismo prevê que a Irlanda do Norte continue alinhada a algumas regras aduaneiras da UE, para dispensar a necessidade de checagem na fronteira com a Irlanda, mas exigirá que alguns produtos vindos do restante do Reino Unido sejam sujeitados a controles, para averiguar se cumprem com as normas da UE.

O "backstop" também envolverá uma união aduaneira temporária, o que, na prática, mantém a UE e o Reino Unido dentro de um mercado comum - contrariando, para alguns, o princípio básico do Brexit.

Esse mecanismo acabou se convertendo na principal dor de cabeça nas negociações do Brexit, gerando forte oposição ao acordo.

Direito de imagem Getty Images
Image caption Cartaz de protesto contra o Brexit e mudanças na fronteira irlandesa; temor é que processo de paz seja colocado em risco

3. Por que o "backstop" gera tanta oposição?

A ideia é de que o "backstop" só entre em vigor em último caso, na hipótese de UE e Reino Unido não conseguirem definir rapidamente como será o controle aduaneiro e a relação comercial bilateral após o Brexit.

O mecanismo prevê, assim, que a Irlanda do Norte siga sob o regimento do mercado único europeu caso nenhuma solução bilateral seja alcançada até dezembro de 2020.

May defende o "backstop" argumentando que ele só será colocado em prática como último recurso. No entanto, críticos afirmam que sua implementação causaria uma fratura na unidade territorial do Reino Unido.

A premiê tem enfrentado dura oposição nesse ponto, sobretudo do Partido Unionista Democrático, o principal aliado de May (que é do Partido Conservador) no governo de coalizão britânico.

Os unionistas rejeitam a ideia de a Irlanda do Norte ficar em um regime diferente do restante do Reino Unido, temendo que isso implique em um distanciamento em relação ao país e um flerte não desejado com uma eventual união entre as duas Irlandas.

Além disso, até mesmo parlamentares do Partido Conservador consideram a proposta do "backstop" inviável, por submeter a Irlanda do Norte a regras europeias (e não britânicas) e pelo temor de que, uma vez que o mecanismo entre em vigor, não possa ser suspenso sem a aprovação da UE.

Sob essa visão, o "backstop" significaria manter o Reino Unido submetido, de alguma forma, à vontade europeia e pode dificultar a assinatura de outros tratados comerciais que pudessem beneficiar o Reino Unido.

Direito de imagem Reuters
Image caption Sinais dados até agora pela UE é de que não há abertura para renegociar acordo do Brexit

4. Há alternativas?

Diante da forte oposição, é grande a possibilidade de a rejeição ao "backstop" implique na não aprovação do acordo do Brexit entre UE e Reino Unido. E o fato é que, caso isso se concretize, não há um "plano B".

Na ausência de um acordo, os parlamentares britânicos terão de decidir entre:

  • "se divorciar" da UE sem nenhum termo definido, o que pode causar insegurança e fricções em fronteiras, na circulação de bens e pessoas e em acertos comerciais
  • voltar a negociar com a UE, possibilidade que o bloco descarta no momento
  • realizar uma votação no Parlamento
  • voltar a consultar a população, em plebiscito, sobre o tema

Todas as alternativas implicam em dificuldades e, possivelmente, em adiar a implementação do Brexit - o desligamento do Reino Unido do bloco -, prevista para 29 de março de 2019.

Após sobreviver ao voto de desconfiança, May voltou a Bruxelas para buscar mais salvaguardas legais para o "backstop", mas não teve sucesso.

O acordo "não está aberto para renegociação", afirmou nesta sexta-feira Donald Tusk, presidente do Conselho Europeu.

Mais tarde, ele chamou o "backstop" de uma "apólice de seguros", agregando que a União Europeia se mantém determinada a buscar alternativas que evitem que ele seja implementado.

O premiê da Irlanda, Leo Varadkar, também afirmou que o acordo do Brexit "é o único sobre a mesa" e que "não é possível reabrir um aspecto do acordo sem reabrir todos".

Se a atual proposta em discussão for rejeitada pelo Parlamento, "não haverá um acordo para a saída do Reino Unido nem para um período de transição", destacou o editor de economia e negócios da BBC na Irlanda do Norte, John Campbell.

"Isso significa um Brexit duro, possivelmente caótico", prevê. "Se chegar a esse ponto, a UE e o governo da Irlanda terão de tomar decisões difíceis sobre o que ocorrerá na fronteira."

Ao mesmo tempo, o Tribunal de Justiça da UE acrescentou outra possível cartada ao jogo, ao determinar, na segunda-feira, que o Reino Unido pode revogar o Brexit unilateralmente a qualquer momento, sem acordo unânime com os demais Estados-membros do bloco.

May, por sua vez, afirmou que a data limite para o Parlamento votar a questão é 21 de janeiro de 2019, a depender de como avancem as negociações com a UE.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Tópicos relacionados

Notícias relacionadas