Rússia: quem são as bruxas que apoiam Vladimir Putin com rituais e orações políticas

Polyn e outra integrante do Império Direito de imagem Ímperio das Bruxas Mais Poderosas
Image caption Alyona Polyn (dir.) é a criadora do que define como a maior organização de bruxas da Rússia

Reunidas em círculo, mulheres de capuzes e túnicas pretos, com um símbolo místico vermelho nas costas, baixam a cabeça e fazem um momento de silêncio. Sua líder vai ao centro e começa a entoar orações misturadas com slogans políticos. "Que venha com grandeza, o poder da Rússia, que guie o caminho de Vladimir Putin de forma correta por meio de minha reza. Respire, Mãe Terra, abraçando a Rússia por todos os lados", diz a autoproclamada chefe do grupo, Alyona Polyn.

Enquanto as outras mulheres fazem gestos de concordância, ela prossegue: "Ó, poder primordial, regresse ao abismo aqueles que odeiam a Rússia. Que a Rússia se levante e se afaste da penúria e da pobreza e que os próximos dias abram as portas da felicidade".

Estas mulheres fazem parte do "Império das Bruxas Mais Poderosas", um grupo ocultista de feiticeiras russas que realiza com frequência "círculos mágicos de poder" para demonstrar seu apoio ao país e seu presidente.

O último encontro ocorreu na terça-feira na região central da capital russa, Moscou. As invocações patrióticas e a favor de Putin que permearam a cerimônia foram noticiadas por diversos veículos.

Direito de imagem Reuters
Image caption Bruxas se reuniram para demonstrar seu apoio a Putin

"Uma pessoa deve apoiar o governo e a Vladimir Putin antes e acima de tudo", disse uma das bruxas, chamada Yulia.

Outra integrante do grupo disse à agência de notícias Reuters: "Nosso país enfrenta tempos difíceis, e gostaríamos de apoiar o presidente com a ajuda dos nossos poderes. Queremos que os vilões [que atacam Putin] fiquem em silêncio".

Sua líder, Polyn, se autodefine como a bruxa principal do grupo, fundadora do Império e herdeira de uma sabedoria ancestral. Ela contou a veículos russos que suas cerimônias sempre têm manifestações de apoio ao país e ao presidente, "já que ele é o rosto da Rússia". Também afirmou que uma bruxa nunca deve falar mal de Putin.

Direito de imagem Getty Images
Image caption Segundo as bruxas, não se deve falar mal de Vladimir Putin

O evento e sua divulgação na imprensa geraram críticas de setores da oposição, porque, no mesmo dia, autoridades do país condenaram a seis anos de prisão um dinamarquês que é Testemunha de Jeová, denominação religiosa considerada uma organização "extremista" e proibida na Rússia desde 2017.

Mas quem são as mulheres do Império, que, com rituais e feitiços, manifestam seu apoio incondicional ao Kremlin?

Quem são as bruxas do Império

Jüri Maloverjan, correspondente do serviço russo da BBC, explica que o grupo é formado por dezenas de integrantes, em sua maioria mulheres, que compartilham a crença nos rituais criados por Polyn, considerada por meios de comunicação do país como a "bruxa mais proeminente de Moscou".

Segundo ela própria, seus conhecimentos foram herdados de sua família e usados como base para a criação do "maior grupo de feiticeiros do país". Seus membros costumam se apresentar com outros nomes ou usam apelidos que fazem alusão a elementos mágicos ou ingredientes tradicionais de magia, como Christina Mandrágora.

Direito de imagem Reuters
Image caption O Império é formado majoritariamente por mulheres

Ainda que seja incerto o número total de membros, o grupo se autodefine em seu site como a "única organização pra todos os envolvidos com magia e feitiçaria" a nível mundial e oferece serviços que vão de leitura de cartas de tarô a remédios contra maldições ou feitiços para atrair o amor. Os preços giram em torno de US$ 80 (R$ 300) e chegam a passar de US$ 150 (R$ 560) em alguns casos.

Maloverjan diz que o ocultismo e tudo que é vinculado a horóscopos e bruxaria são práticas bastante populares na Rússia e muito presente em seu folclore, ainda que fossem mal vistos e até mesmo proibidos durante a era soviética. Estima-se que esse movimento muito mais popular na Rússia do que em qualquer outro lugar da Europa Ocidental.

Por isso, avalia ele, muitos encontraram nisso uma forma de ganhar dinheiro nos últimos anos. De acordo com dados do Ministério da Saúde russo, citadas pelo jornal The Moscow Times, mais de 800 mil russos prestavam serviços como curandeiros, médiums, videntes, entre outras atividades do tipo, em 2017.

Aprovação ao governo permite que grupos permaneçam na legalidade

Mas analistas russos destacam que, diante das restrições a outras denominações e cultos religiosos na Rússia, muitos viram que demonstrar seu apoio ao governo é uma forma de manter seus ritos na legalidade - e também de marketing.

Após a queda do regime soviético, o cristianismo ortodoxo voltou a ser a principal religião da Rússia: estima-se que 75% da população o pratiquem. Mas isso não impediu que outros cultos mais próximos do folclore nacional também florescessem.

Putin mantém-se próximo de líderes da Igreja ortodoxa, o que, em certa medida, fez com que, no ano passado, a Ucrânia se separasse formalmente desta corrente cristã.

Direito de imagem Getty Images
Image caption Putin é próximo de líderes da Igreja ortodoxa

Maloverjan explica que Putin nunca demonstrou inclinações a práticas ocultistas, ainda que o apoio de grupos assim ao presidente garanta sua legalidade.

O presidente russo já foi premiê do país no início deste século e venceu sua mais recente eleição em março de 2018, com mais de 76,69% dos votos, segundo dados oficiais. Está em seu quarto mandato presidencial, que vai até 2024.

E, ainda que sua popularidade tenha caído por algum tempo para seu menor índice histórico após uma reforma do sistema de pensões, ele segue com um apoio significativo em vários setores da população. Por isso, diz Maloverjan, demonstrar estar ao lado de Putin é uma forma de grupos como o Império de conquistar aceitação entre os apoiadores do presidente.

Nas redes sociais russas, muitos questionam se o Império usa tais pronunciamentos políticos para se manter nas manchetes e atingir mais pessoas, a ponto de ter rezado pelo presidente americano Donald Trump. O grupo também tem sido acusado de enganar pessoas com suas práticas.

Direito de imagem AFP
Image caption Bruxos de todo o mundo lançaram feitiços contra Trump

A iniciativa foi elogiada por veículos oficiais russos, que compararam o apoio das bruxas a Putin com outros rituais de protesto de outros grupos de feiticeiros contra Trump e seu governo.

"Bruxas de todo o mundo planejaram um grande ritual contra Trump e 'todos que o instigaram' em 2017", recordou a emissora RT, que também mencionou um ritual mágico para evitar que Brett Kavanaugh, indicado por Trump à Suprema Corte do país, assumisse o posto. Esse, pelo menos, não surtiu efeito. Em outubro do ano passado, Kavanaugh foi confirmado pelo Senado e tornou-se o novo ministro da mais alta instância da Justiça americana.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Notícias relacionadas