Playboys, políticos e celebridades: quem está no centro de um dos maiores escândalos financeiros do mundo

Direito de imagem Getty Images

Este é um dos maiores escândalos financeiros do mundo.

Bilhões de dólares de um fundo estatal destinado a ajudar a população malaia desapareceram nas sombras do sistema financeiro global.

De acordo com procuradores dos EUA e da Malásia, o dinheiro encheu os bolsos de alguns indivíduos poderosos e foi usado para comprar imóveis de luxo, obras de Van Gogh e Monet, um jato particular e até financiar um filme blockbuster de Hollywood.

A revelação do suposto esquema criminoso do fundo 1Malaysia Development Berhad (1MDB) repercutiu em todo o mundo, com autoridades de pelo menos seis países sondando uma vasta rede de transações financeiras que se estendiam dos bancos suíços aos paraísos fiscais da ilha, até o coração do Sudeste Asiático.

O escândalo até levou à derrubada do partido político que governou a Malásia por toda a sua história como uma nação independente.

O Goldman Sachs, um dos bancos mais poderosos de Wall Street, está enfrentando acusações criminais na Malásia - a empresa nega as acusações e diz que se defenderá com vigor. Enquanto isso, um playboy que está sendo processado nos EUA e na Malásia continua foragido - mas seu super iate de luxo de US$ 250 milhões agora está nas mãos das autoridades.

Todos os olhares estão voltados agora para a capital da Malásia, Kuala Lumpur, onde o ex-primeiro-ministro e ex-presidente do conselho consultivo do 1MDB, Najib Razak, vai a julgamento no primeiro dos diversos processos contra ele.

O elenco de personagens em torno do escândalo do 1MDB sugere a imagem de uma saga verdadeiramente global - dos jornalistas que seguiram o dinheiro até a elite internacional que supostamente lucrou com o esquema todo.


Najib Razak

autoridade malaia

No centro desta história está um ex-primeiro-ministro da Malásia: o homem outrora intocável que criou um fundo soberano "arrojado e ousado" em 2009 para impulsionar o desenvolvimento econômico de sua nação - e nove anos depois levaria sua dinastia política à desgraça.

Entender a figura de Najib Razak é examinar suas raízes. Filho mais velho do ex-primeiro-ministro malaio Tun Abdul Razak, ele descende da aristocracia política. Quando finalmente se tornou primeiro-ministro, em 2009, - como o chefe do partido que dominou a política da Malásia por meio século - parecia que ele estava finalmente assumindo um papel pré-determinado.

Anglófilo, Najib completou o ensino secundário no Malvern College, no Reino Unido, uma prestigiada escola particular, antes de estudar Economia Industrial na Universidade de Nottingham.

Esse histórico e sua retórica sobre a importância do islamismo "moderado" fizeram dele um colega natural de seus contemporâneos ocidentais, a exemplo do ex-premiê britânico David Cameron e do ex-presidente americano Barack Obama.

Presentational white space
Barack Obama e Najib Razak jogam golfe no Havaí Direito de imagem Getty Images
Image caption Najib Razak e Barack Obama eram parceiros de golfe
Presentational white space

Mas havia suspeitas sobre ele desde sua ascensão como líder polítco. Questionamentos sobre um acordo em torno de submarinos franceses em 2002, quando ele era ministro da Defesa, passaram a perseguir o novo primeiro-ministro. Suspeitava-se que foram pagos US$ 130 milhões em propinas como parte do acordo de US$ 1,2 bilhão - acusação que Najib sempre negou.

O chocante assassinato de Altantuya Shaariibuu, modelo da Mongólia que serviu de intérprete para o acordo dos submarinos, gerou ainda mais questionamentos. Há uma investigação francesa em curso, e o novo governo da Malásia reabriu recentemente a sua apuração. Questionado, Najib afirma que nunca conheceu Shaariibuu.

 

Presentational white space
David Cameron welcomes Najib Razak to 10 Downing street Direito de imagem AFP
Image caption David Cameron e Najib Razak na residência oficial do então primeiro-ministro britânico
Presentational white space

Najib criou o 1MDB em 2009 como uma maneira de gerenciar as fontes de riquezas da Malásia com investimentos estratégicos. Os principais sinais de alerta surgiram em 2015, quando o fundo atrasou os pagamentos de parte dos US$ 11 bilhões devidos a bancos e detentores de cotas - embora os investigadores e jornalistas estivessem há muito tempo apurando o caso.

Em julho de 2016, o Departamento de Justiça dos EUA entrou com uma ação civil alegando que mais de US$ 3,5 bilhões foram roubados. Mais tarde, elevou o valor para mais de US$ 4,5 bilhões.

"Funcionários corruptos", disse a então procuradora-geral dos EUA, Loretta Lynch, "trataram o fundo público como uma conta bancária pessoal".

O processo cita os nomes de supostos culpados, mas deixou uma "autoridade da Malásia Nº 1" sem qualquer nome. O suspeito "MO1", mais tarde confirmado como Najib Razak por seu próprio governo, foi acusado pelos promotores americanos de ter recebido US$ 681 milhões em dinheiro roubado, apesar de ter devolvido a maior parte.

Ele foi inocentado pelas autoridades malaias de todas as irregularidades cometidas enquanto estava no cargo, mas depois da derrota chocante de seu partido nas eleições gerais do ano passado, a maré mudou drasticamente.

Vários de seus apartamentos foram alvos de buscas e a polícia apreendeu uma grande quantidade de bens de luxo, além de US$ 28,6 milhões em dinheiro. Atualmente, há 42 acusações contra ele pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e abuso de poder. Ele se declarou inocente de todas as acusações. 


Rosmah Mansor

a senhora das bolsas
Presentational white space

Os hábitos de consumo da mulher de Najib foram comparados aos de Maria Antonieta. Desde que o marido perdeu o poder, Rosmah Mansor, 67 anos, foi formalmente acusada de lavagem de dinheiro e evasão fiscal. Ela se declara inocente das duas acusações.

Os gostos caros de Rosmah foram amplamente ridicularizados na Malásia, onde ela é duramente criticada por estar descolada da realidade das pessoas comuns que lutam para sobreviver.

Em 2018, operações policiais midiáticas em propriedades ligadas a ela e seu marido inundaram as redes sociais com imagens de carrinhos de supermercado cheios, que carregaram 500 bolsas de luxo, centenas de relógios e 12 mil itens de joalheria que valem pelo menos US$ 273 milhões.

Suas aparições na corte são sempre alvo de muita atenção.

"Ela não é rude, mas também não é particularmente amigável. Pessoalmente, ela parece ser imperiosa", diz Rozanna Latiff, correspondente da agência de notícias Reuters. "Nos dias em que Rosmah Mansor é chamada para interrogatório, há muito interesse em suas roupas e bolsas." 


Mahathir Mohamad

velho estadista
Presentational white space

É uma história de retorno político como nenhuma outra: aos 93 anos, Mahathir Mohamad, o homem que dominou a política da Malásia como primeiro-ministro nos anos 1980, 1990 e início dos anos 2000, está de volta à velha forma e à liderança da Malásia.

Seu retorno à disputa foi motivado por um desejo claro - desbancar Najib Razak, seu antigo afilhado polítco.

"Peço desculpas a todos. Fui eu quem o elevou a esse patamar, o maior erro da minha vida. Quero corrigir esse erro", disse Mahathir na campanha eleitoral no início de maio de 2018, depois de desertar para a oposição a fim desbancar Najib.

Poucos dias depois, ele surpreendeu o mundo ao derrotar seu antigo partido, que comandou a Malásia por mais de meio século.

O retorno de Mahathir repercutiu bem com os malaios, muitos dos quais defendem os esforços de seu novo governo em levar à Justiça aqueles que supostamente saquearam o 1MDB. Mas os observadores políticos avaliam que o velho estadista não apenas pavimentou o caminho de Najib até o poder como também foi acusado de autoritarismo durante seu longo mandato no topo.

 


Jho Low

o grande gastador
Presentational white space

Financista sino-malaio da movimentada ilha de Penang, Low Taek Jho - mais conhecido como Jho Low - é retratado por investigadores da Malásia e dos EUA como um dos mentores do golpe do 1MDB.

Apesar de nunca ter ocupado formalmente um cargo na administração do fundo, ele é acusado de ter desempenhado um papel crucial em suas atividades. E foi sua rede e seu faro de negócios que lhe permitiram prosperar, dizem os jornalistas Bradley Hope e Tom Wright em seu best-seller Billion Dollar Whale, de 2018, que conta as supostas façanhas de Jho Low.

"Jho Low é a pessoa mais interessante no caso do 1MDB, um misterioso mestre de cerimônias", disse Hope à BBC. "Ficou claro desde o início que ele era o ponto de conexão entre todos os envolvidos no fundo do 1MDB - e o único com uma visão de 360 ​​graus do esquema multibilionário."

Promotores dos EUA dizem que Low alavancou suas poderosas conexões políticas para conseguir negócios para o 1MDB com o pagamento de centenas de milhões de dólares em propinas. Bilhões, dizem eles, foram lavados através do sistema financeiro dos EUA e usados ​​para comprar alguns dos imóveis mais caros do mundo, obras de arte cobiçadas e até financiar filmes de Hollywood.

Presentational white space
Iate de US$ 250 milhões de Jho Low Direito de imagem Getty Images
Image caption Iate de US$ 250 milhões de Jho Low
Presentational white space

Este era um homem conhecido por misturar negócios e prazer. Festas extravagantes e amizade com a realeza árabe e celebridades de primeiro escalão alimentaram sua rápida ascensão ao topo. Britney Spears até saiu de seu bolo de aniversário, em 2012, em Las Vegas.

Os repórteres especulam em seu livro que, em determinado momento, Jho Low pode ter tido acesso a mais dinheiro líquido do que qualquer outra pessoa na Terra.

Mas a queda do governo de Najib Razak foi uma má notícia para Low. Acusações criminais surgiram e ele agora é procurado por vários países. Seu paradeiro atual é desconhecido, mas ele mantém sua inocência por meio de declarações em seu site oficial. Seus advogados defendem que ele não teria direito a um julgamento justo na Malásia.

"Jho Low é focado, mas também terrivelmente desleixado. Ele estava construindo freneticamente um império com dinheiro que não era seu e, no final, todo o seu esquema tornou-se confuso e insustentável", disse Hope.


Timothy Leissner

o banqueiro
Presentational white space

Esse banqueiro alemão representava uma das instituições financeiras mais poderosas do mundo, a Goldman Sachs, no momento em que o banco investia na Ásia.

No rescaldo da crise financeira de 2008, a atuação de Timothy Leissner no Sudeste Asiático (na Malásia, especialmente) rendeu ao banco receitas significativas e ele ascendeu até se tornar o presidente da empresa na região.

Mas os maiores negócios surgiram quando ele cruzou o caminho de Jho Low - supostamente a peça poderosa por trás do 1MDB.

O Goldman havia rejeitado anteriormente Low como cliente, depois que analistas de compliance levantaram suspeitas sobre a fonte de seu dinheiro. Mas, de acordo com uma acusação dos EUA, Leissner e outro banqueiro do Goldman, Roger Ng, usaram as conexões poderosas de Low para obter negócios para a instituição financeira.

O banco teria ganhado US$ 600 milhões em honorários por arranjar e subscrever três vendas de títulos para arrecadar US$ 6,5 bilhões para o 1MDB em 2012 e 2013.

Leissner se declarou culpado de acusações dos EUA de conspirar para lavar dinheiro e violar leis anticorrupção subornando autoridades estrangeiras.

A Malásia também apresentou acusações contra Leissner, Ng e o próprio Goldman Sachs. Ng nega todas as acusações.

O Goldman Sachs, que nega qualquer irregularidade, chamou as acusações de "mal direcionadas" e prometeu "se defender delas vigorosamente". A empresa suspendeu Leissner em 2016 e atribuiu a ele quaisquer irregularidades.

Mas o governo da Malásia pediu que o banco desembolsasse US$ 7,5 bilhões em indenizações.


As estrelas

celebridades
Presentational white space

O dinheiro fala alto, mas o poder de uma celebridade fala ainda mais alto?

O escândalo do 1MDB não é apenas sobre políticos e financistas poderosos: o empresário fugitivo Jho Low frequentemente fazia festas com artistas de Hollywood na lista de convidados.

Nenhum deles é acusado de qualquer delito, mas suas conexões sociais com Low têm sido alvo de diversas reportagens na mídia.

'Aquele'filme do Leonardo DiCaprio

O ator premiado com o Oscar estrelou em 2013 O Lobo de Wall Street, co-produzido e financiado por Riza Aziz, filho de Rosmah Mansor e enteado de Najib Razak. O filme de Martin Scorsese sobre ganância e corrupção deu a DiCaprio um prestigioso prêmio de Globo de Ouro de Melhor Ator, e ele agradeceu tanto a Aziz quanto a Low.

Presentational white space
Actor Leonardo DiCaprio with Jho Low (right) of the movie attend the photocall before the 'The Wolf of Wall Street' World movie Premiere at Cinema Gaumont Opera on December 9, 2013 in Paris, France. Direito de imagem Getty Images
Image caption Leonardo DiCaprio e Jho Low: ator protagonizou filme co-produzido e financiado por um filho da ex-primeira-dama da Malásia
Presentational white space

Os promotores americanos disseram que o dinheiro da 1MDB foi usado para financiar o filme, e a produtora Red Granite fechou um acordo com o governo dos EUA.

A empresa nega qualquer irregularidade. DiCaprio, enquanto isso, prometeu ajudar as autoridades americanas e entregou uma pintura de Picasso supostamente doada a ele por Jho Low.

Amizade com os músicos Kasseem Dean (ou Swizz Beatz) e Alicia Keys

O produtor de discos ambicioso e sua esposa superstar já fizeram parte do círculo íntimo de Jho Low, muitas vezes fotografados em suas festas chiques. Kasseem Dean se apresentou na infame celebração do 31º aniversário de Low (a que teve Britney no bolo).

Presentational white space
Swizz Beatz, Alicia Keys e Jho Low Direito de imagem Getty Images
Image caption Na noite do Grammy de 2014, lá estavam Swizz Beatz, Alicia Keys e Jho Low
Presentational white space

O músico também é visto como quem abriu as portas para Low no mundo da arte, no qual ele supostamente comprou obras como um desenho de Van Gogh e duas pinturas de Monet com fundos do 1MDB.

Festejando com Paris Hilton

Outra integrante do famoso círculo de amigos, a herdeira da cadeia de hotéis Hilton supostamente conheceu Low em 2009. Eles eram frequentemente vistos juntos em fotos de paparazzi (e selfies), festejando ao redor do mundo - das mesas de apostas de Las Vegas às pistas de esqui de Whistler e a agradável Saint-Tropez.

Romances com Miranda Kerr e Elva Hsiao

Depois de uma série de encontros extravagantes (incluindo navegar pela Europa por 10 dias), Low presenteou Miranda Kerr, uma das supermodelos mais bem pagas do mundo, com objetos de outro mundo: um piano de cauda acrílico transparente de US$ 1 milhão, um colar de diamantes de 11 quilates e brincos. Ela já entregou milhões de dólares em joias para os promotores dos EUA.

Em outro relacionamento, Low levou a cantora taiwanesa Elva Hsiao para um encontro de US$ 1 milhão em Dubai, onde jantaram em uma praia particular, segundo o livro Billion Dollar Whale.

Presentational white space

Os jornalistas

A saga do 1MDB nunca teria vindo a público sem o trabalho árduo de um jornalista que seguiu a história por anos, desarmando uma bomba depois de outra e forçando as transações do fundo a serem escrutinadas.

Presentational white space
jornalistas
Presentational white space

Clare Rewcastle-Brown, The Sarawak Report

Mais de uma década atrás, esta jornalista britânica, nascida na Malásia, começou a investigar a elite política da Malásia na pia da cozinha em Londres, depois de colocar as crianças na cama. Seu site Sarawak Report foi inicialmente focado em negociações sombrias em um Estado da Malásia. Mas quando um dos primeiros acordos do 1MDB foi feito em Sarawak, sua atenção começou a mudar para o que parecia ser "algo altamente suspeito".

No final de 2013, ela recebeu uma denúncia de que o enteado de Najib havia produzido o filme O Lobo de Wall Street. "Foi quando comecei a cavar", diz ela. "Só porque eu não pude resistir a uma história tão obviamente representativa." Enquanto seguia a trilha do dinheiro, os furos começaram a rolar, cativando a Malásia cuja mídia doméstica era incapaz ou não queria seguir a história.

No início de 2015, Rewcastle-Brown recebeu um tesouro de mais de 200.000 documentos do denunciante suíço Xavier Justo e fez uma alegação impressionante: US$ 700 milhões haviam sido lançados diretamente em uma conta bancária pertencente a uma empresa controlada pela Jho Low como parte de um acordo do 1MDB.

Alguns meses depois - sob o título "DESCOBERTAS SENSACIONAIS!" -, ela publicou detalhes alegando que quase US$ 700 milhões foram depositados nas contas bancárias do primeiro-ministro em 2013. As autoridades da Malásia bloquearam seu site e emitiram um mandado de prisão.

"Eu tinha pessoas em todo o mundo que me contatavam com informações", disse ela. "No auge disso, havia pessoas sendo contratadas para me pressionar em Londres, me seguir e me fotografar ... Eu tive que ir à polícia."


Tom Wright e Bradley Hope, The Wall Street Journal

O livro deles Billion Dollar Whale detalhou meticulosamente as supostas façanhas de Jho Low e se tornou rapidamente um best-seller na Malásia.

Mas Tom Wright e Bradley Hope têm investigado o caminho do dinheiro do 1MDB por anos no Wall Street Journal.

"As notícias não vão além de 2.000 palavras e parecia que estávamos cortando muitos detalhes fascinantes [da saga]", disse Hope. "Sabíamos que as pessoas estavam tendo dificuldades para acompanhar o escândalo e havia uma história maior e mais colorida para se fazer especificamente sobre Jho Low".

Hope disse que o livro cristalizou o quão ruim o escândalo foi para a Malásia.

"Havia muito barulho e desinformação por aí", disse ele. "Ver tudo exposto em um lugar, fato por fato, deixou muito claro que o 1MDB se tornou um dos maiores escândalos financeiros do mundo. Billion Dollar Whale mostra como a história se desenvolveu cronologicamente e levou a questão para muitos malaios."

O livro também pode ter aumentado a pressão global na busca por Jho Low.

"Os leitores nos enviaram cartas e políticos [o primeiro-ministro Mahathir Mohamad e o ministro das Finanças, Lim Guan Eng] até usaram o nsso livro para explicar as questões em torno do 1MDB", disse Hope. "Billion Dollar Whale está começando a se infiltrar em todo o mundo e as pessoas que nunca ouviram falar do 1MDB nos dizem que ficaram totalmente absortas com isso."


The Edge Malaysia

Quem só lia jornais malaios e só assistia a reportagens de TV locais no auge do escândalo do 1MDB, em 2015, seria enganado acreditando que tudo estava bem no país. Jornalistas e editores malaios aprenderam rapidamente que reportagens sobre os escândalos do fundo soberano eram perigosas e arriscariam suas licenças operacionais.

Mas houve aqueles que persistiram e pagaram o preço. O Edge Media Group foi um deles.

Os jornais do The Edge publicaram investigações sobre as atividades do 1MDB e tiveram as licenças de publicação de seus jornais suspensas sob alegação de que foi considerada uma "reportagem que poderia afetar a ordem pública".

"Isso nada mais é do que uma tentativa de nos calar", disse o editor Ho Kay Tat à época.


Tony Pua

o investigador
Presentational white space

Quem lidera as acusações contra o 1MDB na Malásia é o parlamentar Tony Pua, que sempre levantou questionamentos sobre o assunto enquanto estava na oposição do governo de Najib Razak. O partido de Pua agora está no poder.

"Najib Razak é o maior culpado. Quando surgirem incongruências em suas declarações, vou aparecer para colocar as coisas na direção certa", disse ele à BBC, durante uma visita a Cingapura.

Pua, que também é secretário político do ministro das Finanças da Malásia, disse que continua concentrado em "consertar os danos causados ​​à economia".

"O escândalo financeiro está no passado e não há mais travessuras. O processo é de limpeza agora", disse ele. "Precisamos trazer crescimento econômico, e encerrar o capítulo do 1MDB é uma grande parte disso."

O político muitas vezes vai ao YouTube para lamentar o escândalo. "Eu conheço os fatos e ligo as pontas", disse ele. "Eu recebo informações de documentos e informantes, e as reúno para contar a história do que realmente está acontecendo."

Mas ele diz que os julgamentos de Najib são "apenas o começo" e que o processo judicial pode durar anos. "O quebra-cabeça está quase completo, mas faltam algumas peças. E acredito que o julgamento de Najib Razak irá revelar algumas."


Após vários adiamentos, o primeiro julgamento de Najib Razak começará finalmente nesta quarta-feira, 3.

As datas de julgamento já foram definidas para mais dois casos.

Se for considerado culpado pelas acusações, Najib poderia passar décadas na prisão. Jho Low continua foragido.

Ilustrações de Davies Surya e Arvin Supriyadi, em Jakarta.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Notícias relacionadas