Entenda a crise na Venezuela em 300 palavras

Partido de Maduro, o PSUV ainda conta com algum apoio popular Direito de imagem EPA
Image caption Partido de Maduro, o PSUV ainda conta com algum apoio popular

A Venezuela vive uma situação política inusitada: dois rivais reclamam para si a Presidência do país.

Como isso aconteceu?

O país é governado há 20 anos pelo chavismo. De 1999 ao ano de sua morte, em 2013, Hugo Chávez foi presidente. Ele foi sucedido por Nicolás Maduro, que derrotou a oposição em uma eleição apertada.

Os chavistas conseguiram controlar instituições-chave, entre elas o Judiciário e o Conselho Nacional Eleitoral.

Direito de imagem Reuters
Image caption Muitos venezuelanos apoiam Guaidó - inclusive membros das forças de segurança

Quando a oposição conquistou maioria no Legislativo, a Assembleia Nacional, Maduro criou um órgão rival - composto de apoiadores - com poderes que suplantavam os da Assembleia.

A economia venezuelana entrou em colapso e a crise gerou desabastecimento de comida e medicamentos.

Em maio de 2018, Maduro foi reeleito sob uma série de denúncias de fraude.

Em 23 de janeiro, dias depois da posse de Maduro, o líder da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, se autodeclarou presidente interino.

O parlamentar alegava que Maduro era "usurpador" e a Presidência, por isso, estaria vaga - situação que, pela Constituição, permite que o chefe do Legislativo assuma o cargo.

Mais de 50 países, entre eles Brasil e EUA, reconheceram Guaidó como líder legítimo. Nações como Rússia e China, por outro lado, mantiveram apoio a Maduro.

Os dois lados estão em disputa desde janeiro, ante as tentativas de Guaidó de atrair militares para o movimento de oposição.

Em 30 de abril, o opositor conclamou as forças de segurança a se juntarem a ele na "fase final" da deposição de Maduro, movimento classificado pelo governo como tentativa de golpe - a ação não teve êxito.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Tópicos relacionados

Notícias relacionadas