Tiroteio nos EUA: Polícia identifica 12 mortos por engenheiro na Virgínia

Vista aérea de prédio onde ocorreu tiroteio Direito de imagem Reuters
Image caption O tiroteio aconteceu em área repleta de prédios governamentais

Autoridades da cidade da Virgínia Beach, nos Estados Unidos, divulgaram os nomes das 12 pessoas mortas por um atirador que abriu fogo em um prédio governamental sexta-feira.

O gerente da cidade, David Hansen, disse que as vítimas - 11 funcionários da prefeitura e um empreiteiro - "deixam um vazio que nunca vamos conseguir preencher".

O atirador disparou indiscriminadamente antes de morrer em uma troca de tiros com a polícia.

Ele foi identificado como DeWayne Craddock e foi descrito como um funcionário antigo do município que estava descontente.

O tiroteio ocorreu no Centro Municipal de Virginia Beach, onde ele trabalhava.

Quem são as vítimas do tiroteio

Os funcionários da prefeitura que morreram foram identificados como Laquita Brown; Tara Gallagher; Mary Louise Gayle; Alexander Gusev; Katherine Nixon; Richard Nettleton; Christopher Kelly Rapp; Ryan Keith Cox; Jashua Hardy; Michelle Langer e Robert Williams.

O empreiteiro, por sua vez, se chamava Herbert Snelling.

Pelo menos quatro pessoas ficaram feridas, mas ainda não foram divulgados detalhes sobre a possível gravidade dos ferimentos. Entre eles, está um policial, atingido por uma bala que atravessou seu colete.

Uma das vítimas foi baleada do lado de fora, em um carro, e as demais foram encontradas em três andares do prédio do governo.

O chefe de polícia James Cervera descreveu a cena como uma "zona de guerra".

De acordo com a Gun Violence Archive, organização sem fins lucrativos que divulga informações sobre a violência relacionada a armas nos Estados Unidos, este foi o 150º tiroteio em massa registrado nos EUA em 2019.

A organização define tiroteio em massa como ataques em que pelo menos quatro pessoas são mortas ou feridas.

O que se sabe sobre o atirador

DeWayne Craddock, identificado pela polícia como o atirador, tinha 40 anos e trabalhava há 15 como engenheiro no departamento de serviços públicos da cidade.

Segundo a agência de notícias AP, ele serviu nas forças armadas e foi descrito pelos vizinhos como quieto e alguém que "raramente sorria".

O chefe da polícia de Virginia Beach, James Cervera, não quis comentar sobre o motivo do tiroteio. Ele disse que o atirador estava armado com uma pistola semi-automática calibre 45 equipada com um supressor de som e com carregadores de munição de alta capacidade.

A polícia acredita que ele agiu sozinho.

Os relatos do tiroteio começaram pouco depois das 16h no horário local (17h em Brasília) de sexta-feira.

Bloqueio

A área ao redor do edifício, que contém uma série de outros prédios governamentais, foi isolada.

O FBI (polícia federal americana) esteve no local ajudando autoridades regionais a investigar o tiroteio.

Uma funcionária do prédio em que ocorreu o tiroteio, Megan Banton, afirmou ao canal de televisão local WAVY que "ouviu pessoas gritando e pedindo para que as pessoas se abaixassem".

Nas redes sociais, governantes manifestaram condolências.

"Este é um dia trágico para Virginia Beach e para toda a nossa comunidade", lamentou o governador da Virgínia, Ralph Northam, no Twitter.

"Meu coração está partido pelas vítimas deste tiroteio devastador, suas famílias e todos que os amavam. Estou a caminho de Virginia Beach agora e estarei lá dentro de uma hora."

O prefeito de Virginia Beach, Bobby Dyer, descreveu esta sexta-feira como "o dia mais devastador" da história da cidade.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Tópicos relacionados

Notícias relacionadas