'Gêmeas me acordavam até 40 vezes': a nova técnica para fazer bebês dormirem

Mãe tenta por bebê para dormir Direito de imagem monkeybusinessimages/Getty

Jacqui Wolstenholme se lembra das noites insones em que se levantava dezenas de vezes para tentar fazer suas gêmeas Jessica e Jasmine voltarem a dormir.

As meninas, hoje com quatro anos de idade, a acordavam até 40 vezes numa só noite quando eram bebês. "E isso não é um exagero", diz a mãe das gêmeas - que sempre tiveram dificuldade para dormir.

"Com cerca de três meses, quando muitos bebês começam a dormir mais horas, as coisas foram piorando. Eles quase nunca dormem", disse Jacqui ao programa Victoria Derbyshire, da BBC.

"Eu ficava numa cama com uma delas, e a outra ficava com Julian (o pai) em outro quarto. Ele tentava por ela pra dormir, enquanto eu tentava por a outra."

Essa rotina acabou afetando os dois, que ficavam privados de sono.

Jacqui planejava voltar ao emprego de designer gráfica após 12 meses - mas logo ficou claro que isso "não tinha como acontecer".

"Meu marido estava com problemas para mater o emprego", diz ela, "por pura exaustão".

A família Wolstenholme está longe de ser a única a enfrentar esse tipo de problema.

Image caption 'Minhas filhas me acordavam 40 vezes toda noite', diz Jacqui Wolstenholme; agora, após tratamento, ela diz que 'em uma boa noite, podemos sair [do seu quarto] e elas só acordam 12 horas depois'

A especialista em sono Heather Elphick diz que o Reino Unido vive "uma crise oculta de saúde pública quando se trata de dormir". "Tem mais crianças que não conseguem dormir do que a gente imagina e acho que isso é algo sobre o qual pais e mães não gostam de falar."

"Eles acham que terão suas habilidades como pais questionadas se os filhos não conseguem dormir, e, por isso, não buscam ajuda."

Elphick ajudou a desenvolver uma técnica pioneira que tem aumentado em até 2,4 horas o sono de crianças por noite.

O projeto piloto envolveu 40 famílias numa clínica do sono em um hospital infantil em Sheffield, uma parceria entre o governo local e o sistema público de saúde, o NHS. O objetivo é melhorar os padrões do sono de crianças.

Agora, o projeto foi expandido e ajuda cerca de 800 crianças por ano na cidade.

As filhas de Jacqui tiveram um tratamento parecido, apesar de o caso das gêmeas ser considerado mais sério.

Image caption A professora Heather Elphick ajudou a desenvolver uma técnica pioneira, desenvolvida em Sheffield, no norte da Inglaterra, tem ajudado a aumentar em até 2,4 horas o sono de crianças por noite

Na clínica, o tratamento começa com um detalhado exame do histórico médico da criança e uma análise do ambiente em que dorme.

No caso das gêmeas, isso ajudou a identificar possíveis causas para os problemas de sono.

"Elas sofreram com doenças crônicas recorrentes e repetidas internações hospitalares", diz a mãe. "Os primeiros anos foram muito difíceis".

Enfermeiros da clínica do sono ajudaram a família a desenvolver uma rotina rigorosa para as meninas dormirem.

"Uma hora antes de dormir, diminuímos as luzes do andar de baixo. A TV, o rádio e as telas são desligadas - colorimos, desenhamos, brincamos de construir, qualquer coisa que envolva coordenação do olho e da mão", diz Jacqui.

"Então, elas vão para o andar de cima para um banho e direto para o quarto. "Nós seguimos exatamente a mesma rotina - usamos até mesmo a mesma palavra que usamos quando dizemos boa noite a elas todas as noites. É uma questão de consistência."

Image caption Noah também precisou de tratamento para dormir

De acordo com o NHS, o projeto conduzido em Sheffield fez com as crianças ganhassem, em média, 2 horas e 24 min extras de sono. Além disso, o tempo para que caíssem no sono caiu de 2 horas para 30 minutos.

Pais e cuidadores também relataram que sua qualidade de vida melhorou, assim como o relacionamento com as crianças.

Os problemas do sono podem ser um problema particular para crianças com distúrbios como transtorno de deficit de atenção e hiperatividade (TDAH), para crianças adotadas e também para as que sofreram negligência ou trauma.

'Energético e barulhento'

Jenny Lowis e seu filho "muito energético e barulhento", Noah, também enfrentaram sérios problemas na hora de dormir.

No meio da noite, conta a mãe, Noah "batia a porta para que eu acordasse e, se isso não funcionasse, ele viria para o lado da minha cama e gritava".

"Você literalmente se levanta [de manhã] e pensa: 'Eu nem sei que horas são, não sei que dia é hoje, não sei onde estou'", relata Jenny.

Noah também teve problemas de saúde quando bebê.

"Quando nasceu, teve cólicas muito fortes e passava mal à noite", diz Jenny. "As noites eram tão longas, tão longas... "

Noah agora segue uma nova rotina de dormir e, como parte do programa, teve seu sono monitorado por médicos.

O garoto foi diagnosticado com parassonia - transtornos de comportamento durante o sono, associados a pesadelos e sonambulismo.

Noah "fala, grita, grita, chora e ri durante o sono", diz a mãe.

Jenny diz que foi reconfortante saber que havia uma razão médica por trás da insônia do filho.

Mãe e filho ainda estão recebendo ajuda da clínica - e as coisas estão melhorando.

"Quando as coisas estavam muito ruins, ele não conseguia se concentrar em uma única atividade por mais de cinco minutos", diz ela. "Agora, ele está realmente começando a dormir na própria cama e a concentração é muito melhor na escola."

As gêmeas de Jacqui já ganharam alta da clínica.

"Ainda não é algo que vem naturalmente para elas - temos que manter a rotina -, mas em uma boa noite, podemos sair [do seu quarto] e elas só acordam 12 horas depois."

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Tópicos relacionados

Notícias relacionadas