Khalid Sheikh Mohammad: o 'arquiteto' dos ataques de 11 de Setembro que será julgado em 2021

Duas fotos de arquivo de Khalid Sheikh Mohammad Direito de imagem Getty Images
Image caption Khalid Sheikh Mohammad foi capturado pela primeira vez no Paquistão em 2003

A data do julgamento de Khalid Sheikh Mohammad, apontado como "mentor" dos ataques de 11 de Setembro nos EUA, foi marcada.

Ele e outros quatro suspeitos do atentado serão julgados por um tribunal militar na base americana de Guantánamo, em Cuba, a partir de 11 de janeiro de 2021.

Eles são acusados ​​de crimes de guerra, incluindo terrorismo, e de assassinar quase 3 mil pessoas.

Os cinco réus serão os primeiros a ir a julgamento, quase 20 anos após a série de ataques em Nova York, Washington e Pensilvânia.

Se considerados culpados, podem ser condenados à pena de morte.

Os atentados

No dia 11 de setembro de 2001, dois aviões de passageiros se chocaram contra as torres gêmeas do World Trade Center, em Nova York, como parte de uma série de ataques coordenados contra alvos nos EUA.

Um outro avião sequestrado por terroristas caiu sobre o Pentágono, na Virgínia, e um quarto, sobre a Pensilvânia, depois que passageiros resolveram enfrentar os sequestradores.

Os ataques de 11 de Setembro mataram ao todo quase 3 mil pessoas e foram reivindicados pela rede extremista Al-Qaeda, de Osama Bin Laden, morto em 2011 pelos EUA no Paquistão.

Direito de imagem Getty Images
Image caption Os ataques de 11 de setembro mataram ao todo quase 3 mil pessoas

Khalid Sheikh Mohammad, acusado de pertencer à Al-Qaeda, foi capturado no Paquistão em 2003 e transferido para a base americana de Guantánamo em 2006.

As tentativas de processar ele e o restante do grupo foram marcadas por atrasos, sendo adiadas em mais de uma ocasião.

Em uma das tentativas de julgá-lo perante um tribunal militar em 2008, Mohammad disse que pretendia se declarar culpado e aceitaria o "martírio".

Em 2009, o governo Barack Obama, que havia prometido fechar Guantánamo, tentou transferir o julgamento para Nova York, mas revogou sua decisão em 2011, após forte reação da oposição no Congresso.

Os cinco suspeitos acabaram sendo acusados formalmente ​​em junho de 2011 por crimes semelhantes aos que haviam sido imputados inicialmente ​​a eles durante a gestão de George W. Bush.

Culpado 'de A a Z'

O Pentágono, que é a Secretaria de Defesa dos EUA, informou que Mohammad admitiu ser responsável "de A a Z" pelos ataques de 11 de Setembro.

O relatório oficial dos atentados descreve o suspeito como o "arquiteto", ou seja, um dos mentores do plano.

Direito de imagem Getty Images
Image caption Os cinco suspeitos estão detidos na base militar dos EUA em Cuba, onde também serão julgados

Os promotores dos EUA alegam que ele esteve envolvido em uma série de outras atividades "terroristas" - entre elas, o atentado a bomba em uma casa noturna de Bali, na Indonésia, em 2002; a explosão de um carro-bomba no World Trade Center, em Nova York, em 1993; o assassinato do jornalista americano Daniel Pearl, sequestrado e degolado no Paquistão em 2002; e a tentativa fracassada de derrubar um avião com explosivos escondidos no sapato de um passageiro em 2001.

Nascido no Kuwait, de origem paquistanesa, Mohammed se formou nos EUA e viajou pouco depois para o Afeganistão, onde teria encontrado Osama bin Laden pela primeira vez durante manobras contra os soviéticos.

Interrogatórios em xeque

Os advogados do grupo estão tentando proibir o uso no tribunal das confissões que os réus fizeram ao FBI, a polícia federal americana, em 2006.

Eles argumentam que as confissões não podem ser usadas ​​no julgamento devido a excessos nos interrogatórios a que os acusados foram submetidos.

Khalid Sheikh Mohammed, por exemplo, afirmou ter sido torturado repetidas vezes.

Documentos da CIA, serviço de inteligência dos EUA, confirmam que ele foi submetido a até 183 sessões de afogamentos simulados.

Direito de imagem Getty Images
Image caption Voo da American Airlines, que levava 101 pessoas a bordo, colidiu com uma das torres do WTC

A técnica de tortura, conhecida como "waterboarding", consiste em imobilizar o indivíduo em uma prancha, cobrir seu rosto com um pano e, na sequência, derramar água sobre sua boca e nariz, gerando sensação de afogamento.

Os outros quatro suspeitos - Walid bin Attash, Ramzi bin al-Shibh, Ammar al-Baluchi e Mustafa al-Hawsawi - também foram interrogados pela CIA em uma rede de centros de detenção no exterior.

Os prisioneiros eram levados para esses centros, conhecidos como "locais negros", antes de serem entregues ao Exército dos EUA.

Pouco depois dos ataques de 11 de Setembro, a CIA teria recorrido a métodos controversos de interrogatório, como parte da chamada "guerra contra o terror" do ex-presidente George W. Bush. Entre as técnicas usadas estariam privação do sono, tapas no rosto, exposição dos prisioneiros a baixas temperaturas, além da simulação de afogamento.

Na época, a CIA defendeu suas ações, dizendo que salvaram vidas.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Tópicos relacionados

Notícias relacionadas