Quem era Abu Bakr al-Baghdadi, líder do Estado Islâmico morto por forças americanas

Baghdadi Direito de imagem AFP
Image caption Baghdadi anunciou a criação de um "califado" de Mosul em 2014

O líder fugitivo do grupo Estado Islâmico (EI) foi morto em uma operação militar dos EUA no noroeste da Síria, disse neste domingo (27/10) o presidente Donald Trump.

Falando na Casa Branca, Trump disse que Abu Bakr al-Baghdadi detonou seu colete explosivo depois de ser pego no fim de um túnel por forças especiais.

Baghdadi ganhou destaque em 2014, quando anunciou a criação de um "califado" em áreas do Iraque e da Síria.

O EI realizou várias atrocidades que resultaram em milhares de mortes.

O grupo jihadista impôs uma regra brutal a quase oito milhões de pessoas nas áreas sob seu controle e esteve por trás de vários ataques em cidades ao redor do mundo. Os EUA declararam o "califado" derrotado no início deste ano.

O assassinato de Baghdadi é uma grande vitória para Trump, que tem sido fortemente criticado por sua decisão de retirar tropas dos EUA do norte da Síria no início deste mês e está lutando contra um inquérito de impeachment lançado pelos democratas.

Em uma declaração incomum na manhã de domingo, Trump disse que Baghdadi morreu após encontrar um túnel sem saída na província de Idlib, "choramingando, chorando e gritando por todo o caminho", enquanto era perseguido por cães americanos.

Baghdadi estava acompanhado por três de seus filhos pequenos, disse Trump, e detonou seu colete, matando todos eles. A explosão mutilou o corpo de Baghdadi, mas testes de DNA confirmaram sua identidade, acrescentou Trump.

"O bandido que se esforçou tanto para intimidar os outros passou seus últimos momentos com total medo, em total pânico e pavor, aterrorizado com as forças americanas que o atacavam", disse Trump.

O que se sabe sobre a operação?

A localização na província de Idlib fica longe de onde se pensava que Baghdadi estava escondido. Muitas partes do Idlib estão sob o controle de jihadistas que se opõem ao EI, mas grupos rivais são suspeitos de abrigar militantes do EI.

Nenhum soldado americano foi morto, mas vários seguidores de Baghdadi também morreram e outros foram capturados, disse Trump, acrescentando que "material e informações altamente sensíveis" foram reunidos.

Um morador de Barisha, onde ocorreu o ataque, disse à BBC que helicópteros deram disparos por 30 minutos no sábado, antes que as tropas se tornassem ativas no solo. Helicópteros dispararam contra duas casas, arrasando uma, disse ele.

As forças lideradas pelos curdos sírios - um dos principais aliados dos EUA no norte da Síria até o presidente Trump retirar as tropas americanas da área neste mês - disseram que realizaram uma operação conjunta "histórica".

Direito de imagem AFP
Image caption O lugar em que a operação ocorreu

Quem era Abu Bakr al-Baghdadi?

O nome verdadeiro de al-Baghdadi é Ibrahim Awwad Ibrahim al-Badri. Ele nasceu em 1971 na cidade de Samarra, no Iraque, em uma família sunita de classe média baixa. Quando jovem, Baghdadi adorava recitar trechos do Alcorão, e observava as regras do islamismo de forma rigorosa.

Direito de imagem AFP
Image caption Forças dos EUA mantiveram Baghdadi preso por dez meses após a invasão de 2003

Como Abu Bakr al-Baghdadi se radicalizou?

Vindo de uma família sunita iraquiana, ele já manifestava interesse pela religião islâmica desde criança.

Quando jovem, sua família o apelidou de "o crente" - ele costumava repreender seus familiares quando estes deixavam de cumprir qualquer preceito islâmico.

Baghdadi teve uma vida acadêmica voltada para os estudos religiosos. Em 1996, concluiu uma graduação em Estudos Islâmicos pela Universidade de Bagdá. Pouco depois, em 1999, concluiu o mestrado em estudos do Alcorão na Universidade Saddam de Estudos Islâmicos do Iraque. E, em 2007, tornou-se doutor no assunto pela mesma instituição.

Até 2004, ele morou em um bairro de Bagdá, Tobchi, com suas duas mulheres e seis filhos. Ele costumava ensinar as crianças do bairro a recitarem o Alcorão em uma mesquita local, e também jogava no time de futebol da mesquita.

Enquanto cursava a graduação, seu tio o convenceu a juntar-se à Irmandade Muçulmana - um grupo político-religioso.

No fim dos anos 2000, al-Baghdadi adotou a doutrina jihadista salafista - e se envolveu com a Al-Qaeda no Iraque (AQI), que mais tarde daria origem ao Estado Islâmico. Desde sua aparição pública em 2014, ele vinha mantendo silêncio na maior parte do tempo. Este silêncio só havia sido rompido por relatos não confirmados de sua morte ou por gravações de áudio sem autoria confirmada.

Em abril deste ano, fez uma rara aparição em vídeo. Na gravação, prometia vingar-se da perda de territórios antes controlados pelo grupo.

Direito de imagem EPA
Image caption Baghdadi explorou a situação caótica da Síria nos últimos anos para expandir o território do Estado Islâmico no país

De ativista a insurgente

Meses depois da invasão do Iraque pelos Estados Unidos, em 2003, al-Baghdadi ajudou a fundar um grupo insurgente chamado Jaysh Ahl al-Sunah wa al-Jamaah (Exército Popular da Sunnah e Solidariedade Comunal).

Em fevereiro de 2004, o Exército dos EUA prendeu Baghdadi na cidade de Falluja e o enviou para a detenção em Camp Bucca, onde ele permaneceu por 10 meses.

Enquanto esteve preso, dedicou-se a atividades religiosas - comandando orações, fazendo as pregações da sexta-feira e dando aulas aos prisioneiros.

Segundo um ex-colega de prisão, Baghdadi era uma pessoa taciturna. Mesmo assim, tinha o dom de se mover entre as facções rivais de Camp Bucca, onde ex-defensores de Saddam Hussein (1937-2006) conviviam com jihadistas islâmicos.

Baghdadi se aproximou de vários deles e manteve contato depois de liberto, o que aconteceu em dezembro de 2004.

Solto, Baghdadi foi procurado por um porta-voz da Al-Qaeda no Iraque (AQI), uma afiliada local da Al-Qaeda dirigida pelo jordaniano Abu Musab al-Zarqawi.

Impressionado com a erudição religiosa de Baghdadi, o porta-voz o convenceu a viajar a Damasco, onde trabalharia para garantir que a propaganda da AQI aderisse aos princípios islâmicos ultraconservadores.

Zarqawi foi morto em junho de 2006 por um ataque aéreo dos EUA e foi sucedido por um egípcio, Abu Ayyub al-Masri.

Naquele mês de outubro, Masri dissolveu a AQI e fundou o Estado Islâmico no Iraque (ISI). O novo grupo continuou a jurar lealdade à Al-Qaeda.

Direito de imagem Reuters
Image caption O autointitulado Estado Islâmico foi fundado contra a vontade do comando da Al-Qaeda

Um novo emir

Por causa das credenciais religiosas de Baghdadi e de sua capacidade de aproximar os estrangeiros que fundaram o ISI e os iraquianos que mais tarde se juntaram ao grupo, Baghdadi acabou subindo na hierarquia do grupo.

Ele foi nomeado supervisor do Comitê da Sharia (a lei islâmica) e depois foi nomeado para o Conselho Shura - uma cúpula de 11 membros que assessorava o emir do ISI, Abu Omar al-Baghdadi.

Baghdadi foi depois nomeado para o Comitê de Coordenação do ISI, que supervisionava a comunicação com os comandantes do grupo no Iraque.

Após as mortes do fundador do ISI e de seu antigo emir, em abril de 2010, o Conselho Shura escolheu Abu Bakr al-Baghdadi como o novo emir da organização.

Baghdadi começou a reconstruir o ISI, que foi dizimado pelas forças de operações especiais dos EUA.

Na esperança de capitalizar a crescente agitação na Síria em 2011, na esteira da chamada Primavera Árabe, Baghdadi ordenou que um de seus agentes sírios estabelecesse um ramo secreto do ISI no país, mais tarde conhecido como Frente al-Nusra.

O surgimento do Daesh

Baghdadi logo se desentendeu com o líder da Al-Nusra, Abu Mohammed al-Julani - ele queria colaborar com os rebeldes sunitas que lutavam pela derrubada do presidente sírio Bashar al-Assad.

Ao invés disso, Baghdadi queria estabelecer seu próprio Estado por meio da força bruta, antes de se confrontar com Assad.

No começo de 2013, Baghdadi anunciou que a Al-Nusra fazia parte do ISI, que ele rebatizou de "Estado Islâmico do Iraque e al-Sham / Levante" (o grupo também é conhecido pelas siglas ISIS, ISIL ou Daesh).

Quando o líder da Al-Qaeda, Ayman al-Zawahiri, ordenou a Baghdadi que reconhecesse a independência da Al-Nusra, Baghdadi recusou-se. Em fevereiro de 2014, Zawahiri expulsou o Estado Islâmico da Al-Qaeda.

O grupo respondeu lutando contra a Al-Nusra e consolidando sua posição no leste da Síria, onde Baghdadi impôs severas leis religiosas.

Com sua fortaleza segura, Baghdadi ordenou que seus homens avançassem para o oeste do Iraque.

O califa

Em junho de 2014, o Estado Islâmico capturou a segunda maior cidade do Iraque, Mossul. Logo depois, o porta-voz do grupo proclamou o retorno do califado.

Dias depois, durante uma pregação de sexta-feira em Mossul, Baghdadi declarou-se califa.

Desde então, relatos de sua morte foram diversas vezes ventilados na imprensa. Mas nunca foram confirmados.

O que aconteceu com o EI?

No auge de seu poder, o Estado Islâmico chegou a controlar quase 88 mil quilômetros quadrados, ao longo da fronteira entre o Iraque e a Síria.

Mas, em 2016, o grupo já estava em retirada. No ano seguinte, perdeu o controle de Mossul, no Iraque - justamente a cidade na qual Baghdadi e seus seguidores declararam a fundação do califado.

Em outubro de 2017, o grupo perdeu o controle de Raqqa, sua "capital" na Síria.

O autoproclamado Estado Islâmico continuou perdendo território ao longo de 2018, culminando com a retirada para Baghouz.

E, em março deste ano, as Forças Democráticas Sírias (FDS), de origem curda, anunciaram a tomada de controle de Baghouz, dando fim ao "califado", que perdurou por cinco anos.

Este texto foi elaborado em partes com informações de William McCants, autor do livro The ISIS Apocalypse: The History, Strategy, and Doomsday Vision of the Islamic State. (O apocalipse do ISIS: a história, a estratégia e a visão do Estado Islâmico sobre o fim dos tempos, em tradução livre). McCants dirige o projeto de Relações dos Estados Unidos com o mundo islâmico da Brookings Institution, e é professor da Universidade Johns Hopkins.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Notícias relacionadas