Crise na Bolívia: as duas faces de Evo Morales
A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

Crise na Bolívia: as duas faces de Evo Morales

Em três semanas, a Bolívia viu Evo Morales ser declarado vencedor em uma eleição que o levaria a um quarto mandato; a Organização dos Estados Americanos (OEA) recomendar a anulação do pleito; e, com a escalada de tensões, o anúncio de renúncia do líder e seu asilo no México.

Isso tudo em meio a protestos que dividiram o país, deixando pelo menos três mortos e rastros de destruição em várias cidades.

Mas qual é o contexto por trás desta divisão sobre Morales?

Para seus apoiadores, o período de 14 anos em que Morales esteve à frente do governo boliviano foi um caso de sucesso do socialismo.

Ele foi o primeiro mandatário indígena do país e teve como legado a retirada de milhões de bolivianos da pobreza — segundo dados do Banco Mundial, 38% da população vivia na extrema pobreza em 2006; em 2017, o percentual chegou à metade. A expectativa de vida no país também aumentou de 65,3 anos para 70,9 anos em 2017.

A nacionalização de grandes reservas de gás no seu governo também fomentou um crescimento anual médio de 5% ao ano em seu governo.

Mas o tempo e o número de mandatos nos quais essas ações aconteceram, foram, para a oposição, excessivos — e mais que isso, antidemocráticos, dizem os críticos.

A acusação ganhou força especialmente depois de 2016, quando um referendo que impediria sua reeleição para um quarto mandato foi anulado pelo Tribunal Constitucional.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Tópicos relacionados