BolaWrap, o aparelho que policiais de Los Angeles usarão para ‘laçar’ suspeitos

BolaWrap Direito de imagem Wrap Technologies
Image caption O BolaWrap foi projetado para envolver um indivíduo em uma corda, restringindo seus movimentos

Duzentos policiais de Los Angeles, nos Estados Unidos, serão treinados para usar um novo aparelho projetado para deter uma pessoa envolvendo-a em um cordão.

O BolaWrap, recentemente adotado por outras forças de segurança do país, dispara uma corda que pode se enrolar no tronco ou nas pernas de um alvo localizado a uma distância de até sete metros.

O objetivo é restringir o movimento desta pessoa, permitindo que os policiais consigam detê-la. Mas ativistas de direitos civis manifestaram preocupações sobre seus possíveis usos.

A princípio, três aparelhos serão usados por policiais de Los Angeles como parte de um teste de 90 dias, a partir de janeiro. A previsão é depois expandir a iniciativa, com o treinamento de 200 membros da corporação.

"Se você usa esse tipo de recurso, ganha tempo para que os policiais coloquem em prática medidas secundárias", disse o chefe da polícia Carlos Islas ao jornal Los Angeles Times. "É uma ferramenta de que necessitávamos faz tempo."

Direito de imagem Wrap Technologies
Image caption O aparelho lança uma corda de 2,43 metros de comprimento contra o alvo

Islas explicou que o aparelho só será usado em circunstâncias específicas, incluindo casos em que uma pessoa sofre de problemas de saúde mental.

Esta será uma das muitas ferramentas empregadas por policiais e pode não funcionar para todas as situações, afirmou o chefe de polícia.

Como funciona?

A Wrap Technologies, empresa que fabrica o BolaWrap, o descreve como "um aparelho de detenção remota portátil que lança uma corda de 2,43 metros de comprimento".

No final da corda, disparada a uma velocidade de 156 metros por segundo, há duas pontas que se prendem a uma pessoa quando entram em contato com o corpo.

Direito de imagem Wrap Technologies
Image caption O BolaWrap pode envolver o tronco ou as pernas de uma pessoa a até sete metros de distância, diz a fabricante

"Os suspeitos são detidos com o mínimo ou nenhuma dor, além de isso permitir que os policiais os cerquem e investiguem a situação", diz a empresa em seu site.

Quem já usa?

Várias forças policiais americanas, como em Fresno, na Califórnia, e em Hendersonville, na Carolina do Norte, estão treinando seus policiais para usar o BolaWrap nas ruas.

Em outubro, um policial de Fresno recorreu ao aparelho para prender um homem que esfaqueou duas pessoas.

Direito de imagem Wrap Technologies
Image caption O BolaWrap está sendo usado pelas forças policiais dos EUA como uma ferramenta não letal

No mês passado, a polícia de Santa Cruz, na Califórnia, anunciou ter comprado 20 aparelhos para ter à sua disposição uma "opção de força menos letal".

A imprensa americana comparou o BolaWrap às armas usadas pelo super-herói Batman, que emprega meios não-letais no combate ao crime.

Mas o aparelho também foi alvo de críticas por parte de ativistas de direitos civis. Em um debate sobre o novo recursos com a polícia de Los Angeles, Adam Smith, membro do Black Lives Matter (vidas negras importam, em inglês), disse que ele provavelmente seria usado em comunidades formadas principalmente por minorias étnicas e sociais, de acordo com o Los Angeles Times.

Que outras novas tecnologias a polícia está testando?

O BolaWrap é um dos vários recursos que forças policiais nos Estados Unidos vêm testando.

No mês passado, a polícia do Estado de Massachusetts disse que está usando cães-robôs para manter os policiais seguros em situações potencialmente perigosas.

Um porta-voz afirmou que o robô, fabricado pela empresa Boston Dynamics, é "uma ferramenta valiosa para a aplicação da lei devido à sua capacidade de permitir avaliar ambientes potencialmente perigosos".

A União Americana por Liberdades Civis, um grupo de defesa de direitos humanos, pediu à polícia de Massachusetts que explique como os robôs estão sendo empregados e manifestou preocupações quanto à falta de transparência no emprego deste recurso.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Tópicos relacionados

Notícias relacionadas